O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Universidade
  4. Chile
  5. Alejandro Aravena
  6. 2003
  7. Torres Siamesas / Alejandro Aravena

Torres Siamesas / Alejandro Aravena

Torres Siamesas / Alejandro Aravena
Torres Siamesas / Alejandro Aravena, © Cristobal Palma
© Cristobal Palma

© Cristobal Palma © Cristobal Palma © Cristobal Palma © Cristobal Palma + 15

  • Arquitetos

    Alejandro Aravena, Charles Murray, Alfonso Montero, Ricardo Torrejon
  • Localização

    Camino Privado, Macul, RegiãoMetropolitana, Chile
  • Colaborador

    Emilio de la Cerda
  • Estrutura

    Concreto
  • Orçamento

    US$ 700 x m²
  • Área

    5000.0 m2
  • Ano do projeto

    2003
  • Fotografias

Descrição enviada pela equipe de projeto. Nos solicitaram uma torre de vidro que albergasse tudo o que tivesse relacionado aos computadores da universidade.

© Cristobal Palma
© Cristobal Palma

A pergunta que a universidade nos fazia era se, agora, com os computadores, a maneira de ensinar vai mudar substancialmente, e, portanto, as tipologias arquitetônicas que usamos para espaços educativos também; perguntavam: ainda tem sentido falar de “salas” agora que estamos virtualmente conectados?

Planta Baixa - Térreo
Planta Baixa - Térreo

A tendência quando se trata de computadores é basear-se em uma crença, um pouco desmedida, de que vão mudar radicalmente nossas vidas. Eventualmente o fizeram e seguirão fazendo, mas queríamos poder questionar  se, efetivamente, se produz alguma mudança. Nossa resposta se dividiu entre: sim e não.

© Cristobal Palma
© Cristobal Palma

Não muda, porque nada vai substituir a forma mais arcaica e efetiva de transmitir conhecimento de uma geração a outra, que é através de boas conversas entre pessoas (seja entre um mestre e um discípulo, ou entre estudantes) à sombra de uma boa árvore,  tomando um bom café, ou encontrando-se casualmente em um bom corredor. Acreditávamos que a maneira  mais convencional de ensinar estava garantida pelas normas (iluminação, visão, acústica). Por outro lado, o aprendizado informal não está garantido por ninguém.  E pensamos que aí havia uma oportunidade de projeto.

Para isso pensamos que a base da torre poderia conformar-se por planos inclinados de madeira, para deitar-se entre os horários de aulas a tomar sol, ou na sombra da própria torre ou do parque, segundo a época do ano. O espaço de 9 alturas entre a torre de cimento e a de vidro, foi concebido como a magnificação da conversa de corredor. E, nesse sentido, não só nos parecia que não importava se a sala mudava ou não, senão que o que devíamos fazer era olhar tão atrás quanto fosse possível (em vez de para frente), em direção a formas primitivas de ser e estar.

© Cristobal Palma
© Cristobal Palma
Cortes
Cortes
© Cristobal Palma
© Cristobal Palma

O segundo problema consistia em que, fazer uma torre de vidro em Santiago implica assumir o efeito invernadeiro. O orçamento disponível não nos permitia comprar uma cortina de vidro que fosse capaz de resolver de uma só vez todo o problema (vidro duplo, face exterior refletiva, vidros pigmentados). E mesmo que pudéssemos pagar, uma pele de vidro obriga a um gasto muito alto em equipamentos de ar condicionado. E, por último, o vidro espelhado não nos atraía muito como material para a fachada.

Então, em vez de pensar em uma pele que fizesse todo o trabalho (resistir à intempérie, à chuva, à contaminação, ao envelhecimento, regular a luz e controlar as perdas y ganhos térmicos), que custaria US$ 120/m2, pensamos que seria mais econômico fazer várias peles, e que cada uma resolvesse uma coisa de cada vez. Assim, projetamos uma pele exterior  de vidro comum, muito ruim para o controle térmico, mas excelente para resistir ao pó, à chuva e ao envelhecimento. Dentro dela, projetamos um edifício de fibrocimento, muito ruim para resistir a intempérie, mas muito bom desde o ponto de vista térmico. E entre ambos: ar.

© Cristobal Palma
© Cristobal Palma

Tínhamos que evitar que o efeito estufa que se produzia atrás do primeiro edifício de vidro, chegasse ao segundo edifício, de fibrocimento. Para isso, deixamos que o espaço entre os dois edifícios se comportasse como uma chaminé perimetral, que através da convecção, liberasse o ar quente. A pele de vidro não chega ao solo, deixando entrar as fresco pela base; um vento vertical, acelerado pelo efeito Venturi nas partes mais “acinturadas” da torre, sai por uma superfície equivalente na parte superior. A soma de cada uma dessas peles, que fazem uma coisa de cada vez, foi de US$90/m2,  30% mais barato que o produto de catálogo equivalente, o que nos permitiu entrar em custo.

Por último, estava o problema torre: a superfície com que contávamos era de somente 5000 m2. Por mais que reduzíssemos as plantas para obter uma proporção vertical, a forma resultante era  “gorda”, ou de contextura robusta.

Então, surgiu a idéia de partir o edifício em dois, a partir do sétimo piso.  Cada uma das partes resultantes foi construída usando perfis de alumínio de cores diferentes, praticamente sem espessura. Buscávamos que frontalmente o edifício fosse um único volume bicéfalo, mas que em perspectiva, dada a diferença cromática dos perfis, se pudesse diferenciar como duas torres, cada uma delas efetivamente verticais, que compartilhavam grande parte do seu corpo, como se fossem estruturas siamesas.

© Cristobal Palma
© Cristobal Palma

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Alejandro Aravena
Escritório
Cita: "Torres Siamesas / Alejandro Aravena" [Siamese Towers / Alejandro Aravena] 28 Nov 2011. ArchDaily Brasil. (Trad. Delaqua, Victor) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/10736/torres-siamesas-alejandro-aravena> ISSN 0719-8906