1. ArchDaily
  2. Theo Van Doesburg

Theo Van Doesburg: O mais recente de arquitetura e notícia

7 Arquitetos que não têm medo de usar as cores em seus projetos

Interior da Casa Gilardi. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File%3ACasa_Liraldi_Luis_Barrag%C3%A1n.JPG'> Wikimedia user Ulises00</a> licensed under <a href=' https://en.wikipedia.org/wiki/Public_domain'>Public Domain</a>Casa Batlló. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Barcelona_Casa_Batll%C3%B3_DachterrasseKamine.jpg'>Wikimedia user M.Stallbaum</a> licensed under <a href='https://en.wikipedia.org/wiki/Public_domain'>Public Domain</a>St. Coletta School / Michael Graves. Imagem Cortesia de Michael GravesCafé l'Aubette. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Strasbourg_Cin%C3%A9_Bal_de_l%27Aubette_janvier_2014-17.jpg'>Wikimedia user Claude Truong-Ngoc</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>+ 22

Alguns arquitetos são apaixonados por cores, alguns são impassíveis a ela, outros a odeiam e tem aqueles que preferem descartá-la como algo desnecessário na arquitetura. Em um ensaio sobre o assunto, Timothy Brittain-Catlin menciona o "puritanismo inato entre os clientes de arquitetura", os arquitetos e seu "constrangimento em relação ao uso da cor", e como "o modernismo buscou contornar o uso das cores vibrantes na arquitetura". O debate sobre a cor na arquitetura está longe de ser algo novo, no entanto não há uma conclusão unânime, e provavelmente, nunca a teremos.

Atualmente, onde o estereótipo do arquiteto sobriamente vestido de preto ainda persiste, e enquanto meditamos silenciosamente sobre a estranha definição da Cosmic Latte, existem arquitetos que não têm medo de usar amplamente a cor em tudo o que fazem. Por isso, editamos uma lista com 7 importantes arquitetos que seguiram este caminho, tanto no passado como no presente.

Por que arquitetos são tão obcecados pela obra de Mondrian?

Na década de 1920, o artista holandês Piet Mondrian começou a pintar seus icônicos quadros com grids pretos e cores primárias. Extrapolando os limites das referências recorrentes no mundo da arte, propôs uma linguagem simples composta de linhas e retângulos coloridos que tornou-se conhecida como Neo Plasticismo, o qual explorava a dinâmica do movimento através da cor e das formas. Este conjunto de telas pintadas em vermelho, amarelo e azul, configuram um dos principais elementos do movimento De Stijl do início do Século XX. Quase um século depois, as abstrações de Mondrian seguem inspirando arquitetos ao redor do mundo.

O que há por trás desta simplicidade que seque cativando artistas, designers e arquitetos depois de tanto tempo?