O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Reflexões sobre a Utilidade em Arquitetura

Reflexões sobre a Utilidade em Arquitetura

Reflexões sobre a Utilidade em Arquitetura
Reflexões sobre a Utilidade em Arquitetura, © Nikos Koutoulas (CC BY)
© Nikos Koutoulas (CC BY)

Que forma tem o uso?
O arquiteto pensa em ambos, porém só a forma se concretiza.
E por isso põe sobre ela mais atenção e dedicação.

Que forma tem o comer?
Que forma tem o dormir?
Que forma tem o caminhar?

Diretamente: nenhuma.

As ações são absolutamente efêmeras.
Não decantam ou não podem se congelar numa forma.
E ainda que pudessem, essa forma congelada teria pouco a ver com a forma da ação que lhe deu origem.

Talvez a melhor forma do comer seja a colher.
Talvez a melhor forma do dormir seja a cama.
Talvez a melhor forma do caminhar seja a rua.

Mas que relação existe entre a colher e o ato de comer?

Formalmente: nenhuma.

A colher responde à boca e à mão, porém não objetivamente ao comer.
Não obstante, a forma da colher possibilita o comer (coisa que um prato parece não fazer).

Portanto, penso que a forma de uma ação é aquela que detém a possibilidade de produzi-la.

Assim, a forma do beber será sempre as duas mãos juntas, com os dedos inclinados produzindo uma concavidade.
Tal forma não é uma tradução direta da urgência do beber, mas a forma mais essencial que o possibilita.

A forma de uma ação surge da necessidade dessa ação, e ao mesmo tempo possibilita essa ação, agora na realidade física compartilhada.

Logo, o importante e necessário é a forma que possibilita a ação, e não a ação que pede por uma forma.

Embora a urgência de uma necessidade seja o primordial, só a forma que possibilita tal ação é capaz de revelá-la e enaltecê-la.

Há ainda a revelação e enaltecimento outorgado pelo teatro, cujo centro está na forma das ações. Mas assim como estas, ele também é efêmero.

Somente as formas são permanentes.
É através delas que as ações, as necessidades e usos, podem ser entrevistos e recobrar existência, ainda quando já não exista motivo para tanto.

As formas conservam as ações, os anseios e as necessidades do homem.
É preciso saber vê-las (as ações) e por que caminho buscá-las.

Porém,
Talvez a melhor forma do comer seja a mesa: onde se reúnem muitos para uma ação compartilhada do comer.
Talvez seja o prato, que abriga a comida, sustenta a colher, e dá razão à mesa.
Talvez seja a cadeira, que une o homem à mesa, ao prato e à colher.
Talvez o comer tenha múltiplas formas complementárias.
Talvez seja apenas uma delas a forma essencial.
Talvez só tenha sentido a totalidade de ações em conjunto.

Talvez o comer peça por distintas formas.
O arquiteto deve criar cada uma delas.

Qual é a forma do habitar?
Essa é a pergunta fundamental da arquitetura.

Cita: Igor Fracalossi. "Reflexões sobre a Utilidade em Arquitetura" 02 Abr 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/764190/reflexoes-sobre-o-uso> ISSN 0719-8906