O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Teoria Unificada de Arquitetura: Capítulo 2B

Teoria Unificada de Arquitetura: Capítulo 2B

Teoria Unificada de Arquitetura: Capítulo 2B
Teoria Unificada de Arquitetura: Capítulo 2B, Frank Gehry's Vitra Design Museum is an example of the kind of architecture deconstructivist thinkers praise. In this chapter of Unified Architectural Theory, Nikos Salingaros argues why the scientific approach is superior to that of the deconstructivists . Image © Liao Yusheng
Frank Gehry's Vitra Design Museum is an example of the kind of architecture deconstructivist thinkers praise. In this chapter of Unified Architectural Theory, Nikos Salingaros argues why the scientific approach is superior to that of the deconstructivists . Image © Liao Yusheng

Iremos publicar o livro de Nikos Salíngaros, Unified Architectural Theory, em uma série de trechos, tornando-o disponível digitalmente e gratuitamente a todos os estudantes e arquitetos. A primeira parte do Capítulo 2 descreveu a abordagem científica para a teoria da arquitetura. Esta, a segunda parte do Capítulo 2, explica por que o autor considera a abordagem científica superior à aquelas tomadas pelos desconstrutivistas. Se você perdeu elas, não deixe de ler a Introdução, o Capítulo 1 e o Capítulo 2A.

Algumas tradições são anacrônicas e equivocadas, mas como reservas de soluções tradicionais em relação a qual verificam-se novas propostas que são de imensa importância. Uma nova solução pode, em algum momento, substituir uma tradicional, mas deve ser bem sucedida em restabelecer as conexões com o restante do conhecimento. No contexto dos padrões sociais, arquitetura e urbanismo, novas soluções são úteis caso se conectem a padrões sociais, arquitetônicos e urbanos tradicionais (ou seja, todos aqueles anteriores à década de 1920). Se existe uma lacuna evidente que nada em uma disciplina refere-se a qualquer coisa exterior, então isso poderia ser um problema sério.

Recentemente, Edward Wilson introduziu a noção de "consiliência" como "o bloqueio de explicações causais entre as disciplinas" (Wilson, 1998a). Consiliência reivindica que todas as explicações na natureza estão conectadas e não há fenômenos totalmente isolados. Wilson foca em peças incompletas de conhecimento: a vasta região que separa as ciências das humanidades e está contente em ver isso ser lentamente preenchido por biólogos evolutivos, neurocientistas cognitivos e pesquisadores em inteligência artificial. Ao mesmo tempo, está alarmado com as pessoas nas ciências humanas que estão apagando as partes do corpo de conhecimento existente. Estes incluem filósofos desconstrutivistas. Wilson caracteriza seus esforços como baseados na ignorância.

Na obra de Derrida, ele escreve: "Isso (...) é o oposto da ciência, proferido em fragmentos com a incoerência de um sonho, ao mesmo tempo banal e fantástico. É inocente da ciência da mente e linguagem desenvolvida no resto do mundo civilizado, um pouco como os pronunciamentos de um curandeiro que desconhece a localização do pâncreas." (Wilson, 1998b:. P 41)..

Infelizmente, a maioria das humanidades hoje assina as crenças dos sistemas que danificam a rede de conhecimento consiliente. Embora nunca tenha sido expressa diretamente, o objetivo da desconstrução é apagar as instituições de conhecimento. O que Derrida disse é preocupante o suficiente: "Desconstrução passa por certas estruturas sociais e políticas, encontrando resistência e deslocando instituições quando ele faz isso (...) de forma eficaz, você tem que substituir, eu diria que as estruturas 'sólidas'", não só no sentido de estruturas materiais, mas "sólidas" no sentido de estruturas culturais, pedagógicas, políticas e econômicas "(Norris, 1989. p. 8).

Muitas pessoas anseiam novidades sem levar em conta as possíveis consequências. Este desejo é muitas vezes manipulado por indivíduos sem escrúpulos. Nem tudo novo é necessariamente bom. Um exemplo disto é um vírus novo, desenvolvido e desencadeado artificialmente no mundo. Devido ao imenso poder destrutivo que a humanidade agora possui é imperativo compreender possíveis consequências.

Em uma farsa hilariante, Alan Sokal desenvolveu uma crítica desconstrutiva absurda das afirmações científicas conhecidas em um artigo submetido para publicação de uma pretensiosa revista acadêmica desconstrutivista (Sokal, 1996). Nenhum dos avaliadores daquela revista contestaram Sokal antes de aceitar o artigo, como digno de publicação. Sokal era tão óbvio em sua decepção que assumiu que teria sido exposto, mas não tinha sido.

Posteriormente, Sokal e Jean Bricmont (1998) expuseram a crítica desconstrutivista como absurdo e mostraram que vários destes textos respeitados são baseados em referências científicas sem sentido. Esta é apenas a mais famosa exposição de obras desconstrutivistas absurdas; há muitas outros (Huth, 1998). Em um desmascaramento de textos desconstrutivistas, Andrew Bułhak codificou o estilo literário dos desconstrutivistas em um programa de computador chamado Gerador de Pós-modernismo (1996). É extremamente bem sucedido na geração de textos absurdos que são indistinguíveis daqueles escritos por filósofos desconstrutivistas reverenciados.

Colocando de lado a questão do conteúdo verdadeiro, a disciplina não é válida a menos que repouse sobre uma construção intelectual sólida. Uma característica de uma disciplina coerente é a complexidade hierárquica, em que as ideias correlatas e resultados definem uma estrutura interna exclusiva. Como uma nota bancária válida, esta estrutura deve ser extremamente difícil de ser falsificada. Isso não é o caso com a desconstrução. Assim, um artigo falso em Mecânica Estatística, usando todas as palavras apropriadas e símbolos matemáticos em uma confusão agradavelmente sonora, mas cientificamente sem sentido, seria detectado instantaneamente.

Mesmo um único erro em tal artigo não poderia passar despercebido. É a função de avaliadores verificar cada e todo passo no argumento de um artigo científico submetido para publicação em uma revista profissional. A própria sobrevivência da disciplina depende de um sistema de controle que identifica e expulsa contribuições falsas. Em contraste, a sobrevivência da desconstrução - em que não há nada a verificar - depende da geração de mais e mais textos e edifícios desconstruídos.

Um texto desconstrutivo bem trabalhado faz sentido, mas não de qualquer forma lógica. É um pedaço de poesia que abusa da capacidade humana de reconhecimento de padrões para criar associações, empregando jargões técnicos aleatórios.

Como Roger Scruton salientou: "Desconstrução (...) deve ser entendido no modelo de encantamento mágico. Encantamentos não são argumentos, e evitam pensamentos completos e frases acabadas. Eles dependem de termos cruciais, que derivam seu efeito da repetição e de sua aparição em longas listas de sílabas enigmáticas. Sua finalidade não é descrever o que está lá, mas para chamar o que não está lá ... Encantamentos podem fazer o seu trabalho apenas se as palavras-chave e frases adquirem uma penumbra mística." (Scruton, 2000, páginas 141-142).

O uso de palavras de efeito emocional é uma técnica comum de doutrinação cultural. Esta prática reforça a mensagem do cult. Se em cânticos que fazem pouco sentido ainda podem elevar as emoções dos seguidores ao seu auge, ou nos discursos dos políticos demagogos que despertam a lealdade selvagem e apaixonada, a manipulação emocional é a mensagem. Mesmo após a exposição do caráter fraudulento dos filósofos desconstrutivistas, seu trabalho continua a ser levado a sério. Livros desconstrutivistas estão disponíveis em qualquer biblioteca de universidades, enquanto acadêmicos respeitáveis ​​oferecem longos comentários críticos apoiando as supostas autoridades desses livros. Proporcionando-lhes as armadilhas da pesquisa acadêmica, a impressão é cuidadosamente mantida de que constituem um corpo de trabalho válido.

Seguidores da desconstrução aplicam as técnicas clássicas de cults para aproveitar posições acadêmicas; infiltrar na literatura; deslocar concorrentes, estabelecer uma base de poder através do emprego de propaganda e manipulação da mídia, etc. Eles usam doutrinação para recrutar seguidores, geralmente entre os estudantes descontentes nas humanidades. Como David Lehman colocou: "Uma teologia antiteológica, [desconstrução] (...) encobre-se em mistérios e rituais cabalísticos tão elaborados como os de uma cerimônia religiosa (...) é determinado a mostrar que os ideais e valores pelos quais vivemos não são naturais ou inevitáveis, mas construções artificiais, escolhas arbitrárias que não deveriam ter o poder de nos comandar. No entanto, como um substituto de religião, a desconstrução emprega um vocabulário misterioso, aparentemente projetado para manter os leigos em estado de mistificação permanente. Presumidamente antidogmático , tornou-se um dogma. Fundado em extremo ceticismo e descrença, atrai os verdadeiros crentes e exige sua imersão total.” (Lehman, 1991: p. 55). 

Extraído de: Nikos A. Salingaros, “Anti-Architecture and Deconstruction” (AAAD), Third Edition (Umbau-Verlag, Solingen, 2008). Reimpresso por permissão. Este capítulo também está disponível em Chinês, Francês, Italiano e Russo.

Teoria Arquitetônica Unificada está disponível na Edição Internacional e Norte-americana.

Referências

Christopher Alexander (2001) The Phenomenon of Life: The Nature of Order, Livro 1, The Center for Environmental Structure, Berkeley, Califórnia. 

Christopher Alexander, S. Ishikawa, M. Silverstein, M. Jacobson, I. Fiksdahl-King & S. Angel (1977) A Pattern Language, Oxford University Press, Nova York. 

Andrew Bulhak (1996) “Postmodernism Generator”, disponível online em <http://www.elsewhere.org/cgi-bin/postmodern>.

John Huth (1998) “Latour’s Relativity”, em: A House Built on Sand, Edited by Noretta Koertge, Oxford University Press, Nova York, páginas 181-192.

Léon Krier (1998) Architecture: Choice or Fate, Andreas Papadakis, Windsor, England. Retitled The Architecture of Community, com novo material, Island Press, Washington, DC, 2009.

David Lehman (1991) Signs of the Times: Deconstruction and the Fall of Paul de Man, Poseidon Press, Nova York. 

Christopher Norris (1989) “Interview of Jacques Derrida”, AD — Architectural Design, 59 No. 1/2, páginas 6-11. 

Nikos A. Salingaros (2006) A Theory of Architecture, Umbau-Verlag, Solingen, Alemanha. 

Roger Scruton (2000) “The Devil’s Work”, Chapter 12 of: An Intelligent Person’s Guide to Modern Culture, St. Augustine’s Press, South Bend, Indiana. 

Alan Sokal (1996), “Transgressing the Boundaries: Toward a Transformative Hermeneutics of Quantum Gravity”, Social Text, 46/47, páginas 217-252. 

Alan Sokal & Jean Bricmont (1998) Fashionable Nonsense, Picador, Nova York. Título Europeu: Intellectual Impostures.

Edward O. Wilson (1998a) “Integrating Science and the Coming Century of the Environment”, Science, 279, páginas 2048-2049. 

Edward O. Wilson (1998b) Consilience: The Unity of Knowledge, Alfred A. Knopf, Nova York. 

Sobre este autor
Nikos Salingaros
Autor
Cita: Nikos Salingaros. "Teoria Unificada de Arquitetura: Capítulo 2B" [Unified Architectural Theory: Chapter 2B] 02 Nov 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/150457/teoria-unificada-de-arquitetura-capitulo-2b> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.