O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. AD Brasil Entrevista: Alvaro Razuk / 32ª Bienal de Arte de São Paulo: Incerteza Viva

AD Brasil Entrevista: Alvaro Razuk / 32ª Bienal de Arte de São Paulo: Incerteza Viva

AD Brasil Entrevista: Alvaro Razuk / 32ª Bienal de Arte de São Paulo: Incerteza Viva
AD Brasil Entrevista: Alvaro Razuk / 32ª Bienal de Arte de São Paulo: Incerteza Viva, © Ricardo Amado
© Ricardo Amado

32ª Bienal de Arte de São Paulo, que nesta edição tem como título Incerteza Viva, fecha suas portas no próximo domingo, dia 11 de dezembro. Aberta em setembro, a mostra, que tem curadoria de Jochen Volz, reúne cerca de 90 artistas e coletivos que ocupam os espaços do Pavilhão Ciccillo Matarazzo.

Conversamos com o arquiteto Alvaro Razuk, responsável pela expografia da Bienal de Arte, sobre suas estratégias de projeto para dialogar com o tema da mostra e intervir em um edifício tão emblemático como o Pavilhão da Bienal. 

ArchDaily Brasil - Como o projeto expográfico para a 32° Bienal de Artes de São Paulo se relaciona com o tema desta edição: Incerteza Viva?

Alvaro Razuk - Dentro da discussão sobre o tema, vários outros conceitos e ideias foram trazidos pela curadoria: 1) Nível de entropia - Em um sistema entrópico os elementos que fazem parte dele se relacionam de forma coordenada, ou seja, eles co-existem. Da mesma maneira a curadoria nos orienta a não propor uma arquitetura onde esta hierarquia se explicita - rua principal, secundaria, salas maiores e menores. Por fim o curador Jochen Volz pediu para que ao desenharmos a exposição pensássemos em um jardim, como ele pode se articular, em que medida os elementos desta estrutura se inter -relacionam, etc.

© Ricardo Amado
© Ricardo Amado

A partir destas questões que em nossa opinião apontam a mesma direção, fizemos uma transposição de linguagem: Como em um parque onde massas vegetais contrastam com grandes gramados, desta maneira paredes altas e salas fechadas de ocorrência mais concentrada se contrapõe/coexistem com áreas livres, praças, espaços de estar, circulações, performances e instalações.

© Ricardo Amado © Ilana Bar © Ilana Bar © Leo Eloy + 10

ADBR - Quais os desafios enfrentados ao projetar em um pavilhão desta escala, que tem quase 40 mil metros quadrados? 

AR - Temos 3 pisos de 10 mil metros quadrados e usamos o térreo, o primeiro e metade do segundo (totalizando 25 mil metros quadrados). Penso que a quantidade de artistas e o partido arquitetônico e diretrizes da curadoria resultaram em um desenho agradável e bastante dinâmico, onde o contraste entre regiões mais povoadas com regiões menos densas fez com que a visita destes 25 mil m² ocorresse de forma gradual e surpreendente.

© Leo Eloy
© Leo Eloy

ADBR - Intervir, mesmo que temporariamente, em um projeto de Oscar Niemeyer pode ser ao mesmo tempo entusiasmante e opressor. Nesse sentido, buscou-se no projeto expográfico alguma espécie de diálogo com a arquitetura do pavilhão? Como?

AR - Ao se desenhar uma exposição, cada edifício apresenta limites e oportunidades. Procuramos sempre ler a edificação e tirar partido de suas qualidades e dificuldades, e acho que conseguimos. O Pavilhão da Bienal, quando aparece, surge de forma surpreendente. O fato de ser um prédio desenhado por Oscar Niemeyer, diante de tudo isso, passa ser secundário. 

© Ilana Bar
© Ilana Bar

ADBR - Qual a importância do mobiliário e das cores para o projeto de expografia? 

AR - O mobiliário é de extrema utilidade nas áreas de descanso que são muito necessárias e frequentadas. Em nossa proposta, desenhamos 2 tipos que se repetem e criam uma paisagem própria (rodas, massas maiores ou menores etc.) As cores, quando aparecem, possuem o mesmo valor cromático do branco escolhido para os painéis, reforçando o caráter ambíguo da arquitetura desta exposição, que é uma das grandes riquezas e sofisticações deste projeto. Muitas vezes não se percebe o uso das cores e por vezes pensa-se que as cores são reflexos da luz de fora do pavilhão.

© Ricardo Amado
© Ricardo Amado

ADBR - Houve alguma interação ou relação como os artistas selecionados pela Bienal? Se sim, como isso influenciou o projeto expográfico? 

AR - Falamos muito com vários artistas, sempre mediado pela curadoria. Tentamos sempre adequar o projeto em função das demandas surgidas, porém sem perder o partido arquitetônico escolhido.

© Leo Eloy
© Leo Eloy

Ficha técnica

  • Projeto Expográfico: Alvaro Razuk Arquitetura
  • Equipe: Alvaro Razuk, Daniel Winnik, Isa Gebara, Juliana Prado Godoy, Paula Franchi, Ricardo Amado e Silvana Silva
  • Curadoria: Jochen Volz
  • Cocuradores: Gabi Ngcobo, Júlia Rebouças, Lars Bang Larsen e Sofía Olascoaga

Cita: Romullo Baratto. "AD Brasil Entrevista: Alvaro Razuk / 32ª Bienal de Arte de São Paulo: Incerteza Viva" 08 Dez 2016. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/801027/ad-brasil-entrevista-alvaro-razuk-32a-bienal-de-arte-de-sao-paulo-incerteza-viva> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube