O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Leituras essenciais: John Ruskin e as 'Sete Lâmpadas da Arquitetura'

Leituras essenciais: John Ruskin e as 'Sete Lâmpadas da Arquitetura'

Leituras essenciais: John Ruskin e as 'Sete Lâmpadas da Arquitetura'
Leituras essenciais: John Ruskin e as 'Sete Lâmpadas da Arquitetura', Capa do livro 'The Seven Lamps of Architecture'
Capa do livro 'The Seven Lamps of Architecture'

Esse é o segundo texto de nossa série Leituras Essenciais,  onde apresentaremos textos notáveis e imprescindíveis que abrangem temas diversos, como a arquitetura contemporânea, urbanismo, arquitetura de interiores e paisagem.
Neste extrato do livro "As Sete Lâmpadas da Arquitetura", publicado em 1849 e considerado o primeiro livro completo de John Ruskin sobre arquitetura, seus estudos são destilados em sete princípios morais. Essas "Lâmpadas" destinavam-se a orientar a prática arquitetônica da época, defendendo um profundo respeito pela trama original dos edifícios existentes. O capítulo de abertura -A Lâmpada do Sacrifício- tenta "distinguir cuidadosamente entre Arquitetura e Construção", contra o pano de fundo da visão de mundo de Ruskin (muitas vezes criticada) sobre a disciplina em geral.

Um resumo de John Ruskin

Nascido em Londres no ano de 1819, Ruskin foi um crítico de arte, arquitetura e sociedade que, ao longo de seus oitenta e um anos de vida, pintou, escreveu e fez campanha por uma mudança social. Embora não seja arquiteto, viveu o auge do Império Britânico com a Rainha Vitória ao seu leme e ajudou a ser pioneiro na proliferação dos movimentos do Renascimento Romântico e Gótico na Inglaterra. Mais tarde ele escreveria The Stones of Venice (1851-53), pelo qual ele é mais conhecido.

Plate I (Page 33, Vol. V). ImageOrnamentos de Rouen, St. Lo, e Venice
Plate I (Page 33, Vol. V). ImageOrnamentos de Rouen, St. Lo, e Venice

Trecho do início do Capítulo 1:

A Lâmpada do Sacrifício

I. Arquitetura é a arte que assim dispõe e adorna os edifícios levantados pelo homem para qualquer uso, e que sua visão contribua para a sua saúde mental, poder e prazer.

É muito necessário, no início de toda investigação, distinguir cuidadosamente entre Arquitetura e Construção.

Construir, para confirmar literalmente, é de comum entendimento juntar e ajustar as várias peças de qualquer edifício ou receptáculo de tamanho considerável. Assim, nós temos a edificação da igreja, a edificação da casa, a construção do navio, ou a construção da carruagem. Esse edifício está de pé, o outro flutua e o outro está suspenso em molas de ferro, não faz diferença na natureza da arte, se assim se pode chamar, de construção ou edificação. As pessoas que professam essa arte são solidamente construtores, eclesiásticos, navais ou qualquer outro nome que sua obra possa justificar; mas construir não se torna arquitetura meramente pela estabilidade do que erige. E não é mais arquitetura o que ergue uma igreja, ou que se ajusta a ela para receber e conter confortavelmente um número necessário de pessoas ocupadas em certos ofícios religiosos, do que é arquitetura que faz uma carruagem cômoda ou um navio rápido. Naturalmente, eu não quero dizer que a palavra não é frequentemente, ou mesmo não pode ser legitimamente, aplicada em tal sentido (como falamos da arquitetura naval); Mas nesse sentido a arquitetura deixa de ser uma das artes plásticas e, portanto, é melhor não correr o risco, por uma nomenclatura frouxa, da confusão que surgiria e surgiu muitas vezes da extensão de princípios que pertencem inteiramente à construção, na própria esfera da arquitetura.

Limitemos, portanto, o nome àquela arte que, tomando e admitindo como condições de seu trabalho, as necessidades e usos comuns do edifício, imprime em sua forma certas características veneráveis ou bonitas, mas desnecessárias. Assim, suponho, ninguém chamaria as leis arquitetônicas que determinam a altura de um cerco ou a posição de um bastião. Mas se ao revestimento de pedra desse bastião fosse adicionado uma característica desnecessária, como um molde do cabo, isso é arquitetura. Seria igualmente irracional chamar as ameias ou os maquilhamentos de características arquitetônicas, contanto que consistam somente de uma galeria avançada suportada em massas projetadas, com intervalos abertos abaixo por transgressão. Mas se estas massas salientes são entalhadas em percursos arredondados, que são inúteis, e se os títulos dos intervalos são arqueados e adornados, o que é inútil, isso é Arquitetura. Pode não ser sempre fácil traçar a linha tão agudamente e simplesmente, porque há poucos edifícios que não têm alguma pretensão ou cor de ser arquitetônico; Nem pode haver qualquer arquitetura que não se baseie na construção, nem qualquer boa arquitetura que não se baseia na boa construção; Mas é perfeitamente fácil e muito necessário manter as ideias distintas e compreender plenamente que a Arquitetura se preocupa apenas com as características de um edifício que estão acima e além de seu uso comum. Eu digo comum; porque um edifício elevado à honra de Deus, ou em memória aos homens, certamente tem um uso ao qual seu ornamento arquitetônico se encaixa; Mas não um uso que limite, por quaisquer necessidades inevitáveis, seu plano ou detalhes.

II. Arquitetura adequada, então, naturalmente arranja-se sob cinco principais:—

  • Devocional; incluindo todas as edificações erguidas para serviços ou em honra de Deus.
  • Memorial; incluindo monumentos ou sepulturas.
  • Civil; incluindo todos os edifícios levantados por nações ou sociedades, para fins de negócios comuns ou de prazer.
  • Militares; incluindo toda a arquitetura privada e pública de defesa.
  • Doméstica; incluindo cada classe e tipo de moradia.

Agora, dos princípios que eu gostaria de desenvolver, enquanto todos devem ser, como eu disse, aplicáveis a cada estágio e estilo da arte, alguns, e especialmente aqueles que são excitantes ao invés de ordenados, têm necessariamente mais completa referência a um tipo de edifício do que outro. E, entre estes, eu colocaria em primeiro lugar aquele espírito que, tendo influência em tudo, tem, no entanto, uma referência tão especial à arquitetura devocional e memorial - o espírito que oferece para essas obras preciosas coisas simplesmente porque são preciosas; Não como sendo necessário ao edifício, mas como uma oferenda, rendição e sacrifício do que é para nós desejável. Parece-me, não só que esse sentimento é, na maioria dos casos, completamente insuficiente naqueles que dirigem os edifícios devocionais do dia de hoje. Mas que até mesmo seria considerado como um princípio ignorante, perigoso, ou talvez criminoso por muitos entre nós. Eu não tenho espaço para entrar em disputa de todas as várias objeções que poderiam ser instadas contra ele - são muitas e espaçosas; Mas talvez eu possa pedir a paciência do leitor, enquanto estabeleço as razões simples que me fazem acreditar que é um sentimento bom e justo, e também -agradando a Deus e honrando os homens, como é absolutamente necessário para a produção de qualquer grande obra do tipo em que estamos preocupados.

John Ruskin em 1882. Image Cortesia de Wellcome Library
John Ruskin em 1882. Image Cortesia de Wellcome Library

Leia The Seven Lamps of Architecture, em inglês, no Project Gutenberg.

25 Livros de Arquitetura Grátis para Ler Online

Sobre este autor
James Taylor-Foster
Autor
Cita: Taylor-Foster, James. "Leituras essenciais: John Ruskin e as 'Sete Lâmpadas da Arquitetura'" 16 Fev 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/805439/leituras-essenciais-john-ruskin-e-as-sete-lampadas-da-arquitetura> ISSN 0719-8906