O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Bússola política: Uma taxonomia da arquitetura emergente em um diagrama

Bússola política: Uma taxonomia da arquitetura emergente em um diagrama

Bússola política: Uma taxonomia da arquitetura emergente em um diagrama
O diagrama de compasso político completo (Versão 0.1) produzido por Alejandro Zaera-Polo e Guillermo Fernandez Abascal. Imagem © Alejandro Zaera-Polo & Guillermo Fernandez Abascal
O diagrama de compasso político completo (Versão 0.1) produzido por Alejandro Zaera-Polo e Guillermo Fernandez Abascal. Imagem © Alejandro Zaera-Polo & Guillermo Fernandez Abascal

Observando a paisagem arquitetônica atual é evidente que o tipo de trabalho que está atualmente ascendente, particularmente entre os escritórios jovens, é muito diferente do que era antes da crise financeira de 2008. Mas o que, exatamente, a paisagem arquitetônica se parece? Em um ensaio intitulado “Well into the 21st Century” na última edição da revista El CroquisAlejandro Zaera-Polo delineou uma taxonomia da arquitetura do século 21, tentando definir e categorizar as várias novas formas de prática que têm crescido em popularidade nos anos desde, e como resposta política, à crise econômica.

As categorias definidas por Zaera-Polo abrangem sete posições políticas amplas: Os "Ativistas", que rejeitam a dependência da arquitetura em relação às forças de mercado operando amplamente fora dele, com foco em projetos de construção comunitária, envolvimento direto com a construção e financiamentos com estratégias não convencionais; Então há os "Populistas", cujo trabalho é calibrado para se reconectar com a população graças a uma abordagem mediática e diagramática da forma arquitetônica; A seguir estão os "Novos Historicistas", cuja reação ao "fim da história" saudado pelo neoliberalismo é um abraço do design historicamente informado; Os "Céticos", cuja resposta existencial ao colapso do sistema é, em parte, um retorno ao discurso crítico pós-moderno e em parte uma exploração da contingência e da brincadeira através de uma arquitetura de materiais artificiais e cores vivas; Os "Fundamentalistas Materiais", que retornaram a um uso tátil e virtuoso de materiais em resposta ao espetáculo visual da arquitetura de antes da crise; Praticantes da "Austeridade Chique", uma espécie de "normcore" arquitetônico (para emprestar um termo da moda) que se concentram principalmente no processo de produção e no desempenho resultante da arquitetura; E finalmente o "Tecno-Crítico", um grupo de práticas em grande parte produzindo arquitetura especulativa, cujo trabalho se baseia, mas também permanece crítico do parametrismo baseado em dados de seus predecessores.

Como prosseguimento desse ensaio, Zaera-Polo e Guillermo Fernandez-Abascal propuseram aplicar as categorias recentemente definidas às práticas emergentes de hoje com um diagrama de uma "bússola política". Eles convidaram escritórios a responderem sua categorização para desvendar as complexas interdependências e auto-imagem de suas posições políticas. Pela primeira vez o ArchDaily publica os resultados desse exercício.

O trabalho de Marc Fornes representa uma atitude "Tecno-Crítica", utilizando parametrizações, mas de uma forma muito diferente de seus predecessores de antes da crise. Imagem © MARC FORNES & THEVERYMANY
O trabalho de Marc Fornes representa uma atitude "Tecno-Crítica", utilizando parametrizações, mas de uma forma muito diferente de seus predecessores de antes da crise. Imagem © MARC FORNES & THEVERYMANY

Durante a última década, tem havido um interesse crescente no debate arquitetônico sobre a possibilidade de um reengajamento político da disciplina, assunto que esteve notavelmente ausente do debate disciplinar desde a década de 1970, mas que parece estar de volta nos holofotes.

Baseado nas categorias políticas delineadas no artigo “Well into the 21st Century,”  publicado na El Croquis 187, e profundamente inspirado pelo infame diagrama de Charles Jencks na Architecture 2000, nos propusemos fazer um mapa sincrônico das práticas arquitetônicas emergentes contemporâneas.

Selecionamos 181 práticas emergentes mundiais, que localizamos em um mostrador onde as categorias políticas foram postas, tentando definir suas adjacências com algum sentido de continuidade. Iniciando com o Tecno-crítico, nos movemos no sentido horário para o Tecnocrata, depois para o Cosmopolítico, depois para os austeridade-chique, ativistas e depois para os Fundamentalistas Materiais, Constitucionalistas, Historicistas, Revisionistas, Céticos e finalmente para os Populistas.

O trabalho de H Arquitectes' poderia ser categorizado como "Cosmopolítico," um parente próximo do "Austeridade Chique". Imagem © Adrià Goula
O trabalho de H Arquitectes' poderia ser categorizado como "Cosmopolítico," um parente próximo do "Austeridade Chique". Imagem © Adrià Goula

Metodologia

Mapeamos as práticas arquitetônicas emergentes seguindo suas inclinações políticas estimadas dentro de um campo circular compreendido no disco. Embora houvesse uma adjacência interessante entre as diferentes categorias políticas, e pudéssemos colocá-las bem ao redor do campo circular, algumas delas tiveram que ser colocadas em adjacências menos evidentes.

As dificuldades de localizar as práticas são evidentes: algumas delas eram muitas vezes pontes entre categorias não vizinhas, por isso eram difíceis de localizar. As práticas não são homogêneas e, às vezes, mudam de posição entre projetos e, outras, entre parceiros. No entanto, tentamos colocar cada uma das práticas emergentes que considerávamos significativas no mapa, ao melhor de nosso julgamento, o que é obviamente limitado. Esta é a versão 0.1, então esperamos fazer iterações posteriores onde uma técnica de mapeamento diferente poderá ser usada, outras categorias adicionadas ou informações mais precisas sobre as práticas podem ser incluídas.

Assemble adota uma postura "Ativista" em seu trabalho. Isto reflete-se não apenas através do método de produção que se centra nas comunidades e auto-construção, mas também na estética, que utiliza formas tradicionais e cores suaves e pastéis. Cortesia de Assemble
Assemble adota uma postura "Ativista" em seu trabalho. Isto reflete-se não apenas através do método de produção que se centra nas comunidades e auto-construção, mas também na estética, que utiliza formas tradicionais e cores suaves e pastéis. Cortesia de Assemble

Em seguida, pedimos a todas as práticas para uma auto-avaliação, para que pudéssemos ver o desvio entre a nossa localização estimada e a desejada. Enviamos a eles uma lista das categorias políticas e da bússola vazia, eliminando os nomes das práticas que tínhamos localizado, para que pudessem se posicionar sem serem afetadas pela proximidade de outras práticas, ou por nossa própria hipótese sobre sua localização.

Pedimos a eles que se posicionassem no mapa: quanto mais próximos estivessem da fronteira externa da bússola, mais ortodoxos eles se considerariam em relação à categoria vizinha; Quanto mais perto eles estivessem do centro do círculo, mais hibridizados eles se considerariam.

Concentrando-se na arte e na autenticidade de materiais naturais, Studio Mumbai é um claro exemplo de um "material fundamentalista". Imagem © Hélène Binet
Concentrando-se na arte e na autenticidade de materiais naturais, Studio Mumbai é um claro exemplo de um "material fundamentalista". Imagem © Hélène Binet

Análise dos dados

  1. 101 práticas fizeram a auto-avaliação (56%).
  2. 50% delas se colocaram graficamente. A outra metade parecia mais confortável com uma descrição verbal de sua posição em relação às categorias.
  3. 15% correspondeu quase exatamente à nossa localização hipotética.
  4. 20% localizaram-se perto de nossa localização hipotética, principalmente tendendo para o centro ou para as categorias vizinhas.
  5. 20% inseriram-se em um local diferente, com uma tendência geral para uma localização mais central e hibridizada, muitas delas apontando para a categoria "Cosmopolítica".
  6. 10% localizaram-se em uma área oposta.
  7. 5% disseram não se encaixarem em nenhuma das categorias e propuseram categorias alternativas para sua própria prática. "Utopia" e "Pragmática" são alguns dos fundamentos políticos solicitados que não estavam disponíveis.
  8. 5% quiseram estar em duas categorias ou em sobreposições que estavam indisponíveis no mapa.
  9. <5% sugeriram posições diferentes para cada um dos sócios.
  10. 5% pediram para uma mudança em sua localização política após verem o nosso mapa hipotético completo.
  11. <5% distribuíram seus projetos no mapa dizendo que cada projeto tem uma postura política diferente e que não há uma posição política predominante em sua prática, pois está relacionada à situação específica do projeto.
  12. <5% ficaram satisfeitos com qualquer localização que lhes deram.
  13. <5% descreveram sua prática de acordo com a forma como abordam cada categoria.
  14. <5% forneceram coordenadas específicas de sua localização ou sugeriram que um diagrama geométrico mais preciso poderia simplificar sua resposta.
  15. 5% expressaram interesse mas não enviaram nenhuma resposta.
  16. 5% mostraram gratidão por incluí-los, mas se recusaram a participar devido a estarem extremamente ocupados ou porque consideraram o experimento inadequado para capturar a profissão, irrelevante, ou acharem que as categorias eram subjetivas, imprecisas e contestáveis.

Reintroduzindo referências formais da arquitetura histórica, Barozzi Veiga são um exemplo dos "Novos Historicistas". Imagem © Simon Menges
Reintroduzindo referências formais da arquitetura histórica, Barozzi Veiga são um exemplo dos "Novos Historicistas". Imagem © Simon Menges

Conclusões

Há uma relutância lógica nas práticas em aceitar nossa categorização. Dado o ressurgimento atual da política na arquitetura, esperávamos que as práticas emergentes tivessem uma postura mais ideológica para a prática do que a geração anterior. Em vez disso, notamos uma recusa geral de tomar uma posição clara. Talvez nossas categorias não fossem suficientemente variadas. Alguns solicitaram a categoria "Utópica" que estava faltando no texto de referência, e nas categorias ofertadas. Isso foi particularmente verdadeiro para aqueles nas categorias dos Ativistas e dos Populistas. Excluímos o utopismo simplesmente porque não acreditamos que nenhuma das práticas incluídas possa ser considerada verdadeiramente utópica. Nós acreditamos que pode haver práticas utópicas na arquitetura hoje, mas raramente dentro da seleção de arquitetos praticantes que adotamos para nossa análise.

Houve vários pedidos de um rótulo "Pragmático", como se a Realpolitik ainda estivesse viva e bem dentro da geração emergente, apesar da reivindicação geral de uma prática arquitetônica mais "engajada". Evitávamos deliberadamente o pragmatismo como uma opção política, uma vez que era uma das reivindicações mais comuns da geração anterior de práticas "neoliberais", e parece implicar a falta de uma forte convicção ideológica como motor. No entanto, várias práticas parecem reivindicar o pragmatismo como uma postura política, mesmo se referindo a autoridades como Latour, Marres, etc. Talvez seja necessário fazer uma diferença entre política ideológica e tática em novas iterações dessa experiência. Muitas das práticas tendiam a expressar o desejo de avançar para o centro do gráfico, para permanecerem em uma posição mais ambígua, incluindo aquelas posições que alegavam que cada projeto desenvolvia sua própria postura política. Alguns deles até afirmaram que cada parceiro tem uma postura política diferente, o que é provavelmente verdadeiro e interessante.

Com seu exterior plástico brilhante, o Serpentine Pavilion de 2015, de SelgasCano, é um excelente exemplo da arquitetura lúdica ainda contingente da categoria "Céticos". Imagem © Iwan Baan
Com seu exterior plástico brilhante, o Serpentine Pavilion de 2015, de SelgasCano, é um excelente exemplo da arquitetura lúdica ainda contingente da categoria "Céticos". Imagem © Iwan Baan

Para além da tendência para o centro, Ativismo e Cosmopolítica são alguns dos locais mais cobiçados para as práticas emergentes. Aqueles localizados na área Populista não concordaram com sua localização e tendiam a queixar-se de uma simplificação excessiva de sua posição. Isso pode muito bem ser verdade, como o populismo é mais um estilo de entrega e nós mesmos acreditamos que, embora possa ser predominante em algumas práticas, provavelmente podemos ter populistas entre os Cosmopolíticos, os Ativistas ou os Fundamentalistas Materiais.

As práticas que encontramos no Fundamentalismo Material ou no Cosmopolítico tenderam a não responder ao experimento por uma grande margem. O mesmo é verdadeiro para as pessoas que localizamos dentro dos defensores do ativismo e da austeridade. Isso parece ser coerente com sua postura política de priorizar o próprio edifício real, o cosmos ou o engajamento com a comunidade...

BIG é talvez o exemplo final da categoria "populista", usando formas diagramáticas e explicações facilmente compreensíveis para seus projetos. Imagem © Iwan Baan
BIG é talvez o exemplo final da categoria "populista", usando formas diagramáticas e explicações facilmente compreensíveis para seus projetos. Imagem © Iwan Baan

A bússola Global não foi tão global como queríamos: não conseguimos contratar um número suficiente de práticas asiáticas, apesar de seu peso desproporcional na produção global de construção em comparação com outras regiões do mundo. O escasso envolvimento das práticas asiáticas no estudo pode ser um índice de uma descrença geral na política arquitetônica, ou talvez a relutância em se envolver com uma perspectiva politica possivelmente ocidental.

80% dos contribuintes manifestaram uma atitude positiva em relação à classificação. Mesmo alguns dos que se recusaram a participar na missão qualificaram a experiência como "agradável", "intrigante", "incrível", "maníaca", "genial", "engraçada", "ótima", "muito legal", "super interessante", ou "fascinante", e eles pareciam gostar do fato de que uma revista mais conhecida por monografias de arquitetos estabelecidos estava disposta a abrir este debate. A todos os que se envolveram no experimento, sob qualquer forma, nossa mais profunda gratidão. Esperamos continuar o debate iniciado aqui com todos eles, para produzir versões mais sofisticadas deste mapa.

Sobre este autor
Alejandro Zaera-Polo & Guillermo Fernandez Abascal
Autor
Cita: Alejandro Zaera-Polo & Guillermo Fernandez Abascal. "Bússola política: Uma taxonomia da arquitetura emergente em um diagrama" [Architecture's "Political Compass": A Taxonomy of Emerging Architecture in One Diagram] 23 Dez 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/801901/bussola-politica-uma-taxonomia-da-arquitetura-emergente-em-um-diagrama> ISSN 0719-8906