Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Discussão Ad

Discussão Ad: O mais recente de arquitetura e notícia

Arquitetura e estresse devem ser sinônimos?

Tornar-se arquiteto e trabalhar na área não parece ser das tarefas mais saudáveis. Longas jornadas, cobrança intensa e a necessidade de tomar decisões rapidamente, aliado com perspectivas de salários baixos e frequentes relatos de precarização das relações trabalhistas, tornam a arquitetura uma das profissões mais estressantes.

Uma pesquisa realizada pelo Architect’s Journal em 2016, constatou que 25% dos estudantes de arquitetura do Reino Unido buscam tratamentos relacionados a saúde mental. Em um artigo publicado em maio de 2014 sobre a saúde mental de estudantes de arquitetura, Jennifer Whelan debate resultados de uma pesquisa desenvolvida pela União do Estudante de Pós Graduação de Arquitetura, Paisagem e Design (GALDSU) da Universidade de Toronto, onde muitos alunos admitiram que regularmente viravam noites, pulando refeições, abandonando atividades sociais extracurriculares e raramente se exercitando para conseguir terminar os projetos no prazo.

Arquitetos preferem trabalhar em ambientes organizados

Pelo menos, foi essa a conclusão que chegamos em nossa primeira Discussão AD de 2018, que lançamos no mês de janeiro. Ainda que Tim Harford, autor do livro Messy, aponte que a desordem, confusão e desorganização podem ter relação com espaços mais propícios à criatividade, nossos leitores parecem estar mais propensos a uma opinião diferente. Em geral, colhendo os comentários no facebook, a maioria aponta que a distração com muitos objetos no espaço de trabalho acaba atrapalhando a concentração e que, quanto mais organizado e limpo o local, melhor seu rendimento. Mas isso não quer dizer que essa opinião seja um total consenso. Há também os defensores da “bagunça criativa”, ainda que em menor número, que defendem que um pouco de desordem estimula a criatividade.

Organização ou bagunça: o que estimula mais a criatividade?

Enquanto os arquitetos são conhecidos por proporem espaços limpos, livres da desordem, temos que perguntar: esta é a melhor maneira de inspirar a criatividade? Preferências pessoais certamente desempenham grande parte da forma como você responde a uma mesa impecável, sem nem um lápis fora do lugar - talvez este seja o seu nirvana. Ou talvez seja teoricamente preferível, mas uma vez que você tem que se sentar e trabalhar, você não se sente bem.

O autor Tim Harford pesquisou e compilou uma série de exemplos para o seu livro Messy, apontando que "a criatividade, a capacidade de resposta e a resiliência eram "integrantes da desordem, da confusão e da desorganização". Você concorda? Ou talvez mais importante, de que forma você prefere estar quando trabalha e atinge o máximo de eficiência?