O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Manual Prático de Latinoamericanidade / Germán Téllez

Manual Prático de Latinoamericanidade / Germán Téllez

Manual Prático de Latinoamericanidade / Germán Téllez
Manual Prático de Latinoamericanidade / Germán Téllez, Desenho de Guido Díaz (Equador)
Desenho de Guido Díaz (Equador)

I.

Antes de tudo, se declare culpado. De ignorar sua própria condição ou de qualquer outro pecado que seja do seu agrado ou conveniência, mas se declare culpado. A culpabilidade pode ser a nível regional, nacional ou, melhor, continental. Lembre que um culpado é melhor visto que um inocente, que é sinônimo de ignorante.

II.

Irradie uma boa crise de identidade. Seja um bom snob da própria identidade, e confunda-la ante seus congêneres com o problema de identificação. Olhe seu documento (identidade, cartão de crédito, carteira de motorista ou passaporte) para saber quem eres. Na solidão do seu escritório, agarre a cabeça com as duas mãos e pergunte a si mesmo quê está fazendo aí, em tão estranho lugar. Observe seu diploma de arquiteto. Quê te diz? Ou melhor ainda. Já o leu, de verdade, alguma vez?

III.

Viva e trabalhe em teoria. No mundo da teoria ninguém paga imposto, e não se ama nem se odeia. Porém se toca arpa e se formulam princípios sábios e inteligentíssimos. Formule um qualquer todas as manhãs antes do café. Se este é complementário ou derivativo de um sentimento de culpabilidade ou de um problema de identidade continental, ou de uma combinação de ambos, ou seja, que se sente culpável de ignorar sua identidade latino-americana, melhor ainda.

IV.

Lembre que no mundo das ideias latino-americanas, o que não é proibido é importado, e o resto temos alienado. Consulte isto com seu psiquiatra antes de assistir ao próximo Encontro de Arquitetura.

V.

Não mostre arquitetura. Não diga versos. Não faça música. Não dirija embriagado. Faça discurso para que outros notem quão latino-americano é você. Invente uma versão própria de como é um latino-americano visto pelo mesmo latino-americano, e uma vez completamente secas as partes a ensamblar, substitua seu próprio trabalho e sua própria índole espiritual ou intelectual pelo ensemble inventado. Fale de você mesmo em terceira pessoa.

VI.

Investigue. O que seja, mas investigue. Tome o exemplo dos detetives, das polícias secretas. Se você se sente culpável de não ser muito claramente latino-americano, investigue por quê. Se se sente culpável de não investigar suficientemente, provavelmente consiga, em troca, sentir que está sendo muito claramente latino-americano. Mas investigue até morrer.

VII.

Renegue a Europa, inclusive a Espanha. Esqueça que provavelmente está usando uma linguagem originalmente europeia.

VIII.

Não perca a fé nem a esperança. Um bom dia, no paraíso, algum arquiteto latino-americano irá acompanhar Bolívar, Suárez, Pelé, Maradona, García Márquez, Pancho Villa, José Martí, Santa Rosa de Lima, Pablo Neruda, Ché Guevara, Eva Perón, Héctor Villalobos, Mercedes Sosa e/ou Bartolomé Mitre y Andrés Bello.

 

© Da tradução: Igor Fracalossi

Referência: TÉLLEZ, Germán. “Manual Práctico de Latinoamericanidad”. Em: ARS 10, maio 1988, p.74.

Sobre este autor
Cita: Igor Fracalossi. "Manual Prático de Latinoamericanidade / Germán Téllez" 31 Mai 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/51645/manual-pratico-de-latinoamericanidade-german-tellez> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.