O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Do rosa ao azul pastel: por que não há nada de novo em arquiteturas coloridas

Do rosa ao azul pastel: por que não há nada de novo em arquiteturas coloridas

Do rosa ao azul pastel: por que não há nada de novo em arquiteturas coloridas
Do rosa ao azul pastel: por que não há nada de novo em arquiteturas coloridas, Casa Debenham, 8 Addison Road, Kensington, by Halsey Ricardo (1905-1908). Image Cortesia de Hidden London
Casa Debenham, 8 Addison Road, Kensington, by Halsey Ricardo (1905-1908). Image Cortesia de Hidden London

Neste ensaio do arquiteto britânico e professor acadêmico Dr. Timothy Brittain-Catlin, a fascinante jornada que a cor teve ao longo da história até o presente, oscilando entre o virtuosismo religioso e o medo puritano - é explicada. Você pode ler o ensaio de Brittain-Catlin sobre o pós-modernismo britânico aqui..

Meus melhores estudantes de arquitetura há cerca de dez anos começaram a usar cores tímidas em seus desenhos: rosa pastel, azul pastel, verde pastel; muito cinza, algum dourado: algo como um papel de embrulho de alguma loja. Agora, dê um passo atrás e veja um prédio realmente colorido - a Igreja de todos os santos de William Butterfield em Margaret Street, Londres ou Keble College, Oxford, ou o interior de A.W.N. Igreja de St. Giles de Pugin em Cheadle, Reino Unido. Eles surpreendem você com explosões de cores ousadas e ricas cobrindo cada milímetro quadrado do espaço.

A arte popular é cheia de cores: dois arquitetos modernistas excepcionais de meados do século passado - o americano Alexander Girard e o designer têxtil britânico de origem húngara, Tibor Reich - voltaram à arte popular vez ou outra em busca de inspiração. De fato, a coleção de 10 mil peças de Girard agora enche uma ala inteira de um museu. Mas em outros lugares, o modernismo tentou "educar" cores vibrantes na medida em que hoje não são mencionados em bom tom, ainda que todos nós desfrutamos de objetos coloridos para casa.

Uma vista para a Capela do Santíssimo Sacramento da igreja de St Giles, Cheadle, de A.W.N. Pugin (1840-1846). Agradecimentos a Michael Fisher. Image © Mark Titterton
Uma vista para a Capela do Santíssimo Sacramento da igreja de St Giles, Cheadle, de A.W.N. Pugin (1840-1846). Agradecimentos a Michael Fisher. Image © Mark Titterton

Há evidências disso em todos os lugares. Veja como as críticas responderam aos edifícios em forma de cunha de MAKE em 2008 para o Jubilee Campus da Universidade do Reino Unido de Nottingham: os rosas e os vermelhos das fachadas foram ridiculizados ou completamente ignorados. Não houve tentativa de interpretá-los. Nem mesmo o revestimento vermelho brilhante do Museu Aan de Stroom recente, na Antuérpia, foi discutido em termos do que isso poderia significar. Somente depois, os arquitetos emergiram do constrangimento de enfrentar a cor - Piers Gough disse no momento em que escolheu um azul profundo para o Circle em Bermondsey que era a "cor mais bonita" no catálogo; quase trinta anos depois ele fala sobre isso como uma cor "paisagística", do céu ou da água.

E "paisagismo" é o que é. Muitos dos problemas com a cor estão relacionados com um puritanismo inato entre os clientes da arquitetura. Isso tem origens religiosas (ou possivelmente supersticiosas), talvez com base no terror das paixões terrenas. As igrejas evangélicas na Inglaterra, por exemplo, criaram um programa de erradicação sistemática da cor em seus edifícios, explicado no popular manual Repitching the Tent  de 1996, que diz exatamente como fazer isso. É uma longa tradição. Os interiores multicoloridos de todas as igrejas foram pintadas de branco inicialmente durante a Reforma em toda a Europa, e depois esmagados durante a Guerra Civil de Inglaterra, ambos re-pintados e destroçados novamente durante os anos 60 e 70.

Keble College Chapel, Oxford, por William Butterfield (1867-1883). Image © Timothy Brittain-Catlin
Keble College Chapel, Oxford, por William Butterfield (1867-1883). Image © Timothy Brittain-Catlin

Os puritanos têm problemas com coisas que não entendem; seu instinto é atacá-las. E, de alguma forma, seu medo das cores confundiu-se com o horror do modernismo pela "desonestidade dos materiais", talvez porque era "desonesto" adicionar cor aos materiais de construção. Ainda que o próprio Pugin tenha oferecido uma base perfeitamente lógica para incorporar cores na arquitetura. Como ele também estava agudamente consciente do quão precisamente ele deveria estar gastando seu tempo para que o Revival tivesse o máximo efeito, o fato de ele ter ornamentado seus edifícios nesta maneira fastidiosa e detalhada indica quão importante ele pensou que isso era. Os projetos orgânicos de William Morris ultrapassaram suas outras conquistas, e foram um dos papéis de parede de Voysey, e não um edifício branco, que fizeram Henry van de Velde exclamar que "a Primavera tinha vindo de repente". Um dos recursos raramente mencionados da biblioteca destruída na Escola de Arte de Glasgow é que as varas de madeira da balaustrada que se projetavam da galeria foram escavadas e pintadas para assemelharem-se a folhas sazonais. O quarto era, como James Macaulay disse, um "bosque sagrado", acendendo-se irregularmente de curiosas lanternas perfuradas entre os "ramos" dos detalhes da madeira.

Uma vista para a Capela do Santíssimo Sacramento da igreja de St Giles, Cheadle, de A.W.N. Pugin (1840-1846). Agradecimentos a Michael Fisher. Image © Timothy Brittain-Catlin
Uma vista para a Capela do Santíssimo Sacramento da igreja de St Giles, Cheadle, de A.W.N. Pugin (1840-1846). Agradecimentos a Michael Fisher. Image © Timothy Brittain-Catlin

A remodelação de Terry Farrell do triângulo Comyn Ching perto de Covent Garden (1978-1985) é notável por uma série de razões; uma é que você não pode dizer à primeira vista o que é novo e o que é antigo, quebrando a convenção de 150 anos de idade, que o novo trabalho deve ser sempre distinguido. Mas também vale a pena olhar para ele do ponto de vista do uso da cor em torno de suas portas e janelas. Você percebe o pórtico azul-esverdeado de Farrell muito mais do que a alvenaria por trás; é perverso ignorá-los na interpretação de seu projeto. Certamente Farrell tinha visto o edifício extraordinário - "explosivo" é como o guia Pevsner descreve isso - a cinco minutos de distância, na esquina da Charing Cross Road e Old Compton Street. As duas fachadas aqui consistem em um assertivo quadro barroco eduardiano com um Gibbs agressivo colocado improvadamente alto, preenchido com paredes de mármore verde escuro, como se as ruínas da torre de Rapunzel, de Piranesi, estivessem acima de uma floresta primitiva. O prédio foi concebido por C.H. Worley, em 1904, que projetou para isso um pequeno irmão a poucas portas, na esquina da Rua Moor. Uma maneira de ver isso é que a floresta de Worley foi domesticada para se tornar o jardim interno de Farrell.

If color is about engagement with nature, it is also about is engagement with life. Look at the Debenham House in Addison Road in Kensington, designed by Halsey Ricardo in 1905 for the proprietor of the Oxford Street department store. This building is sensational in its use of color. Ricardo, according to the architect and critic Harry Goodhart-Rendel, was “dark, Jewish, spectacularly good-looking, musical and a typical architectural amateur.” Since Goodhart-Rendel was his cousin, he modestly failed to add that Ricardo came from one of the most brilliant families in Britain.

Direita: 99A Charing Cross Road, por C.H. Worley (1904). À esquerda: varanda do pátio em Comyn Ching, da Terry Farrell Partnership (1978-1985). Image © Timothy Brittain-Catlin
Direita: 99A Charing Cross Road, por C.H. Worley (1904). À esquerda: varanda do pátio em Comyn Ching, da Terry Farrell Partnership (1978-1985). Image © Timothy Brittain-Catlin

Se a cor é sobre o engajamento com a natureza, também é sobre o envolvimento com a vida. Olhe para a Casa Debenham em Addison Road, Kensington, projetada por Halsey Ricardo em 1905 para o proprietário da loja de departamentos Oxford Street. Este edifício é sensacional em seu uso das cores. Ricardo, de acordo com o arquiteto e crítico Harry Goodhart-Rendel, era "escuro, judeu, espetacularmente bonito, musical e um arquiteto amador típico". Como Goodhart-Rendel era seu primo, ele modestamente não conseguiu acrescentar que Ricardo veio de um das famílias mais brilhantes da Grã-Bretanha.

Como um "amador", e como um homem confiante, inteligente e rico, Ricardo também ignorava qualquer tipo de comentários de profissionais ou críticos. É difícil ver grande parte da casa da rua devido a uma cerca alta. Mas fique do outro lado da estrada e levante os olhos. Toda a estrutura é reluzente: o que de qualquer forma teria sido uma luxuriante villa eduardiana que brilha da cabeça aos pés em fabulosos verdes e azuis. O interior - uma locação incrível para diretores de cinema - é revestido de azulejos e mosaicos vibrantes. Ricardo tinha visto os mesmos céus azuis que vemos; Como nós, ele tinha visto cerejeiras em plena floração, como a da mesma rua que hoje exibe a casa por trás, como se um delicioso véu de chiffon rosa tivesse sido jogado na fachada.

Aprendendo sobre o pós-modernismo britânico

Neste ensaio escrito pelo arquiteto e acadêmico britânico Dr. Timothy Brittain-Catlin, a noção de pós-modernismo britânica - atualmente muitas vezes referida como intimamente ligada ao trabalho de James Stirling e o pensamento de Charles Jencks - é trazida à luz. Suas verdadeiras origens, argumenta, são mais historicamente enraizadas.

A casa de Debenham brinca não apenas com lembranças de mares e florestas mediterrâneas, mas também com as árvores de o céu de Londres enquanto o sol passa; além de brilhantes lojas de Londres e ampla cultura londrina. Desta forma, ele sugere como vemos um continente de ideias que acabaram por descansar aqui. No fundo da minha mente, é a sensação de que edifícios muito bonitos, em comum com pessoas muito bonitas, como Ricardo, têm vidas completamente diferentes do resto de nós. Mas, especificamente, a Debenham House mostra que um uso intenso e sofisticado da cor na arquitetura não é apenas um sinal de alta inteligência e consciência cognitiva excepcional, mas também do que pode acontecer quando os arquitetos são corajosos o suficiente para ignorar o encantamento robótico de truismos verdadeiros modernistas sobre a "honestidade" de materiais cinzentos que, na realidade, não significam nada.

Cita: Brittain-Catlin, Timothy. "Do rosa ao azul pastel: por que não há nada de novo em arquiteturas coloridas" 11 Jul 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/875528/do-rosa-ao-azul-pastel-por-que-nao-ha-nada-de-novo-em-arquiteturas-coloridas> ISSN 0719-8906