O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O futuro da representação na arquitetura: uma entrevista com Morean Digital Realities e Zaha Hadid Architects

O futuro da representação na arquitetura: uma entrevista com Morean Digital Realities e Zaha Hadid Architects

  • 15:00 - 11 Dezembro, 2015
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
O futuro da representação na arquitetura: uma entrevista com Morean Digital Realities e Zaha Hadid Architects

Acima: Vídeo da apresentação final da Danjiang Bridge por Zaha Hadid Architects, com sequências de construção feitas pela Morean Digital Realities e entorno fornecido pelo Studio MIR.

Nesta época de rápidas respostas e decisões, é mais importante do que nunca para os arquitetos serem capazes de fornecer aos clientes uma ideia clara do que será construído. Felizmente para nós, existem empresas que se especializam em ajudar nesse processo. A Morean Digital Realities, por exemplo, é uma empresa de representação que trabalha em conjunto com arquitetos para criar renderizações e animações que ajudam a explicar como os projetos funcionarão. Essas visualizações podem ser feitas para clientes, concursos ou usadas como material para captação de recursos. Seu trabalho recente inclui um vídeo para o concurso da Danjiang Brigde, em que Morean forneceu uma animação dramática acompanhado por uma montagem do entorno feita por outra empresa visualização, o Estúdio MIR. Juntos, esses dois estúdios de visualização ajudaram o escritório Zaha Hadid Architects a conquistar a comissão do projeto.

O ArchDaily falou com três membros da equipe desse projeto - Saman Saffarian, diretora de projeto no Zaha Hadid Architects; Karl Humpf, diretor de pontes internacionais do Leonhardt, Andrä und Partner; e Gonzalo Portabella, arquiteto e diretor Gerente do Morean Digital Realities - sobre o papel da representação digital dentro da arquitetura e como o campo ainda pode se expandir.

O futuro da representação na arquitetura: uma entrevista com Morean Digital Realities e Zaha Hadid Architects, Simulação Mountain Cam. Imagem Cortesia de Morean Digital Realities
Simulação Mountain Cam. Imagem Cortesia de Morean Digital Realities

Patrick Lynch: Do ponto de vista do arquiteto, o que você espera, em geral, de um estúdio de animação? Existem diferentes requisitos, dependendo do projeto e do tipo de arquitetura?

Saman Saffarian: Os critérios iniciais de seleção para a escolha de uma empresa de animação são qualidade e preço. No entanto, a flexibilidade é de igual importância, especialmente quando o tempo de produção é muito limitado. A capacidade de reagir rapidamente à alterações de projeto em um prazo muito limitado, mantendo a promessa de qualidade é a maior qualidade de uma empresa de animação. Obviamente concursos tendem a ter um fluxo de trabalho mais intenso do que projetos em desenvolvimento e, portanto, não requerem apenas um conjunto de habilidades de representação adequada, mas também relevantes habilidades de gestão.

PL: Na sua perspectiva, como engenheiro de estruturas, quão importante é a comunicação visual para explicar o projeto?

Karl Humpf: Isso tornou-se mais importante a medida em que as formas projetuais, muitas vezes, se tornaram mais complexas do que antigamente. Hoje você tem que dar ao público e / ou uma ampla gama de partes interessadas, organizações, etc, uma impressão abrangente do que será construído nos próximos anos e a animação 3D tornou-se uma ferramenta de venda para as autoridades ou, especialmente importante em concursos ou procedimentos semelhantes de projeto.

PL: Que escala de projeto, na sua opinião, mais se beneficia de uma animação? Existe um tamanho mínimo para a renderização valer a pena?

Saman Saffarian: Isso não dependente necessariamente do tamanho. No entanto, os projetos que são mais complexos podem se beneficiar por depender mais de animações para transmitir a intenção do projeto, solução técnica e outros aspectos.

Perspectivas Conceituais. Imagem Cortesia de Morean Digital Realities
Perspectivas Conceituais. Imagem Cortesia de Morean Digital Realities

PL: Em que fase está o projeto quando se inicia o processo de renderização e animação? As imagens afetam o projeto final, se sim, como?

Saman Saffarian: Em geral, é boa prática iniciar um ciclo de debates com a empresa de imagens quando a fase de esboço inicial e brainstorming termina e as opções de projeto são reduzidas - de preferência antes que o projeto esteja totalmente concluído, já que muitas vezes os previews de teste ou animações têm o potencial de informar o processo de projeto e fazer a tomada de decisões mais fácil. Isto, porém, nem sempre é possível, principalmente devido às restrições de tempo impostas.

PL: Existem diferentes abordagens visuais, dependendo do tipo de arquitetura ou estruturas dentro da prática da Morean?

Gonzalo Portabella: A abordagem não é apenas visual. Tudo começa com um conceito forte. Nosso objetivo é sempre esculpir as mensagens centrais de um conceito. Desta forma, nós decidimos a melhor maneira de trazê-lo à vida. Isso pode implicar animações foto-realistas, voos de drones, animações, desenhos esquemáticos à mão-livre, documentários ou entrevistas em vídeo com as partes interessadas no projeto.

Storyboard - Posição de Câmeras. Imagem Cortesia de Morean Digital Realities
Storyboard - Posição de Câmeras. Imagem Cortesia de Morean Digital Realities

PL: Como o refinamento tecnológico e construtivo podem ser transmitidos por uma animação 3D?

Karl Humpf: Eu não acho que isso é possível, nem necessário para uma animação. Nossas estruturas são basicamente problemas estáticos e apenas o processo de construção, as cargas vivas dentro ou sobre a estrutura são situações de cinema e podem, portanto, serem animadas.

No negócio de construção espera-se que a tecnologia BIM possa revolucionar o processo de planejamento, o que provavelmente será o caso para soluções padronizadas, onde, em um estágio inicial obteria-se todas as informações juntas em um sistema de dados e em 3D. Em projetos especiais onde você não pode usar os padrões típicos BIM terá de ser ainda comprovada a utilizado do sistema BIM. Para fins de animação no entanto, seria fácil de transpor informações parciais para fora do BIM e criar elementos estruturais individuais animados. No entanto, muitas vezes a animação será solicitada mais antes de que o modelo BIM esteja disponível.

Construção da Ponte .Imagem Cortesia de Morean Digital Realities
Construção da Ponte .Imagem Cortesia de Morean Digital Realities

PL: O que você quer para seus clientes?

Saman Saffarian: Compreensão profunda do projeto e uma clara mensagem a ser transmitida.

PL: Quais são as informações e os dados que você precisa dos arquitetos e engenheiros para começar a trabalhar?

Gonzalo Portabella: Quanto mais informações temos, no início de cada projeto, melhor. Nós sempre encorajamos os nossos parceiros de negócios a enviarem tudo o que têm. Pode ser imagens capturadas acidentalmente, artigos de jornal ou informação de fundo cultural que nos ajudam a criar um bom conceito - além de dados técnicos precisos, é claro. Buscamos sempre ter conversas substanciais no início para evitar erros e equívocos no final.

Acima: Um storyboard conceitual inicial produzido por Morean Digital Realities

PL: Quanta liberdade que você teve ao desenvolver o conceito para o vídeo Danjiang Bridge? O que seus clientes esperavam?

Gonzalo Portabella: Depois de um pontapé inicial com nossos clientes, criamos conceitos dentro da nossa equipe. Esta fase é fundamental para que tenhamos o máximo de liberdade para apresentar propostas criativas que nos permitem pensar fora da caixa. Em termos de projeto, na Danjiang Brigde ficamos satisfeitos que nossos clientes gostaram da ideia de um timelapse diário de imediato. Quando fazemos animações para competições geralmente há muito pouco tempo. Nestes casos, é ainda mais importante chegar a conceitos o mais rápido possível. Eu acredito que esta consulta individual, no início de cada projeto é o que nossos clientes esperam. Ela amplia seu horizonte e os salva uma grande quantidade de trabalho por já estarem profundamente envolvidos no projeto.

PL: Como a transferência de conhecimentos e dados entre arquitetos, engenheiros e o estúdio de animação funciona? Existiram desafios específicos na comunicação entre os parceiros do projeto?

Saman Saffarian: A troca constante de modelos digitais, teleconferências e incontáveis sessões de compartilhamento de tela, longas horas de trabalho e um fluxo ininterrupto de e-mails definem o processo de desenvolvimento. Isto foi absolutamente necessário e inevitável, a fim de criar uma proposta bem coordenada e convincente. Certamente não foi uma tarefa fácil para qualquer uma das partes envolvidas, mas o resultado final é uma prova do esforço colaborativo bem sucedido.

PL: A seqüência de construção da animação apresenta novos meios de engenharia estrutural. Qual o conhecimento tecnológico específico por parte do estúdio de animação que você espera? Você pode nos dizer algo sobre a colaboração entre os engenheiros, arquitetos e estúdio animação?

Karl Humpf: O processo de construção reflete uma sequência animada padrão, mas a combinação no presente caso é um tanto original.

O processo de construção foi explicado verbalmente, com o equipamento de construção necessário mostrado ou buscado na internet e as pessoas do Morean eram bastante competentes para entender rapidamente o que se pretendia. Para o vídeo, tivemos que nos preparar - e dado a duração do filme - este foi detalhado o suficiente. Para outros fins, uma descrição mais detalhada do processo pode ser necessária e podem haver alguns encontros pessoalmente. Pelo menos poderia esperar alguns passos adicionais de revisões para atingir o resultado final.

Anotações do Engenheiro, Fundação dos Pilares. Imagem Cortesia de Morean Digital Realities
Anotações do Engenheiro, Fundação dos Pilares. Imagem Cortesia de Morean Digital Realities

PL: Houve barrerias entre a complexidade técnica da construção e sua representação visual?

Karl Humpf: Não, pelo menos não as percebemos. Em muitas tarefas é apenas a quantidade de tempo que você gastou no trabalho que limita o grau de detalhamento. Para preparar o processo com mais ou menos detalhes, você pode ignorar ou simplificar as coisas. Isso faz diferença e depende do objetivo ou propósito da visualização ou animação.

Poderíamos imaginar, quanto mais as ferramentas de animação tornam-se difundidas, no futuro poderemos encontrar sequências elaboradas pela indústria da construção no Youtube, ou sendo usadas diretamente na animação ou como informação geral para as pessoas do estúdio.

PL: Quais são os desafios e limitações quando projetos arquitetônicos complexos e processos de construção tecnicamente sofisticados são prestados em 3D?

Gonzalo Portabella: Claro que é muito importante que todos estejam informados sobre o projeto e na mesma sintonia. Boa coordenação entre todas as empresas envolvidas é crucial para o sucesso do projeto. Nosso fundo arquitetônico nos ajuda nisso. O principal desafio é esclarecer a complexidade do projeto de uma forma que pode ser facilmente comunicada à um público mais amplo, que não é necessariamente familiarizado com os aspectos técnicos. É necessário dar prioridade à algumas partes do projeto de modo que o resultado final é também um filme emocionante que as pessoas gostam de assistir.

PL: O projeto da Danjiang Brigde foi uma apresentação em um concurso. Havia um desafio ou uma abordagem específica para a animação?

Saman Saffarian: O concurso da Danjiang Brigde foi um projeto muito específico em termos de fluxo de trabalho e estratégia de apresentação. Nosso objetivo foi mostrar não só a intenção de arquitetura com uma história de projeto específica, mas também os aspectos de engenharia na forma de uma construção detalhada em time-lapse. Foi um projeto desafiador, considerando que duas empresas de animação estavam envolvidas e a história tinha de ser coordenada com os três parceiros do projeto e, posteriormente editada em um vídeo final, com um fluxo contínuo e uma narração em chinês.

Storyboard . Imagem Cortesia de Morean Digital Realities
Storyboard . Imagem Cortesia de Morean Digital Realities

PL: O que você prevê para o futuro da representação arquitetônica?

Karl Humpf: O processo de visualização acelerou muito e assim os arquitetos e engenheiros podem unir rapidamente idéias alternativas e formas para comparações em 3D, que se tornam muito útil nas fases de conceito, onde a impressão 3D pode ser importantes também. Ferramentas de animação poderão estar disponíveis até mesmo para "usuários leigos," para que mais pessoas possam brincar com eles, assim como hoje em dia você montar sua cozinha na loja de móveis ou planejar o interior de seu novo apartamento através de um aplicativo.

Saman Saffarian: Esta discussão pode ser mais adequadamente tratada em um artigo científico, no entanto, eu acho que você pode abordá-la através de duas extremidades.

De um ponto de vista tecnológico, é bastante óbvio que a realidade virtual é o próximo passo! Apresentações de arquitetura, na sua maioria dependiam de imagens e representações, mas hoje, animações são uma adição gratuita para a maioria dos concursos de arquitetura e pode ser considerada como um padrão da indústria. Ao mesmo tempo, há uma grande quantidade de pesquisas e experiências que estão sendo realizadas na utilização da realidade virtual para apresentações, e não será difícil encontrar no Google muitos exemplos relevantes que estão abrindo o caminho para a indústria seguir.

De um ponto de vista conceitual, não importa qual o meio, plataforma ou tecnologia é utilizada para produzir uma apresentação, alguns aspectos críticos da produção permanecem independentes. A arte de contar histórias, enquadramento, sentido para a escala, composição, ritmo, humor, luz e música criam a espinha dorsal de qualquer apresentação e os meios de se envolver com as nossas emoções internas para criar uma mensagem ou sensação clara. Desta forma, quando estes ingredientes estiveram nos seus lugares a história pode ser transmitida usando mesmo a tecnologia mais futurista.

Gonzalo Portabella: Nós acreditamos fortemente que cada tipo diferente de mídia tem o direito de existir, entre muitos outros, a fim de transmitir uma ideia arquitetônica. O desenho à mão-livre ou desenho técnico tem sua força, assim como a prestação ou a animação faz. A mistura certa é importante e vai ficar importante no futuro. Uma vez que cada projeto, cada local e cada cliente têm necessidades muito individuais, a mistura será sempre diferente. Nós pensamos que as animações e vídeos continuarão desempenhando um papel importante porque nos permitem mostrar visões em movimento, incluindo som, para um público mais amplo, ao mesmo tempo. Acreditamos firmemente que a realidade virtual se tornará muito importante também. Os projetos realizados até agora com VR criaram efeitos "uau" surpreendentes. VR em breve será uma nova opção dentro da cesta de possibilidades de representação de ideias.

Sobre este autor
Patrick Lynch
Autor
Cita: Lynch, Patrick. "O futuro da representação na arquitetura: uma entrevista com Morean Digital Realities e Zaha Hadid Architects" [The Future of Architecture Visualization: An Interview with Morean Digital Realities and Zaha Hadid Architects] 11 Dez 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/778360/o-futuro-da-representacao-na-arquitetura-uma-entrevista-com-morean-digital-realities-e-zaha-hadid-architects> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.