O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Cinema e Arquitetura: "Inferno na Torre"

Cinema e Arquitetura: "Inferno na Torre"

Cinema e Arquitetura: "Inferno na Torre"
Cinema e Arquitetura: "Inferno na Torre"

"Quantos mais estarão mortos amanhã? Acreditei que havíamos construído algo onde as pessoas pudessem trabalhar, viver e estarem seguras. Se queria reduzir os custos por que não diminuiu o número de pavimentos em vez da qualidade?" Com esta frase, o arquiteto Doug Roberts (Paul Newman) recrimina o construtor da sua "Torre de Vidro" - edifício mais alto do mundo em 1974 - depois que um enorme incêndio acaba com a vida de quase 200 pessoas durante sua festa de inauguração.

Este incrível filme enfrenta o cidadão dos ano 70 - não acostumado a arquitetura em grande escala - com um enorme arranha-céu que é visto tanto como atrativo quando como ameaçador. Hoje em dia, quando nossas cidades estão inundadas de torres de grande altura, o filme parece ter uma especial relevância, apresentando uma série de interessantes temáticas relacionadas com nossa profissão. 

Como a figura e a relevância do arquiteto mudou nos últimos 40 anos? Até onde chega nossa responsabilidade após desenhar um projeto? Tem sentido continuar enchendo nossas cidades de arranha-céus?

Cinema e Arquitetura: Inferno na Torre Cinema e Arquitetura: Inferno na Torre Cinema e Arquitetura: Inferno na Torre Cinema e Arquitetura: Inferno na Torre + 14

O filme realizado me meio ao boom imobiliário que sofreu a cidade de São Francisco entre 1960 e 1980, uma "onda de Manhattanização" que mudou definitivamente o seu skyline. De alguma maneira, seus criadores (o filme é baseado em dois livros de diferentes autores) estavam à frente do que viria. Atualmente, São Francisco é a segunda cidade com edifícios mais altos da costa oeste dos Estados Unidos, depois de Los Angeles, e a sétima a nível nacional, depois de Nova Iorque, Chicago, Los Angeles, Houston e Dallas

O arranha-céu fictício do filme se apresenta como uma torre de 138 pavimentos e 550 metro de altura, um equivalente ao One World Trade Center (541 metros de altura), inaugurado em 2014 em Manhattan. O edifício mais alto do mundo em 2015, continua sendo o Burj Khalifa, inaugurado em 2010 em Dubai, com 828 metros de altura. Seria este o caminho certo?

Skyline de São Francisco em 2009. Imagem © Leonard G. Vía Wikipedia CC
Skyline de São Francisco em 2009. Imagem © Leonard G. Vía Wikipedia CC

CENAS CHAVE

1.O Skyline de São Francisco em 1974

O protagonista retorna das suas férias sobrevoando a cidade de São Francisco em helicóptero. Isto nos permite ver o skyline que mostrava a cidade no ano de 1974, com mais ou menos 17 edifícios de grande altura (evitando a "Torre de Vidro", claramente distinguível na imagem inferior). Hoje em dia, São Francisco possui 410 arranha-céus, dos quais, 44 possuem altura superior aos 122 metros.

2. A Figura do Arquiteto, 40 anos atrás

Já nas primeira cenas, é possível notar como o arquiteto da torre é esperado ansiosamente para a inauguração do edifício. É recebido no heliporto e é - excessivamente - respeitado pelos seus colegas e por sua equipe de trabalho. O arquiteto se apresenta como uma figura de importância na hora de resolver problemas, utilizando um vocabulário muito técnico e enfatizando seu conhecimento relativo às instalações e mecanismos dos edifício.

3. Os cidadãos impressionados com a arquitetura

A inauguração do edifício é o evento do ano. Os cidadãos se impressionam com sua altura e suas modernas instalações; a alguns, a obra lhes causa desconfiança, enquanto que outros sonham em viver nele. Um grande tapete vermelho espera os convidados da inauguração - convocando um grande número de jornalistas - e em reiteradas ocasiões mostra-se as pessoas olhando para cima. Continuamos nos assombrando com este tipo de arquitetura no dia de hoje?

4. Uso Misto: diferentes programas em um só edifício

O arranha-céu se apresenta como uma espécie de cidade, multi-programático e aparentemente autossuficiente. Os espaços são amplos, luminosos e modernos, incluindo escritórios, moradias e até mesmo ateliês de arte para as crianças. Os diferentes programas da torre são separados por níveis, para funcionar em paralelo, porém de forma independente.

5. A Maquinaria por trás do arranha-céu (e a importância da parte técnica)

Através do roteiro do filme, enfatiza-se o mecanismo que permite o funcionamento do edifício. Em repetidas ocasiões, são mostradas as salas de máquinas e seus operários trabalhando (inclusive se vê o arquiteto revisando as caixas elétricas). A história enfatiza o trabalho específico de diferentes envolvidos na sua construção e coloca em discussão a responsabilidade de cada um deles, em relação ao incêndio.

6. O Arquiteto como um Herói

"Todos querem saber por que o melhor arquiteto do mundo não está aqui". Enquanto a festa de inauguração começa no andar 135, o arquiteto procura resolver um problema elétrico que logo causará o grande incêndio que dá nome ao filme. Doug não somente busca o responsável por não seguir suas especificações técnicas, mas também se envolve completamente; trabalha junto com os bombeiros, auxilia seus companheiros e inclusive apaga o fogo com suas próprias mãos.

7. Locações reais utilizadas para dar vida a "Torre de Vidro"

Para a entrada da torre foi utilizada a praça de acesso dos escritórios centrais do Bank of America, conhecida atualmente como 555 California Street e localizada no Distrito Financeiro da cidade. As cenas no hall e seus espetaculares elevadores de vidro, foram filmadas no Hyatt Regency San Francisco. As áreas de vigilância da torre foram filmadas no subterrâneo do Century City, enquanto a mansão do engenheiro elétrico está localizada no endereço 2898 Vallejo Street, no bairro Pacific Heights.

8. A Maquete da "Torre de Vidro"

Para a realização de algumas cenas exteriores do arranha-céu, foi construída uma maquete de 21 metros de altura, isto permitiu a equipe criar pequenos incêndios na torre para serem incluídos no filme, sem perder o realismo. Entre estas cenas, também incluiu-se o momento da inauguração em que se acende todas as luzes do edifício.

FICHA TÉCNICA

Direção: John Guillermin, Irwin Allen
País: Estados Unidos
Ano: 1974
Duração: 165 min.
Gênero: Ação, Drama, Catástrofes
Roteiro: Stirling Silliphant, baseado nos livros "The Tower" de Richard Martin Stern e "The Glass Inferno" de Thomas N. Scortia y Frank M. Robinson
Música: John Williams

SINOPSE

Doug Roberts, arquiteto, volta de um longo período de férias a tempo para ver o resultado do seu último desenho: o arranha-céu mais alto de São Francisco. Durante a festa de inauguração, realizada no último pavimento, o arquiteto nota que suas especificações técnicas não foram seguidas ao pé da letra e que as instalações elétricas do edifício continuam tendo curto-circuitos.

Uma das falhas provoca um incêndio e os convidados se vêem encurralados pelo fato, já que ao estar em uma altura tão elevada, é impossível controlar o fogo. Mas, o arquiteto do arranha-céu contata o chefe dos bombeiros e planeja uma solução.

Cita: Franco, José Tomás. "Cinema e Arquitetura: "Inferno na Torre"" [Cine y Arquitectura: "Infierno en la Torre" ] 06 Mar 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/763200/cinema-e-arquitetura-inferno-na-torre> ISSN 0719-8906