1. ArchDaily
  2. William Morris

William Morris: O mais recente de arquitetura e notícia

Do rosa ao azul pastel: por que não há nada de novo em arquiteturas coloridas

Neste ensaio do arquiteto britânico e professor acadêmico Dr. Timothy Brittain-Catlin, a fascinante jornada que a cor teve ao longo da história até o presente, oscilando entre o virtuosismo religioso e o medo puritano - é explicada. Você pode ler o ensaio de Brittain-Catlin sobre o pós-modernismo britânico aqui..

Meus melhores estudantes de arquitetura há cerca de dez anos começaram a usar cores tímidas em seus desenhos: rosa pastel, azul pastel, verde pastel; muito cinza, algum dourado: algo como um papel de embrulho de alguma loja. Agora, dê um passo atrás e veja um prédio realmente colorido - a Igreja de todos os santos de William Butterfield em Margaret Street, Londres ou Keble College, Oxford, ou o interior de A.W.N. Igreja de St. Giles de Pugin em Cheadle, Reino Unido. Eles surpreendem você com explosões de cores ousadas e ricas cobrindo cada milímetro quadrado do espaço.

Lindos livros de Arquitetura da Bauhaus disponíveis para download

No ano passado, a Monoskop encantou a comunidade de arquitetura e de arte ao disponibilizar muitas das publicações da Bauhaus para download gratuito. Como fã incondicional de todos os tipos de comunicação arquitetônica, eu escrevi anteriormente sobre as qualidades excepcionais dos livros e revistas produzidos pela Bauhaus e como essas ferramentas didáticas visuais influenciaram as canônicas publicações mais recentes. Abaixo, compartilhamos um trecho editado de "Livros dos Arquitetos: Le Corbusier e a Bauhaus", um capítulo de um projeto de pesquisa maior, Redefinindo a Monografia: As Publicações da OMA e Rem Koolhaas.

Para acessar o tesouro da Monoskop, que inclui títulos de visionários como Walter Gropius, László Moholy-Nagy, Wassily Kandinsky, Paul Klee e outros, visite o arquivo da Bauhaus da Monoskop.

Como a Bauhaus operava de forma geralmente experimental e revolucionária, a informação ensinada não era unificada de maneira muito acessível. Os Bauhausbücher foram produzidos para expor os elementos da educação Bauhaus ao pequeno corpo estudantil original. Esses livros, posteriormente, se revelaram inestimáveis quando a escola foi fechada pelo governo nacional-socialista em 1933, com seus conteúdos apresentando registros autênticos da educação Bauhaus. Combinando teoria e prática, os livros, desenhados por Moholy-Nagy, são um testemunho de suas ideias criativas. Ele viu formas tradicionais de disseminação de informação como maneira de fornecer informações aos alunos sem enfatizar a relevância e a relação com o mundo em que viviam. Seus livros procuraram esclarecer essas relações através de imagens estimulantes e textos perspicazes (embora às vezes longos e intangíveis).