1. ArchDaily
  2. Bicycling

Bicycling: O mais recente de arquitetura e notícia

Sistema de "super-vias" criará uma Berlim mais apropriada aos ciclistas

Entre muitas coisas, a Europa é conhecida por algumas das cidades mais adequadas ao ciclismo urbano do mundo, oferecendo rotas de viagens seguras e convenientes para seus passageiros de duas rodas. Berlim, no entanto, não ocupa um lugar importante nesta lista, mas num esforço para resolver este problema, está sendo implementado um novo plano para um sistema de "super-vias" para bicicletas, incentivando o ciclismo como um meio de transporte eficiente.

Estudos encomendados pelo Departamento de Meio Ambiente, Transportes e Proteção Climática de Berlim analisaram 30 possíveis ciclovias, cobrindo trechos de pelo menos 5 km. Destes, 12 foram selecionados como futuras super-vias, que serão completamente segregadas de outros veículos da pista.

10 pontos sobre uma arquitetura para o ciclismo

Uma revolução está acontecendo no projeto das ruas. Nova Iorque, uma cidade que serve de termômetro para o mundo, fez com que seus cidadãos comuns utilizassem a bicicleta como meio de transporte. Fizeram isso ao reservar uma pista de cada grande avenida apenas aos ciclistas, com barreiras para protegê-los do tráfego.

Agora, centenas de cidades estão se renovando para se adequar às bicicletas, enquanto em Nova Iorque há um sentimento de que mais mudanças estão por vir. Muitos nova-iorquinos prefeririam que sua cidade fosse mais como Copenhague, onde 40% de todos os trajetos são feitos de bicicleta. Mas Copenhague quer ainda mais. Onde isso vai parar?

Se você considerar que estamos falando sobre um meio de transporte que melhora nosso desempenho cardíaco, reúne muito mais pessoas nas ruas do que seria possível em carros, não polui, e custa aos governos e à quem utiliza um valor quase insignificante, você não vai se perguntar onde isso vai parar, mas o que deve ser feito para que todos os trajetos sejam realizados em bicicleta.

© Steven Fleming and Charlotte Morton© Steven Fleming and Charlotte Morton© Steven Fleming and Charlotte MortonA proposta de Steven Fleming e Charlotte Morton para as Residências Frederick Douglassem Nova Iorque. Imagem © Steven Fleming and Charlotte Morton+ 12

Arquitetos projetam alforje de papelão para bicicletas

Cortesia de Packtasche
Cortesia de Packtasche

Não há como negar que o ciclismo é uma das maiores tendências do desenvolvimento urbano atual, com muitas pessoas sugerindo este modo de transporte como solução para reduzir a poluição e o congestionamento - sem mencionar os benefícios para a saúde. Ao passo que as cidades focam no que pode ser feito para incentivar o ciclismo e tornar as ruas adequadas a esse tipo de transporte, os arquitetos têm desempenhado um papel crítico de conduzir as bicicletas em direção ao ambiente urbano, projetando todo tipo de coisa, de ciclovias protegidas a elaborados percursos elevados. Após pedalar por Viena durante oito anos, dois estudantes de arquitetura decidiram seguir uma abordagem diferente - e mais simples - para melhorar as condições do ciclismo urbano. Focando na incômoda tarefa de carregar compras enquanto pedalamos, Philipp Moherndl e Matthias Lechner projetaram um alforje leve feito de papelão reciclado que, além poder ser acoplado à bicicleta, pode ser usado para fazer as compras.

"Devido ao grande apelo da bicicleta, os acessórios convencionais já não são os mais adequados para o estilo de vida de muitos ciclistas urbanos", comentam Moherndl e Lechner. "A capacidade limitada de transporte das bicicletas comuns torna a tarefa de fazer compras difícil e inflexível. As pessoas em geral fazem compras espontaneamente, em seu caminho para casa ou enquanto pedalam pela cidade. Portanto, queríamos chegar a uma solução mais flexível: uma bolsa multiuso para bicicletas que fosse barata e ecológica."

Saiba mais sobre a Packtasche, a seguir.

Nova Iorque mostra que ciclovias protegidas são realmente um avanço

A implementação de ciclovias protegidas nas cidades frequentemente suscita objeções de condutores que acreditam que dedicar uma pista inteira aos ciclistas prejudica o fluxo dos carros e cria mais congestionamentos nas cidades. Contudo, um estudo sobre as ruas de Nova Iorque que vem sendo desenvolvido desde a implementação das primeiras ciclovias protegidas na cidade em 2007, mostra que, na realidade, o oposto é verdadeiro: separar os diferentes tipos de tráfego torna os deslocamentos mais rápidos.

Isso sem nem considerar os benefícios para a segurança dos ciclistas que este tipo de ciclovia garante, com o estudo demonstrando que o risco de acidentes envolvendo ciclistas e pedestres diminuiu nas ruas onde as ciclovias protegidas foram instaladas.

Saiba mais sobre os resultados desse estudo, a seguir.

Como projetar ciclovias elevadas que realmente funcionem?

Não há dúvida sobre isso - ciclismo urbano é uma boa ideia nos dias de hoje. Mas, ao passo que ciclovias e sistemas de compartilhamento de bicicletas são adequados às nossas cidades, a revolução do ciclismo ainda não nos trouxe muitos exemplos de belas estruturas para nos maravilharmos. Esse artigo, publicado originalmente em The Dirt como "Do Elevated Cycletracks Solve Problems or Just Create More?", discute dois exemplos aparentemente similares de infraestruturas cicloviárias sofisticadas, examinando porque uma delas é um sucesso enquanto a outra um fracasso.

Este ano, dois projetos - um proposto e outro construído - de ciclovias elevadas que criam percursos acima do nível da rua receberam considerável atenção da mídia. Esses projetos destacam importantes questões de planejamento urbano: A cidade deve misturar ou segregar as opções de transporte? Como a cidade pode melhor mitigar os riscos inerentes do contato entre carros, bicicletas, transporte coletivo e pedestres? Como as cidades podem criar redes de transporte de baixo custo em núcleos urbanos cada vez mais densos?