Niall Patrick Walsh

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Liam Young fala sobre o futuro da inteligência artificial na arquitetura

Liam Young já foi citado pela BBC como "o homem que está projetando o nosso futuro". O arquiteto e diretor australiano vem trilhando um interessante caminho na prática arquitetônica, transitando simultaneamente pelos campos do design, tecnologia e mídia. Young é co-fundador do thinktank Tomorrow's Thoughts Today, um estúdio que explora o imaginário fílmico para fomentar discussões sobre o futuro do ambiente construído e a relação entre humanos e máquinas, bits e átomos, artificial e natural. Também dirige o Unknown Fields Division, um estúdio nômade de pesquisa que percorre o mundo em busca de paisagens que reflitam os fluxos globais de materiais, tecnologias e ideias.

Dia da Terra: reflexões sobre a relação entre arquitetura e o planeta

Hoje é celebrado o Dia da Terra. Difícil pensar em algum outro momento em que nossa relação com ela tenha sido tão diferente do normal. Ao passo que lidamos com a maior crise de saúde dos últimos cem anos, as atenções se voltam para como viveremos juntos em sociedade, como os sistemas globais vão operar e, em última instância, quão positiva pode ser para o mundo natural a redução de nossas demandas por petróleo, transporte e energia.

© Shutterstock © Tom Hegen © COOKFOX. Imagem Rio Yamuna, em Nova Délhi, um dos rios mais poluídos do mundo. Iñaki Alday é co-diretor do Projeto do Rio Yamuna em ecologia urbana, que visa recuperar o rio e melhorar a vida de milhões de pessoas que vivem em Nova Délhi. Image © Randhir Singh+ 12

6 Reflexões sobre o papel da inteligência artificial no futuro das cidades

Em seu livro “Life 3.0”, o professor do Massachussets Institute of Technology, Max Tegmark, diz que “à medida que formos avançando na era da inteligência artificial, cada um de nós será um pouco mais responsável pelo futuro da vida no planeta.” Ainda hoje, a inteligência artificial muitas vezes é vista como uma espécie de caixa de pandora. Enquanto por um lado ela é encarada como uma ferramenta capaz de promover a segurança, a eficiência e a sustentabilidade nas cidades, por outro lado, ela é também representa uma ameaça aos seres humanos, algo que desencadeará um amplo processo de substituição da força humana de trabalho por máquinas gerando desemprego e isolamento social em massa. Neste contexto, a questão sobre como a Inteligência Artificial afetará as nossas cidades do futuro também tem chamado à atenção de arquitetos e designers do mundo todo, além de ter sido a questão central da Bi-City Bienal de Urbanismo\Arquitetura de Shenzhen 2019, atualmente o evento de arquitetura mais visitado do mundo.

Na Antártica, a arquitetura está esquentando

Em 1773, James Cook navegou em torno da Antártica, registrando o primeiro encontro da humanidade com o continente. Desde então, exploradores e cientistas de diferentes países têm procurado compreender os 14 milhões de quilômetros quadrados do continente gelado. Dadas as duras condições climáticas, estética e criatividade tiveram pouca importância nas construções lá erguidas - pelo menos, até poucos anos atrás. Hoje, no entanto, a cena arquitetônica no remoto continente está em expansão.

Arctic Poppy Orangery na Antarctica. Imagem © Alexy KozyrArchitekten IMS. Imagem ©NCAOR (Centro Nacional da Antártica e Oceano)Estação de Pesquisa Halley VI / Hugh Broughton Architects. Imagem © Sam BurrellEstação de Pesquisa da Antártica Princess Elisabeth. Imagem © René Robert - Fundação Internacional Polar+ 13

Os impactos e as consequências do crescimento urbano nas áreas não urbanizadas

A terceira lei de Newton é conhecida como lei da ação e reação, ou seja, determina que para toda ação há sempre uma reação igual e oposta. Transpor este conceito da física para o urbanismo pode ser útil para avaliarmos as consequências do desenfreado crescimento urbano nas paisagens rurais do nosso planeta. Até 2050, estima-se que a população urbana receberá um incremento de aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas, representando dois terços da população mundial. Esse fluxo superabundante de pessoas para as cidades está provocando um aumento igualmente dramático do fluxo dos recursos naturais para as áreas urbanizadas. Algumas destas implicações, como a exorbitante extração de recursos minerais, podem ser vistas no estudo The Quarry Series do designer gráfico e fotógrafo alemão Tom Hegen, cujas imagens foram utilizadas para ilustrar este artigo.

Tom Hegen's 'The Quarry Series' captures open pit mining in Augsburg, Germany. Image © Tom HegenTom Hegen's 'The Quarry Series' captures open pit mining in Augsburg, Germany. Image © Tom HegenTom Hegen's 'The Quarry Series' captures open pit mining in Augsburg, Germany. Image © Tom HegenTom Hegen's 'The Quarry Series' captures open pit mining in Augsburg, Germany. Image © Tom Hegen+ 18

12 Projetos que mostram que arquitetura não é só para humanos

A arquitetura até pode ter suas raízes em nossa constante busca por abrigo e proteção, mas isso não significa que ela esteja apenas à serviço dos homens. Atualmente, contamos com inúmeros exemplos de projetos de arquitetura concebidos para outras espécies. Alguns podem até parecer meio over, como a exposição Dogchitecture desenvolvida em parceria por dez escritórios de arquitetura mexicanos em 2013 ou a série de casas para cachorro BowWow Haus, projetadas por mais de 80 escritórios de arquitetura em 2017, incluindo o Zaha Hadid Architects.

De pavilhões eqüinos a santuários, de abrigos para grilos a cafeterias para gatos, arquitetos do mundo todo estão sendo cada vez mais requisitados para criar espaços voltados ao bem estar dos animais. A seguir, compilamos uma lista de doze projetos para que vocês possam ter uma ideia do que já foi feito neste sentido.

Jiyan Healing Garden / ZRS Architekten Ingenieure. Image© ZRS Architekten IngenieureCat Café TRYST / Parallect Dedign. Image© Qingling Zheng, Shijie ZhangPetaholic Hotel / sms design. ImageCourtesy of SMS DesignUnleashed Dog Spa / Square One Interiors. Image © Ihor Pona+ 13

A arquitetura do adeus: 10 projetos de crematórios

À medida que as pessoas têm mais controle sobre os rituais envolvendo suas mortes, a cremação se tornou uma opção cada vez mais usual em todo o mundo. Para os profissionais que lidam com a concepção de espaços, isso levou à pergunta: qual o papel da arquitetura nos rituais de passagem da vida para a morte?

As cidades deveriam tornar seus sistemas de transporte público gratuitos?

Espalhadas pelos quatro cantos do planeta, grandes cidades são consideradas um dos principais fortins da desigualdade e da insustentabilidade. As duas maiores cidades dos Estados Unidos, Nova Iorque e Los Angeles, são também as duas cidades mais desiguais do país enquanto que um terço das pessoas mais pobres do Reino Unido vive em Londres. Somando-se a isso, segundo dados publicados pela C40 Cities, dois terços da energia consumida no mundo e 70% das emissões globais de carbono são atribuídos às cidades. Como arquitetos e urbanistas, estes dados nos fazem refletir sobre como políticas públicas e estratégias de planejamento urbano poderiam ser utilizadas para melhor combater esses dois graves problemas. Como resposta, dezenas de cidades ao redor do mundo têm investido em sistemas de mobilidade urbana mais eficientes, abrangentes e sustentáveis. Neste contexto, levantamos a seguinte questão: e se o transporte público fosse gratuito?

Exposição em Viena celebra a natureza bruta dos materiais aparentes

À medida que o mundo da construção se torna mais automatizado, impulsionado pela economia, velocidade e burocracia, o arquiteto e professor Marc Leschelier apresenta uma exposição no Architektur Im Magazin Vienna, na Áustria, na vertente oposta. A exposição nomeada de "Cold Cream", configura um espaço isolado, dissociado do mundo, onde a prática da construção é reduzida à luta entre matérias delicadas e duras, bem como à ascensões espontâneas. A exposição não é, portanto, um ato de arquitetura, mas sim uma forma de pré-arquitetura.

© Marc Leschelier© Marc Leschelier© Marc Leschelier© Marc Leschelier+ 18

20 Projetos famosos do século 20 construídos em aço

O emprego do aço na arquitetura, no início do século XX, é considerado um dos desenvolvimentos mais inovadores da construção civil, tendo permitido que arquitetos criassem estruturas com alturas nunca antes vistas. Henry Bessemer desenvolveu o processo siderúrgico de maior sucesso em 1855, mas somente em 1890 o processo foi refinado a ponto de poder ser usado na construção. As primeiras edificações em aço dos dois lados do Atlântico, o Rand McNally Building em Chicago e a Forth Bridge em Edimburgo, quebraram recordes na época.

O que é energia de biomassa?

Com a crescente conscientização sobre o impacto ambiental da queima de combustíveis fósseis, os quais também são amplamente utilizados para a produção de energia consumida por edifícios, espera-se dos arquitetos um posicionamento cada vez mais crítico e que sejam capazes de incorporar em seus projetos fontes energéticas alternativas como uma solução para minimizar a dependência das atividades humanas dos combustíveis fósseis. Entre as fontes mais progressivas de geração de energia está a biomassa, um sistema que combina o uso de matérias-primas sustentáveis que resultam em uma menor emissão de CO2 se comparado com outros tradicionais sistemas à combustão. Neste contexto em que a biomassa parece ser a alternativa mais viável às usinas movidas a gás e a carvão, levantamos a seguinte questão: o que é a energia de biomassa afinal, e quais suas principais vantagens e desvantagens?

Como as cidades estão usando a arquitetura para combater inundações

Quarenta por cento da população mundial vive próxima à áreas litorâneas, em uma faixa de no máximo cem quilômetros de distância à partir da costa, sendo que dez por centro delas ocupam áreas apenas dez metros acima do nível do mar. Este é um dado importantíssimo a se considerar quando pensamos em como as mudanças climáticas podem afetar a vida nas cidades. Hoje em dia, estima-se que até 2050 o aumento dos níveis das marés e as recorrentes inundações possam custar anualmente mais de um trilhão de dólares às cidades litorâneas do mundo todo. Não podemos negar que a humanidade está chegando a um impasse, um momento onde nunca estivemos tão vulneráveis às consequências das mudanças climáticas.

A beleza da arquitetura rural em 15 projetos de celeiros

A tipologia do celeiro é um elemento cativante da arquitetura rural. De construção simples e tradicionalmente definidos por necessidade e não por questões estéticas, os celeiros continuaram a despertar a imaginação daqueles que buscam o contraste com a realidade globalizada e densa da vida urbana. 

Ancram Barn / Worrell Yeung Architecture. Image Magda Biernat PhotographyBarn Rijswijk / Workshop architecten. Image Workshop architectenHorse Stable / 57STUDIO. Image Maurizio AngeliniMason Lane Farm / De Leon & Primmer Architecture Workshop. Image Roberto de Leon+ 16

A nova arquitetura das energias limpas

Passou-se o tempo em que usinas de energia eram vistas com certo ceticismo, estruturas construídas em “terra de ninguém”, afastadas dos centros das cidades por suas características estéticas “pouco agradáveis” além de representarem um risco à saúde das pessoas. A construção de termelétricas e usinas nucleares, por exemplo, foram construídas pela necessidade de impulsionar o desenvolvimento econômico ao redor do mundo. Estruturas pensadas apenas para serem eficientes e práticas. Entretanto, o desenvolvimento de novas tecnologias para a produção de  energia limpa e renovável tem provocado uma série de mudanças ideológicas, as quais, estão impulsionando uma nova abordagem.

Värtan Bioenergy CHP-plant / UD Urban Design AB + Gottlieb Paludan Architects. Image © Robin HayesHydroelectric Power Station / monovolume. Image © monovolumeBio Mass Power Plant / Matteo Thun & Partners. Image © Jens WeberPålsbu Hydro Power Station / Manthey Kula Architects. Image Courtesy of Manthey Kula Architects+ 11