O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Ensaio sobre a Criação

Ensaio sobre a Criação

Ensaio sobre a Criação
Ensaio sobre a Criação, Termas Geométricas, arq. Germán del Sol. Image © Guy Wenborne
Termas Geométricas, arq. Germán del Sol. Image © Guy Wenborne

Pergunta: O que é que faz de alguém capaz da arquitetura?

Quais são os requisitos? O que há que exercitar? O que há que saber? O que há que conhecer? O que há que estudar?

Finalmente, nada faz de alguém capaz da arquitetura.

Primeiro exemplo: alguém pode conhecer muitas obras, haver percorrido muitos lugares, ser perito na história da arquitetura, contudo, isso não o faz capaz da arquitetura.

Segundo exemplo: alguém poder haver estudado e investigado muitas obras e temas, haver feito mestrados, doutorados, pós-doutorados, etc., e ainda assim, isso não o faz capaz da arquitetura.

Terceiro exemplo: alguém pode ter um extenso e profundo conhecimento de outras disciplinas, pode ser um erudito, saber muito de tudo, ser um indagador da condição humana, porém isso tampouco o faz capaz da arquitetura.

Quarto e último exemplo: alguém pode haver exercitado a profissão e o desenho diariamente durante dezenas de anos, pode haver-se imposto uma rotina quase monástica da prática e produção, e inclusive pode haver construído muitos edifícios em distintos lugares, e também isso não o faz capaz da arquitetura.

Por quê?

Há algo que explica então que alguém seja capaz da arquitetura? Que qualidade essencial para o arquiteto –e para todo verdadeiro criador– é essa?

Essa qualidade é a sensibilidade.

O arquiteto é um ente sensível. E o é em duplo sentido. O arquiteto é sensível tanto à circunstância, aquilo que o rodeia, quanto à sua própria condição humana, aquilo que é.

Isso merece algumas palavras mais. A circunstância existe apesar do homem: já está aí, e é indiferente a ele. Porém o homem, maldito pela razão, a crê sua em posse, como algo alheio a ele. Não está aberto a receber a razão como dispositivo através do qual se cria outra circunstância: um óculos cujas lentes são prejuízos, transparente como aqueles, pouco perceptíveis. O arquiteto é aquele capaz de declarar os próprios prejuízos e criar a circunstância possível através deles. O arquiteto, sensível a si mesmo, parte de sua própria condição em direção à circunstância. Sabe da impossibilidade do sentido contrário. Concebe-a como algo interior, que lhe pertence. Porém sua sensibilidade à circunstância de fato, que existe apesar dele e que lhe rodeia, sua vontade e fidelidade à ela, o faz concebê-la novamente como um véu-circunstância. O arquiteto, ente sensível, concebe o véu-circunstância que cobre, protege e enriquece a circunstância. E sua única circunstância será esse véu: o mais transparente, leve e delicado. O arquiteto é aquele capaz de criar os próprios óculos –e os tirar quando assim desejar–.

Porém então, como explica a sensibilidade o fato de que os grande criadores sejam homens?

Entramos num tema delicado. É preciso levá-lo com cuidado e tomá-lo sem hipocrisia.

A sensibilidade está diretamente envolvida com a capacidade de criação. A mulher é em e por si mesmo sensível: leva consigo, indissoluvelmente, a capacidade de criação. Não busca a criação, cria. A criação faz parte do seu ser. Assim como alguém que ama não pensa no amor, ama. Os que pensam e podem pensar no amor são aqueles que não amam, ou não amam naquele momento, já amaram.

O homem, por outro lado, é um cachorro louco dando voltas em busca da cauda da criação. Não possui essa capacidade, e a tem que buscar incessantemente, como se lhe faltasse algo que lhe deixa vazio, vácuo. Para a mulher, o monstro do Dr. Frankenstein é uma tentativa ridícula; para o homem, é o sentido da sua vida.

O que falta então à mulher para que seja capaz da arquitetura?

A força decidida, o punho fechado e determinado do homem. O desejo por criar. Um desejo sincero, porém cego. Uma luta sem esperança que só faz sentido em si mesma, através de cada batalha. A vida do homem é uma sucessão de batalhas inúteis contra a impossibilidade da criação de fato: a criação da mulher.

O que falta ao homem?

A sensibilidade intrínseca. O desinteresse e a gratuidade de e na criação. A criação suprarracional. A desnecessidade inata de meditar sobre ela.

Eis a diferença da criação do homem e da mulher: aquela vem à existência através da razão; esta, está além da razão.

Porém o arquiteto, o ser capaz da arquitetura, carrega consigo congenitamente ambas virtudes: a de criar suprarracionalmente e a de meditar pela criação.

O homem arquiteto nasce banhado de femininidade. Leva consigo parte de sua Eva.

A mulher arquiteta nasce com a mão forte do homem, não só sua costela.

E quando, como, onde, por quê, nascem sujeitos como esses?

Não sei, porém nascem.

Sobre este autor
Igor Fracalossi
Autor
Cita: Fracalossi, Igor. "Ensaio sobre a Criação" [Ensayo sobre la Creación] 05 Set 2013. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/139294/ensaio-sobre-a-criacao> ISSN 0719-8906