O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. É hora de imaginar uma Detroit melhor. Os arquitetos estão prontos?

É hora de imaginar uma Detroit melhor. Os arquitetos estão prontos?

  • 14:00 - 25 Setembro, 2013
  • por
  • Traduzido por Isabela Costa
É hora de imaginar uma Detroit melhor. Os arquitetos estão prontos?
É hora de imaginar uma Detroit melhor. Os arquitetos estão prontos?, Trilhos da ferrovia em Detroit. Cortesia de Shutterstock.com
Trilhos da ferrovia em Detroit. Cortesia de Shutterstock.com

Há uma conexão íntima entre pessoas, poder, pobreza e espaço e não existe uma cidade melhor no mundo para analisar isto do que Detroit. Com a falência iminente não podemos perder de vista as questões humanas que confrontam esta cidade.

Durante décadas o capital e o poder se afastaram do centro de Detroit. Os complexos motivos para tal são de conhecimento geral, portanto não há necessidade de repassá-los aqui. Mesmo diante do fracasso do governo municipal em administrar seus bens corretamente, isto está mudando. Há um movimento lento e hesitante de volta ao centro. Este movimento é um boa notícia por vários motivos: ajudará a reforçar a base tributária, que é o problema financeiro básico que a cidade enfrenta; e o mais importante é que a volta ao centro criará uma conexão espacial mais forte entre o poder e a pobreza que, há um século, não é visto na região.

O poder verá a pobreza e a pobreza o poder. Um sentirá a existência do outro. Eles verão a humanidade de cada lado e serão forçados a reconhecer a responsabilidade compartilhada que carregam por este espaço também compartilhado. É assim que cidades com densa urbanidade e vitalidade operam. Há a aceitação da diversidade em todos os níveis. Barreiras são transpostas e a interação humana encorajada. Assim é como se cultiva a criativdade. A exposição a diversas pessoas, locais e idéias animam e promovem a imaginação e um senso de pertencimento.

É claro que não há ilusões aqui. Os ricos e poderosos não são suscetíveis a perderem seu tempo nas esquinas. Isto forçaria a natureza humana para além de seu estado atual. Mas, como na cidade de Nova York e outros espaços de densa urbanidade, haverá ao menos um lugar de compartilhamento comum para que as pessoas, ricos e pobres, possam tentar melhorar em conjunto.

Por muito tempo investidores e arquitetos planejaram e projetaram comunidades segregadas dentro e fora dos limites de Detroit. Construíram comunidades residenciais muradas, empreendimentos residenciais unifamiliares suburbanos distantes, construíram escritórios e parques industriais com armazéns como locais de trabalho descolados de qualquer outra instalação, construíram shoppings circundados por um mar de estacionamentos separados das casas dos compradores que ali moram. O medo inato do outro, o desejo por proteção e separação de si mesmo através da diferença, a mera conveniência e a simplicidade de instalar-se em terra virgem, criaram um modelo onde uma classe rica, pobre e media foram isoladas em um lugar, separadas umas das outras. Este foi um modelo lucrativo para alguns mas prejudicial para a cultura e economia gerais.

Em grande parte do país e especificamente em Detroit nos faltou a opção de uma vida urbana diversificada e densamente vivenciada. Muitos de nós prevemos e esperamos por uma cidade mais segura onde possamos andar e viver com uma diversidade de pessoas e lugares para desfrutar. Desejamos os benefícios de uma vida em um local diversificado econômica e socialmente. Este anseio está agora sendo reconhecido.

Investidores estão vendo a demanda pela vida urbana em Detroit, porém a mudança é lenta. Esperamos que a falência não amorteça este progresso. Kurt Metzger de Data Driven Detroit relembra que "o maior parque habitacional no centro está lotado. Que os investimentos estão aumentando (no centro) mas a população precisará aguardar por novas moradias. A tendência começou e o momento está definitivamente ali. Os aluguéis precisarão subir um pouco mais para convencer bancos, investidores e avaliadores de que o mercado está pronto". Eu acho que não há dúvida. O mercado está pronto. Nós estamos prontos.

Arquitetos estão trabalhando junto com investidores e comunidades para ajudar a realizar o projeto. O primeiro desígnio de um arquiteto é imaginar um mundo melhor construído. Além dos detalhes construtivos ou qualquer estilo específico de edificação ou tipologia, trabalhamos com nossos clientes e comunidade pela construção de uma visão compartilhada sobre como queremos viver. Então, fornecemos a habilidade técnica e artística para tornar esta visão real.

Todos os sinais para fazer isto acontecer estão lá. Recentemente arquitetos e outros projetistas contribuíram com quase 200 inscrições no concurso para o Hudson's Site patrocinado por Opportunity Detroit; mais de 200 (também não somente arquitetos) inscreveram-se para o concurso internacional de projetos Hart Plaza patrocinado pela AIA Detroit; AIA e outros arquitetos como Dan Kincaid e Dan Pitera de U of D Mercy estão participando e liderando o projeto de obras de Detroit; O comitê de prioridades urbanas da AIA Detroit mobilizou jovens arquitetos para o evento "Jazzin on Jefferson" em junho; e, é claro, arquitetos estão trabalhando com clientes privados em grandes e pequenos projetos que irão finalmente preencher os espaços e fazer com que Detroit seja uma localidade urbana agradável.

As principais diretrizes desta cidade, a alma e a criatividade de seus habitantes, que vivem na cidade de Detroit ou em suas comunidades circundantes, fazem possível a reconstrução deste local de modo autêntico. Da beleza do Rio Detroit ao plano diretor Woodward estabelecido em 1805, da combinação das ruas em grelha e híbridas às icônicas construções históricas que preenchem o skyline, os ingredientes para se fazer um ótimo lugar estão lá.

Para os cidadãos, lideres comunitários e arquitetos há um ingrediente critico que não podemos esquecer: esta é uma jornada compartilhada, não um empreendimento privado. Não importa quão pobre ou poderosas são as pessoas, juntos, recriaremos este espaço e somente poderemos ser bem sucedidos se todos forem incluídos em sua visão e encorajados a participar de sua construção.

Frank X. Arvan é presidente da AIA Detroit. Este artigo apareceu originalmente em Model D como "Opinion: Despite Detroit Bankruptcy, Architects Must Imagine A Better Built Environment"

Imagem dos trilhos da ferrovia em Detroit via Shutterstock.com

Cita: Arvan, Frank. "É hora de imaginar uma Detroit melhor. Os arquitetos estão prontos?" [It's Time to Envision A Better Built Detroit. Are Architects Ready?] 25 Set 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Costa, Isabela) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/142110/e-hora-de-imaginar-uma-detroit-melhor-os-arquitetos-estao-prontos> ISSN 0719-8906