O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Podemos parar de desenhar árvores no topo dos arranha-céus?

Podemos parar de desenhar árvores no topo dos arranha-céus?

Podemos parar de desenhar árvores no topo dos arranha-céus?
Peruri 88 / MVDRV. Rendering © RSI-Studio
Peruri 88 / MVDRV. Rendering © RSI-Studio

Tim De Chant é o editor sênior digital de NOVA e editor na NOVA Next. Ele também escreve para Per Square Mile, o blog onde este artigo foi originalmente publicado. 

Apenas alguns anos atrás, se alguém quisesse fazer algo mais na moda, colocaria sobre isso um pássaro. Aves estavam em toda parte. Não tenho certeza se o Twitter foi o que começou todo a agitação, mas isso ficou tão cansativo que Portlandia realizou uma sátira chamada:  "Ponha um pássaro." ("Que triste sacola de lona. Já sei! Vou colocar um pássaro nela", por exemplo)

Acontece que os arquitetos têm feito a mesma coisa, mas com árvores. Quer fazer um arranha-céu parecer moderno e sustentável? Coloque uma árvore sobre ele. Ou melhor, dezenas. Muitas propostas de arranha-céus  de alto conceito são enfeitadas com árvores. No último andar, em terraços, nas brechas e fendas, ou em varandas absurdamente grandes. Basicamente em qualquer lugar horizontal e longe do chão. Apesar de os arquitetos estarem desenhando dezenas, ainda não vi algum destes arranha-céus "verdes" na vida real. (Há uma notável exceção -  BioMilano, ainda não concluído) Porém - e um grande porém - se algum destes edifícios for construído, é provável que as árvores estarão sem folhas antes mesmo que o investidor possa dizer que quer o "retorno sobre o investimento". Isso é bastante fora da realidade. Eu entendo porque arquitetos gostam desenhá-las em seus edifícios. Realmente, eu entendo. Mas será que podemos parar?

Descubra por que não é uma boa ideia colocar árvores em arranha-céus, após o intervalo...

Podemos parar de desenhar árvores no topo dos arranha-céus?, Edifício de Escritórios “Le Cinq”  / Neutelings Riedijk Architects, Rendering por Visualisatie A2STUDIO
Edifício de Escritórios “Le Cinq” / Neutelings Riedijk Architects, Rendering por Visualisatie A2STUDIO

Há várias razões científicas por que arranha-céus não podem - e provavelmente nunca poderão - ter árvores, pelo menos não sobre as alturas que muitos arquitetos propõem. A vida é horrível lá em cima. Para você, para mim, para as árvores, e praticamente tudo mais, exceto falcões peregrinos. É quente, frio, ventoso, a chuva chicoteia em você, e a neve e o granizo caem em alta velocidade. A vida de uma árvore da cidade já é bastante difícil no chão. Eu não posso imaginar o que seria em 500 metros, onde quase todas as variáveis ​​do clima são mais extremas do que ao nível da rua.

O vento é, provavelmente, a força mais terrível que as árvores precisam enfrentar na altitude. Já viu as árvores no topo de uma montanha? Seus troncos curvam-se longe dos ventos predominantes. Isso pode ser o efeito mais visível, mas não é o mais desafiador. O vento também interrompe a fina camada de ar entre a folha e a atmosfera, conhecida como a camada de limite. Esta camada é minúscula em padrões humanos e opera em uma escala suficientemente pequena onde partículas de gás escorregadias normalmente se comportam como fluidos viscosos.

Pentominium / Murphy/Jahn. Imagem cortesia de Murphy/Jahn.
Pentominium / Murphy/Jahn. Imagem cortesia de Murphy/Jahn.

No caso das plantas, ela serve para controlar a evapotranspiração, ou a perda de gás e água através dos poros minúsculos no lado de baixo da folha, conhecida como estômatos. Em condições calmas, uma espessa camada limite pode existir em uma folha perfeitamente lisa. Mas as plantas que vivem em lugares quentes ou com muito vento, muitas vezes têm adaptações para lidar com as condições adversas, incluindo minúsculos pêlos em suas folhas que ampliam a área de cada folha de superfície e, portanto, esta camada. Ainda assim, as plantas nestes ambientes não são geralmente altas e graciosas. Em outras palavras, não as árvores altas que vemos nas imagens.

Em seguida, adiciona-se calor e frio extremos à mistura. O frio extremo, bem, todos nós sabemos o que faz. Ele pode matar uma planta, transformando a água dentro de suas células em facas cristalinas letais. Na outra extremidade, as condições quentes representam outros desafios. Para se refrescar, as plantas podem "suar", abrindo seus estômatos para liberar o vapor de água, pelo menos enquanto existe água disponível. Mas, mesmo assim, as plantas atingem um limite. Em determinadas temperaturas, que variam de planta para planta, as máquinas de fotossíntese no interior da folha começam a quebrar. Tenha em mente que estas são temperaturas na superfície de uma folha, e não a temperatura do ar ambiente. A superfície de uma folha, especialmente à luz solar direta, como no lado não sombreado de um edifício - podem ser muitos graus mais quente do que o ar, cerca de 14 graus a mais, em algumas espécies.

Sky Village em Rødovre / MVRDV
Sky Village em Rødovre / MVRDV

Depois, há as questões logísticas. Como essas árvores serão regadas e fertilizadas? Podadas? Como serão substituídas? Quantas vezes elas precisam ser substituídas? Como alguém que cultiva bonsai, posso dizer-lhe que plantas estressadas requerem constante atenção - de fato, monitoramento diário ou até com mais freqüência. Não é fácil. Crescer simples tetos verdes é uma tarefa, e estas plantas são escolhidas por suas resistências e baixas manutenções. As árvores geralmente não são tão bem adaptáveis para a grande variedade de condições que possam ser experimentadas no alto de um edifício.

Tudo isso pode soar um pouco ridículo vindo de alguém como eu, um defensor de mais árvores em espaços urbanos. Isso provavelmente surgiu após ter visto inúmeros croquis de oásis verdejantes verticais, mas muitos poucos deles realmente construídos. Além disso, tendo estudado fisiologia vegetal, sei que isso é uma utopia de muitas maneiras. Árvores simplesmente não foram feitas para tais condições. Agora, se alguém quer uma árvore que possa sobreviver no topo de um arranha-céu, vá em frente. Mas posso pensar em coisas muito melhores para as quais deveríamos estar colocando nosso tempo e esforço, como preservar lugares que já têm árvores crescendo ou plantando mais nas ruas que necessitam delas.

Tim De Chant é o editor sênior digital em NOVA e editor na NOVA Next. Ele também escreve para Per Square Mile, o blog onde este artigo foi originalmente publicado. 

Sobre este autor
Tim De Chant
Autor
Cita: Tim De Chant. "Podemos parar de desenhar árvores no topo dos arranha-céus?" [Can We Please Stop Drawing Trees on Top of Skyscrapers?] 10 Abr 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Britto, Fernanda) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/108147/podemos-parar-de-desenhar-arvores-no-topo-dos-arranha-ceus> ISSN 0719-8906