Ossip van Duivenbode

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE FOTÓGRAFO

Principais tendências mundiais no paisagismo de interiores

Já não há dúvidas sobre os muitos benefícios que as plantas trazem para o espaço doméstico uma vez incorporadas a um projeto de “paisagismo de interiores” ou Plantscaping, como tal prática tem sido chamada. Integrar jardins e hortas em projetos residenciais atende a muitos propósitos, sejam eles práticos, estéticos ou psicológicos. Embora existam alguns requisitos básicos que devemos considerar ao incorporar plantas e jardins em nossos espaços interiores, as espécies de plantas assim como as soluções técnicas de projeto costumam variar enormemente de acordo com a sua localização. Ao explorarmos alguns dos principais projetos de interiores que incorporam plantas e jardins em seus espaços, identificamos uma série de padrões recorrentes, cada um refletindo características relevantes ao clima, ao estilo e às soluções construtivas específicas.

Enquanto as espécies de plantas escolhidas costumam variar de acordo com as condições climáticas do lugar, as principais diferenciações nos projetos avaliados estão relacionadas ao espaço em si e como os projetistas procuram aclimatá-las. Embora saibamos da importância do contanto direto com a natureza para a nossa saúde física e mental, plantas também são utilizadas em projetos residenciais com a finalidade de criar micro-climas ou para oferecer espaços onde as pessoas podem cultivar seus próprios alimentos. 

Touches of Green. Image © Pol ViladomsVertical Greenery. Image © Minq BuiVertical Greenery. Image © Hoang LeInterior Green Courtyard. Image © Mariela Apollonio+ 33

Edifício Residencial Pontsteiger / Arons en Gelauff architecten

© Jeroen Musch© Ossip van Duivenbode© Jeroen Musch© Jeroen Musch+ 40

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  64000
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Hibex, Koninklijke Tichelaar

Os melhores projetos de arquitetura de 2020

© Shiromio Studio© Kevin Scott© Daici Ano© Jino Sam+ 102

Em nome de toda a equipe do ArchDaily, gostaríamos de agradecer seu apoio – a participação de vocês, leitoras e leitores, ajudou a tornar 2020 um ano melhor. Podemos dizer com satisfação que este ano, mais que em qualquer outro, alcançamos profissionais da arquitetura de todas as partes do mundo, contribuindo com ferramentas e inspiração para a criação de espaços melhores. 

Com mais de 5.500 obras diferentes publicadas ao longo do ano, nossa equipe de curadores tem o prazer de compartilhar esta seleção dos 100 projetos mais acessados de 2020. Esta lista representa o que há de melhor no conteúdo criado e compartilhado pela comunidade do ArchDaily nos últimos 11 meses.

Pode existir boa arquitetura sem modulação?

Presente na narrativa do Dilúvio no livro do Gênesis, Noé teria construído uma arca após um chamado de Deus, que decidiu inundar e destruir toda a vida na Terra por conta do mau comportamento da Humanidade. Apenas a família de Noé e um casal de cada espécie de animais poderia entrar na enorme embarcação e se salvar. Na bíblia, a arca é descrita com as medidas exatas de 300 côvados de comprimento por 50 de largura e 30 de altura. Esta era uma unidade utilizada na época, baseada no comprimento do antebraço, desde a ponta do dedo médio até o cotovelo. Um holandês que tem se dedicado a construir uma réplica da Arca de Noé, sem sucesso em encontrar um valor correspondente preciso no sistema métrico, utilizou as medidas do seu próprio corpo como o módulo. Modulação na arquitetura quer dizer adaptar o projeto a um módulo definido, geralmente uma medida base ou um material. Seja um metro, um tijolo, um azulejo ou um container, ela serve para facilitar o processo de projeto e torná-lo mais eficiente e sustentável.

Fotografia de arquitetura e escala: a figura humana como ferramenta de análise

Incorporar a figura humana na fotografia de arquitetura é uma das formas mais eficazes de ajudar o espectador a decifrar a escala de uma obra. Com ela, não apenas é possível transmitir noções das medidas dos elementos fotografados, mas também criar interessantes relações que podem favorecer a composição de uma imagem. Com isso em mente, compilamos a seguir uma seleção de nossas fotografias favoritas que têm na escala humana seu principal elemento compositivo. 

© LCLA Office© Jihun Bae© Rasmus HjortshøjCortesia de AirMesh Pavilion+ 25

Conforto olfativo na arquitetura e o impacto dos odores no bem-estar

Programas de culinária nunca foram tão populares no mundo. Sejam eles de receitas, reality shows ou documentários, o escritor Michael Pollan aponta que não é incomum passarmos mais tempo assistindo do que preparando nossa própria comida. Isso é um fenômeno bastante curioso, já que nos resta apenas imaginar os cheiros e gostos do outro lado da tela, como os apresentadores gostam de nos lembrar frequentemente. Ao mesmo tempo, quando assistimos algo sobre a Idade Média, rios poluídos ou desastres nucleares, ficamos aliviados de ainda não existir uma tecnologia para transmitir os cheiros. De fato, ao tratarmos de odores (e mais especificamente os maus), sabemos o quão desagradável é estar em um espaço que não cheira bem. Mais especificamente em edificações, quais são as principais fontes e de que forma isso pode afetar nossa saúde e bem-estar?

Banco Triodos / RAU Architects

© Ossip van Duivenbode© Bert Rietberg© Bert Rietberg© Ossip van Duivenbode+ 31

Driebergen-Rijsenburg, Países Baixos
  • Arquitetos: RAU Architects
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  12994
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Hunter Douglas, Guardian Glass, Aesy Liften, Boon Edam, De Groot Vroomshoop, +9

Dia Mundial da Arquitetura: projetando para o futuro do habitat humano

O Dia Mundial da Arquitetura, comemorado na primeira segunda-feira de outubro, foi instituído pela Union International des Architects (UIA) em 2005 para “lembrar ao mundo de sua responsabilidade coletiva em relação ao futuro do habitat humano” e, não por acaso, coincide com Dia Mundial do Habitat da ONU.

Museu Depot Boijmans Van Beuningen / MVRDV

© Ossip van Duivenbode© Rob Galastra© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode+ 16

Roterdã, Países Baixos
  • Arquitetos: MVRDV
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020

Sede da Tencent em Pequim / OMA

© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode+ 15

  • Arquitetos: OMA
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020

Preenchendo lacunas: a arquitetura dos espaços residuais

Em praticamente todas as cidades do mundo, sempre encontraremos algum tipo de espaço residual: terrenos vazios, áreas abandonadas, lacunas deixadas entre uma obra e outra, espaços em branco, sem uso. Nestas circunstancias, uma série de lotes urbanos acabam se tornando inadequados ou inaptos à construção de tipologias convencionais. Entretanto, estas mesmas limitações podem se tornar um terreno fértil para a nossa imaginação. Ressignificar um espaço esquecido, uma esquina desocupada, becos sem saída ou terrenos de formatos estranhos pode nos abrir uma nova frente de trabalho, criando novas oportunidades para o desenvolvimento urbano como um todo. Seja ampliando os espaços existentes de moradia ou acrescentando novas atividades e programas em áreas densamente povoadas, ocupar terrenos residuais pode ser uma valiosa contribuição para a ativação do espaço urbano.

House in Nada by FujiwaraMuro Architects. Image © Toshiyuki YanoSO&CO's multi-storey retail and office building in Ginza. Image © Takumi OtaSO&CO's multi-storey retail and office building in Ginza. Image © Takumi OtaO House by Hideyuki Nakayama Architecture. Image © Takumi Ota+ 8

A arquitetura da interação social

Sobre o papel da arquitetura nas relações sociais, Denise Scott Brown disse uma vez: “a arquitetura não deve forçar as pessoas a se conectarem; ela pode apenas definir espaços, eliminar barreiras e fazer dos locais de encontro mais úteis e atraentes.” Embora não possamos controlar o resultado ou a maneira como as pessoas irão se apropriar dos espaços que projetamos, a arquitetura tem o potencial de abrir portas e aproximar pessoas, preparando o terreno para que encontros casuais e interações sociais aconteçam — fortalecendo assim o sentido de pertencimento e identidade que tanto influenciam a estrutura de nossa sociedade. A seguir, procuramos expor — através de exemplos concretos — formas como a arquitetura pode potencializar interações sociais através de estratégias e soluções projetuais inteligentes, proporcionando um terreno comum capaz de aproximar pessoas e construir comunidades.

Arcus Center for Social Justice Leadership. Image © Steve HallCommunity centre Herstedlund by Dorte Mandrup. Image © Adam MørkKu.Be Centre by MVRDV and ADEPT. Image © Ossip van Duivenbodezwei+plus Intergenerational Housing by trans_city TC. Image © Hertha Hurnaus, Leonahard Hizensauer+ 6

A evolução do compartilhamento dos espaços: privacidade e abertura em arquiteturas cada vez mais densas

A densidade sempre foi uma consideração essencial para arquitetos e planejadores urbanos, mas sua importância só aumentou à medida que a população urbana mundial disparou e as cidades se tornaram cada vez mais densas. Durante grande parte da história do planejamento urbano, este termo foi infestado de conotações negativas: superlotação, pobreza, falta de segurança e as chamadas 'favelas'. O movimento da cidade-jardim, iniciado por Ebenezer Howard em 1898, buscou remediar tais males defendendo cinturões verdes e um planejamento anti-densidade. A Ville Radieuse de Le Corbusier é um dos planos urbanos mais conhecidos a partir desses ideais. Ainda na década de 1960, a socióloga Jane Jacobs notoriamente derrubou esses conceitos de planejamento urbano muito influentes: ela apontou que a densidade dos edifícios não tem que ser igual à superlotação; sugeriu que algumas áreas urbanas altamente densas, como sua vizinhança em Greenwich Village, eram mais seguras e mais atraentes do que os projetos de cidades-jardim nas proximidades; e destacou como a concepção americana dos "bairros marginais" costumava estar enraizada em ideologias anti-imigrantes e anti-negros. A densidade não é inerentemente ruim, ela sugeriu, mas deve ser bem feita. Hoje, continuamos a lutar com a questão sobre como projetar para nossas cidades cada vez mais densas - como mantê-las abertas, mas simultaneamente privadas? Livres, mas controladas quando necessário? Em particular, como nos mantemos protegidos - tanto do crime quanto, em épocas de COVID-19, de doenças?

Edifício MicroCity Het Platform / VenhoevenCS

© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode+ 25

  • Arquitetos: VenhoevenCS
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  170
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: 2tec2, AutoDesk, B&S natuursteen, BTL, Hutten metaal, +7

Como a Índia está moldando o futuro da habitação

A Índia está repensando o futuro da habitação por meio de novas tipologias. Definida por influências históricas e culturais, a arquitetura contemporânea do país centra-se em discussões sobre a melhor forma de se modernizar. Construídos ao longo de milênios, os projetos habitacionais da Índia são feitos para atender a diversas escalas, programas e funções. Explorando uma paisagem urbana revitalizada, estes projetos habitacionais modernos começaram a dar um novo tom para o futuro.

© Hemant Patil© Carlos Chen© Umang Shah© Shamanth Patil+ 10

100 Espaços públicos: de pequenas praças a parques urbanos

© DuoCai Photograph
© DuoCai Photograph

© Gianluca Stefani© Thomas Zaar© Tomasz Zakrzewski© Sebastien Michelini+ 112

A chave para projetar ou recuperar com sucesso os espaços públicos de uma cidade é criar estratégias que favoreçam seu uso e os capacitem como ponto de encontro. Independentemente da escala, entre alguns dos aspectos mais importantes estão: o desenho informado pelas necessidades das pessoas; a consideração da escala humana; e uma mistura de usos que permita multifuncionalidade e flexibilidade e proporcione conforto e segurança. 

Para lhe inspirar a projetar lugares de encontro e lazer, de praças a parques, de mirantes a playgrounds infantis, reunimos a seguir 100 espaços públicos de todas as escalas. 

Casa Buiksloterham / NEXT architects

© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode+ 10

Amsterdã, Países Baixos
  • Arquitetos: NEXT architects
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  260
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2017

Cabana Anzère / SeARCH

© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode© Ossip van Duivenbode+ 14

Hérens, Suíça
  • Arquitetos: SeARCH
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  500
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2015
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Focus