O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Plástico no Design

Plástico no Design

Plástico no Design

A proposta de utilizar o plástico como matéria-prima em peças de mobiliário não é novidade desde o final da década de 1940, o material tem destaque. Confira.

Os primeiros móveis de design de plástico fabricados em série foram desenvolvidos em 1948 por Charles e Ray Eames para o Low-Cost Furniture Design Competion (Concurso de Design de Móveis de Baixo Custo), no Museu de Arte Moderna de Nova York.
Nesta ocasião, o casal apresentou cadeiras com o objetivo de atender às novas necessidades dos proprietários de casas modernas.
Assim, nasceram a RAR (Rocker Armchair Rod), LAR (Lounge Armchair Rod), e DAR (Dining Armchair Rod), com assentos de plásticos reforçados com fibra vidro, e três opções de base: pernas de haste de metal cônica; duas peças de madeira curvas; ou balancins.
Os dois componentes: base e assento eram conectados através de um amortecedor soldado, desenvolvido pela Chrysler, muito tecnológico para a época.
As primeiras cadeiras comercializadas estavam disponíveis nas cores cinza, cinza-esverdeado e bege. Com o tempo, diversas outras cores surgiram.

Plástico no Design, Cadeiras RAR, LAR e DAR. Charles e Ray Eames.. Image © Flickr ® Veerle Pieters
Cadeiras RAR, LAR e DAR. Charles e Ray Eames.. Image © Flickr ® Veerle Pieters

        Hoje em dia são produzidas pela Herman Miller como uma reprodução exata do desenho original, mas incorporando um propileno 100% reciclável.
        Confira aqui o processo de fabricação dela em 12 passos.

        Em 1955, o arquiteto finlandês-americanos Eero Saarinen, criou a coleção de mesas e cadeiras “Tulipainteiramente em plástico. Com traçado completamente orgânico, as peças que parecem “brotar do chão, como se fosse uma flor”, derivaram de um processo altamente industrial com moldagens e tecnologias mais avançadas da década.
        As opções sem braço, com encosto mais estreito, são ainda hoje muito utilizadas em salas de jantar.
        Ficou famosa porque foi usada nos cenários da série de ficção científica Jornada nas estrelas na década de 1960.

        Coleção Tulipa. Eero Saarinen. Image via Knoll.com
        Coleção Tulipa. Eero Saarinen. Image via Knoll.com

        No final da década de 1960, surge a cadeira Panton, com perfil aerodinâmico que lembra o esboço de uma pessoa sentada. Ela foi a primeira cadeira em cantiléver a ser feita a partir de um único pedaço de plástico.
        Inicialmente eram feiras com uma resina de poliéster reforçada por fibras de vidro, mas desde 1980 ela vem sido feita com uma espuma rígida de poliuretano

        Cadeiras Panton. Verner Panton. Image via Stylyze.com
        Cadeiras Panton. Verner Panton. Image via Stylyze.com

        A cadeira Louis Ghost foi criada no início dos anos 2000. Ela é hoje, de acordo com a Kartell, a cadeira de design mais vendida do mundo. Muito desse sucesso deve-se ao material com o qual é produzida: o plástico transparente que, faz um importante diálogo do contemporâneo à esta releitura da clássica poltrona barroca de Luís XV.

        Cadeira Louis Ghost. Philippe Starck. Image via casavogue.globo.com
        Cadeira Louis Ghost. Philippe Starck. Image via casavogue.globo.com

        Além da sustentabilidade e das infinitas possibilidades de design que o plástico oferece, estão outras vantagens, como:
        - Diversidade de cores, inclusive de opções com transparência;
        - Maleabilidade que asseguram as melhores formas de ergonomia;
        - Ótima resistência térmica, podendo ser utilizado em áreas externas;
        - Mobiliários leves e ao mesmo tempo em que suportam altos pesos;
        - Fácil limpeza e conservação dos objetos;
        - Facilidade de mobilidade e transporte;
        - Praticidade, pois muitos deles podem ser empilháveis;
        - Padronização e produção em série;
        - Confiabilidade, durabilidade e segurança.

        No Brasil, o material mais utilizado na produção de mobiliário ainda é a madeira, no entanto, há alguns designers como o carioca Guto Índio da Costa que começam a se destacar no assunto.     

        Cadeira ICZERO1. Guto Índio da Costa. . Image © Indio da Costa Design
        Cadeira ICZERO1. Guto Índio da Costa. . Image © Indio da Costa Design

        A cadeira ICZERO1 desenhada por Guto Índio da Costa é um peça monobloco, feita de polipropileno de alta resistência reforçado com fibra de vidro e proteção ultravioleta, que assegura sua integridade quando usada também em áreas externas São produzidas a partir de um molde único de termo injeção. Suas curvas quase minimalistas, atemporais acordam com diversos ambientes, residenciais e comerciais.

        Um exemplo de como essa a matéria-prima está ganhando cada vez mais espaço e é o Desafio de Design Odebrecht Braskem, programa que convida estudantes universitários a pensar em novas soluções para mobiliários utilizando o plástico. Em sua terceira edição, seis universidades foram selecionadas para propor novos conceitos e aplicações ao mobiliário urbano.
        Parceiras no projeto, a Tramontina e a Freso serão as responsáveis por executar os projetos vencedores. As duas empresas já são conhecidas pela  utilização do plástico, com a mesma premissa de usar um material que seja versátil, resistente, durável e que contribua para produtos mais sustentáveis.

        Linha Elo. Vencedora do 1º Desafio de Design Odebrecht Braskem. Image © Desafio de Design Odebrecht Braskem
        Linha Elo. Vencedora do 1º Desafio de Design Odebrecht Braskem. Image © Desafio de Design Odebrecht Braskem

         “Durante o Desafio, chegamos a uma série de conclusões sobre o plástico: entendemos mais a fundo como funciona o ciclo de vida de um produto, desde a extração da matéria prima, passando pelo transporte do material, processo produtivo, uso e até a pensar no seu destino final, seja ele reciclagem ou reuso, por exemplo. Entendemos também que o plástico se torna um dos materiais mais sustentáveis a partir de uma análise sistêmica, onde conseguimos aliar aquilo que aprendemos na faculdade a um projeto para o mercado, buscando mostrar as vantagens do uso deste material, pela sua capacidade de reciclagem, qualidade de acabamento, durabilidade, etc”, comenta César Roberti, um dos vencedores do 1º Desafio de Design Odebrecht Braskem, que hoje acompanha e orienta os alunos no processo das demais edições do projeto.

        Conheça mais sobre a Poltrona Clarice, da Linha Elo em nosso Catálogo de Produtos.
        Para entender melhor o Desafio de Design Odebrecht Braskem conheça as duas primeiras edições do programa clicando aqui e aqui.
        Você poderá acompanhar todas as novidades do projeto aqui no ArchDaily Brasil e também no site do Desafio de Design.

        Sobre este autor
        Materials
        Autor
        Cita: Materials. "Plástico no Design" 03 Jun 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/767890/plastico-no-design> ISSN 0719-8906

        ¡Você seguiu sua primeira conta!

        Você sabia?

        Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.