O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Clássicos da Arquitetura: Planetário Galileo Galilei / Enrique Jan

Clássicos da Arquitetura: Planetário Galileo Galilei / Enrique Jan

Clássicos da Arquitetura: Planetário Galileo Galilei / Enrique Jan
Clássicos da Arquitetura: Planetário Galileo Galilei / Enrique Jan, via Flickr user: Luis Argerich (CC BY–NC 2.0)
via Flickr user: Luis Argerich (CC BY–NC 2.0)

No marco de um pensamento baseado na evolução humana e na necessidade de evidenciá-la na arquitetura, em 20 de dezembro de 1966 inaugurou-se dentro do Parque 3 de Febrero  - projetado pelo paisagista francês Charles Thays no bairro de Palermo -, a obra do Planetário Galileo Galilei. Um edifício como instrumento/ponte entre o universo científico e os cidadãos de Buenos Aires.

Projetado pelo arquiteto argentino Enrique Jan, o edifício estabelece uma relação entre a astronomia e a arquitetura através de sua componente em comum: a matemática e a geometria. Dada sua posição no espaço e sua forma, é atualmente uma das imagens icônicas da cidade e cenário de múltiplos eventos científicos, culturais e festivos.

via Flickr user: Luis Argerich (CC BY–NC 2.0)
via Flickr user: Luis Argerich (CC BY–NC 2.0)

O perfil do planetário destaca-se pelo aporte de Jan - no desenvolvimento da indústria argentina e a manifestação de suas possibilidades - mediante a proposta de um símbolo para sua expressão arquitetônica. Segundo o arquiteto, "este edifício é um dos poucos no mundo projetado e construído partindo do módulo do triângulo equilátero", sendo a primeira superfície plana que se pode realizar com um mínimo de lados iguais e que encerra um princípio simbólico de unidade de origem que estabelece uma condição sequencial no desenvolvimento do projeto. Essa unidade é evidenciada em sua planta e se translada a todos os seus elementos, atendendo a uma relação entre as partes e o todo.

via Flickr user: digitaltemi (CC BY 2.0)
via Flickr user: digitaltemi (CC BY 2.0)

As obras de construção do Planetário foram iniciadas em 1962, sob a direção do arquiteto argentino através da Dirección General de Arquitectura da prefeitura de Buenos Aires. Os trabalhos estiveram a cargo da Compañía de Construcciones Civiles S.A - com o requerimento de um grande esforço técnico e colaboração entre profissionais - permitindo funcionar em 13 de junho de 1967 e sua abertura definitiva em 5 de abril de 1968.

Corte / Cortesia de Planetario Galileo Galilei
Corte / Cortesia de Planetario Galileo Galilei

O edifício consta de cinco pavimentos e seis escadas, conformando três partes principais; a esplanada de acesso, a área de exposição do primeiro piso e a sala circular do planetário - de 20 metros de diâmetro - materializada por uma série de três cúpulas semi-esféricas.

via © Wikipedia User: Claudio Elias (Domínio Público)
via © Wikipedia User: Claudio Elias (Domínio Público)

A esplanada de acesso manifesta-se como uma ponte sobre um espelho d'água de 47 metros de diâmetro, e onde há amonites, fósseis marinhos e um meteorito metálico encontrado na província de Chaco em 1965. Desde o hall de entrada acessa-se mediante uma escada em espiral para o primeiro andar, onde está a área de exposição em uma planta triangular - ou aos dois subsolos, o primeiro com uma biblioteca especializada, os escritórios administrativo, sanitários e a direção, e o segundo com depósitos e sala de máquinas.

via Flickr user: Denise Mayumi (CC BY 2.0)
via Flickr user: Denise Mayumi (CC BY 2.0)

Na sala principal encontrava-se - até o ano 2011 - o instrumento de 5 metros de altura e 2,5 toneladas que conformava o sistema de projeção dirigido à primeira cúpula interna, revestida de chapas de alumínio como uma tela, que oferecia várias funções em relação à temática astronômica.

via © Wikipedia User: Christian Pavez (CC BY-SA 3.0)
via © Wikipedia User: Christian Pavez (CC BY-SA 3.0)

Desde 2011 foram feitas algumas reformas. No interior da cúpula foram substituídos os equipamentos de projeção e os assentos - adaptando-se às novas tecnologias - em conjunto com a manutenção das placas de alumínio. No exterior substituiu-se o sistema de iluminação arquitetônica da cúpula, composto por lâmpadas Xenon - há 15 anos - por lâmpadas LED, sendo que atualmente o perfil geométrico destaca-se entre a natureza na noite portenha.

via Flickr user: Luis Argerich (CC BY–NC 2.0)
via Flickr user: Luis Argerich (CC BY–NC 2.0)
via © Wikipedia User: Mikecesar (CC BY-SA 3.0)
via © Wikipedia User: Mikecesar (CC BY-SA 3.0)
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato. Cita: Dejtiar, Fabian. "Clássicos da Arquitetura: Planetário Galileo Galilei / Enrique Jan" [Clásicos de Arquitectura: Planetario Galileo Galilei / Enrique Jan] 21 Nov 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/799775/classicos-da-arquitetura-planetario-galileo-galilei-enrique-jan> ISSN 0719-8906