O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Igreja
  4. Brasil
  5. Joaquim Guedes
  6. 1956
  7. Clássicos da Arquitetura: Igreja da Vila Madalena / Joaquim Guedes

Clássicos da Arquitetura: Igreja da Vila Madalena / Joaquim Guedes

Clássicos da Arquitetura: Igreja da Vila Madalena / Joaquim Guedes
Clássicos da Arquitetura: Igreja da Vila Madalena / Joaquim Guedes, © Babi Carvalho
© Babi Carvalho

© Babi Carvalho © Babi Carvalho Altar atual. Image © Babi Carvalho © Babi Carvalho + 28

 Por Ruth Verde Zein

A Igreja da Vila Madalena organiza-se desde um espaço interno praticamente livre de quarenta por vinte metros, com acesso pela porção média da dimensão maior, disposta faceando a rua, mas bem recuada desta. Cria-se assim um amplo adro que aproveita a porção mais plana do lote, organizado em patamares devido à inclinação da rua lindeira, isolando a construção na porção posterior do terreno; que, devido à sua grande declividade, vai obrigar a apoiar o volume da igreja sobre colunas, de maneira a apresentar o nível de acesso em continuidade à praça.

© Babi Carvalho
© Babi Carvalho
Corte longitudinal (após reforma do altar). Image Courtesy of Arquitetura Brutalista
Corte longitudinal (após reforma do altar). Image Courtesy of Arquitetura Brutalista

A estrutura é conformada por sete pórticos de concreto espaçados a cada cinco metros, amarrados por uma viga central na linha das fachadas, interrompida apenas nos dois vãos de acesso, viga esta que se estende em balanços de cinco metros nas extremidades longitudinais e apoia a laje, elevada do solo, que conforma o piso do salão da igreja. Nos primeiros estudos o pórtico seria organizado por vigas inferiores e pilares de concreto, com tramo superior em treliça metálica; a solução final opta pelo uso exclusivo do concreto em toda a estrutura, a grande viga fazendo às vezes de fechamento da porção inferior do espaço interno, sendo a porção superior envidraçada (executada com tijolos de vidro).

© Babi Carvalho
© Babi Carvalho
Planta baixa (após reforma do altar). Image Courtesy of Arquitetura Brutalista
Planta baixa (após reforma do altar). Image Courtesy of Arquitetura Brutalista

A entrada por duas portas geminadas centralizadas dá acesso imediato ao altar, situado no centro geométrico da composição e apenas protegido na parte posterior por meias paredes em quarenta e cinco graus definindo um setor restrito para sacristia e apoio. O público fica disposto simetricamente aos dois lados do acesso, olhando-se entre si com o altar de permeio, numa “arena” retangular em rampa de aproximadamente dez por cento subindo para cada uma das extremidades.

Altar original. Image © Luis Espallargas
Altar original. Image © Luis Espallargas
Altar atual. Image © Babi Carvalho
Altar atual. Image © Babi Carvalho

Cada plateia é também dividida ao meio, seguindo a projeção de uma viga superior longitudinal que somente aparece em versões mais adiantadas do projeto, e que possivelmente ajuda a amarrar o conjunto estático, ao mesmo tempo em que faz uma sutil concessão figurativa, embora na forma pouco usual da cruz “tau” (formato original das cruzes romanas usado nas igrejas primitivas), discretamente posicionada nas laterais externas menores.

© Babi Carvalho
© Babi Carvalho

Os nichos formados pela disposição interna dos pilares em concreto podem fazer referência aos altares secundários das igrejas tradicionais, mas sem qualquer intimidade particularista. Ao contrário, tudo é visível e simétrico, com a única exceção da torre sineira, posicionada em separado, junto ao alinhamento, deslocada à direita para quem da rua olha a igreja, portanto em posição ligeiramente mais elevada.

© Babi Carvalho
© Babi Carvalho

A lentidão frequente em obras de igreja fez demorar a execução da proposta; esse fato somado a algumas alterações não autorizadas prejudicou a fatura da obra; mas não parece ter alterado os conceitos propostos, somente rebaixado o refinamento dos detalhes. A excessiva novidade do partido que adota as propostas mais avançadas da renovação litúrgica, cobrou um preço no estranhamento com que foi recebida pela comunidade a que se destinava – também, mas não apenas, porque a obra era pensada para nunca receber “acabamento”, intenção plástica radical que se mostrou de difícil compreensão imediata pelo leigo.

© Babi Carvalho
© Babi Carvalho

Referência: Ruth Verde Zein, A Arquitetura da Escola Paulista Brutalista, 1953-1973, Tese de Doutoramento, PROPAR-UFRGS, 2005.

  • Arquitetos

  • Localização

    Rua Girassol - Vila Madalena, São Paulo, Brasil
  • Arquiteto

    Joaquim Guedes
  • Ano do projeto

    1956
  • Category

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: Igor Fracalossi. "Clássicos da Arquitetura: Igreja da Vila Madalena / Joaquim Guedes" 23 Abr 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/601254/classicos-da-arquitetura-igreja-da-vila-madalena-joaquim-guedes> ISSN 0719-8906
Ler comentários
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.