Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Alejandro Zaera Polo

Alejandro Zaera Polo: O mais recente de arquitetura e notícia

Diagrama interativo permite visualizar mapa político da arquitetura mundial

Se tivéssemos que identificar, categorizar e mapear os escritórios emergentes de arquitetura do século XXI ao redor do mundo, e apresentá-los em um diagrama único, como ele seria? Considerando que o exercício profissional da arquitetura consiste em múltiplas abordagens, atitudes e posturas políticas distintas, como seria possível abranger todas elas? E como seria possível, de centenas de escritórios e empresas emergentes no todo o mundo, não deixar ninguém fora?

Dê uma olhada no Mapa político da arquitetura V 0.2. para descobrir.

Bússola política: Uma taxonomia da arquitetura emergente em um diagrama

O diagrama de compasso político completo (Versão 0.1) produzido por Alejandro Zaera-Polo e Guillermo Fernandez Abascal. Imagem © Alejandro Zaera-Polo & Guillermo Fernandez Abascal
O diagrama de compasso político completo (Versão 0.1) produzido por Alejandro Zaera-Polo e Guillermo Fernandez Abascal. Imagem © Alejandro Zaera-Polo & Guillermo Fernandez Abascal

Observando a paisagem arquitetônica atual é evidente que o tipo de trabalho que está atualmente ascendente, particularmente entre os escritórios jovens, é muito diferente do que era antes da crise financeira de 2008. Mas o que, exatamente, a paisagem arquitetônica se parece? Em um ensaio intitulado “Well into the 21st Century” na última edição da revista El Croquis, Alejandro Zaera-Polo delineou uma taxonomia da arquitetura do século 21, tentando definir e categorizar as várias novas formas de prática que têm crescido em popularidade nos anos desde, e como resposta política, à crise econômica.

As categorias definidas por Zaera-Polo abrangem sete posições políticas amplas: Os "Ativistas", que rejeitam a dependência da arquitetura em relação às forças de mercado operando amplamente fora dele, com foco em projetos de construção comunitária, envolvimento direto com a construção e financiamentos com estratégias não convencionais; Então há os "Populistas", cujo trabalho é calibrado para se reconectar com a população graças a uma abordagem mediática e diagramática da forma arquitetônica; A seguir estão os "Novos Historicistas", cuja reação ao "fim da história" saudado pelo neoliberalismo é um abraço do design historicamente informado; Os "Céticos", cuja resposta existencial ao colapso do sistema é, em parte, um retorno ao discurso crítico pós-moderno e em parte uma exploração da contingência e da brincadeira através de uma arquitetura de materiais artificiais e cores vivas; Os "Fundamentalistas Materiais", que retornaram a um uso tátil e virtuoso de materiais em resposta ao espetáculo visual da arquitetura de antes da crise; Praticantes da "Austeridade Chique", uma espécie de "normcore" arquitetônico (para emprestar um termo da moda) que se concentram principalmente no processo de produção e no desempenho resultante da arquitetura; E finalmente o "Tecno-Crítico", um grupo de práticas em grande parte produzindo arquitetura especulativa, cujo trabalho se baseia, mas também permanece crítico do parametrismo baseado em dados de seus predecessores.

Como prosseguimento desse ensaio, Zaera-Polo e Guillermo Fernandez-Abascal propuseram aplicar as categorias recentemente definidas às práticas emergentes de hoje com um diagrama de uma "bússola política". Eles convidaram escritórios a responderem sua categorização para desvendar as complexas interdependências e auto-imagem de suas posições políticas. Pela primeira vez o ArchDaily publica os resultados desse exercício.

Arquitetura em Diálogo / Alejandro Zaera-Polo

Arquitetura em diálogo reúne dez entrevistas realizadas por Alejandro Zaera-Polo para a revista de arquitetura El Croquis nos anos 1990 com grandes nomes do meio. Longe de ser um entrevistador passivo e burocrático, Zaera-Polo desfia sua bagagem projetual e teórica transforma cada conversa num fórum particular de discussão, questionando métodos que pareciam já cristalizados, propondo interpretações, levando o entrevistado a pensar sobre si e refletir criticamente acerca do próprio trabalho.