Restaurante Cajuí / VAGA

Restaurante Cajuí / VAGA

© Pedro Napolitano Prata© Pedro Napolitano Prata© Pedro Napolitano Prata© Pedro Napolitano Prata+ 19

São Paulo, Brasil
  • Arquitetos: VAGA
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  210
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Fotógrafo Fotografias:  Pedro Napolitano Prata
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Cozil, Móveis Delucci, Paula Souza Cerâmicas
  • Arquitetos Responsáveis:Fernando O'Leary, Pedro Domingues, Pedro Faria
  • Equipe De Projeto:Cauê Martins, Gabriela Inomata, Tali Liberman
  • Paisagismo:Planta Plena
Mais informaçõesMenos informações
© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata

“Um restaurante vegano, com ingredientes 100% orgânicos e nacionais, fornecidos por pequenos produtores de diversas regiões do Brasil, inserido em um ambiente onde seus animais são bem-vindos, com abundância de iluminação natural e acessível a todas pessoas.” São estes os principais fundamentos que motivaram a criação do Restaurante Cajuí, situado no bairro da Vila Madalena, em São Paulo. Aliado à avaliação inicial da construção preexistente, o conceito idealizado pelos clientes foi o principal alicerce para a concepção das primeiras simulações arquitetônicas.

© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata

O acentuado aclive presente logo no acesso ao imóvel, os inúmeros patamares da construção existente ascendentes até o fundo do lote e a escuridão de um imóvel estreito, praticamente coberto na sua totalidade, indicavam os desafios físicos inaugurais para a implementação do conceito na arquitetura.

© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata
Planta
Planta
© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata

Inicialmente, com a intenção de cumprir com as premissas logística e funcional, o espaço foi dividido em duas zonas por um volume baixo que compreende o banheiro para pessoas com deficiência e o bar. As escadas foram concentradas em locais estratégicos para vencer o desnível de forma a reduzir o número dos platôs preexistentes, proporcionando uma circulação mais fluida e intuitiva. Além disso, tornou-se necessária a implantação de uma plataforma elevatória a partir do nível da calçada até o nível do primeiro platô a fim de garantir a acessibilidade ao salão inferior, bar e sanitário.

© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata

Retomando os aspectos subjetivos que cercam a imagem almejada pela arquitetura, o nome do restaurante é referência direta ao pequeno fruto da família do caju, nativo do cerrado brasileiro. O cajuí, assim, foi adotado como ícone de uma das bandeiras levantadas pelos proprietários: o alerta para o desmatamento crescente em um bioma rico e singular que serve de inspiração tanto para o cardápio como para a ambiência do restaurante. Desta forma, adotou-se como condição absoluta ao projeto o enaltecimento da interação entre luz e cor, de forma que a incidência da iluminação natural sobre os materiais e cores empregados no espaço aludisse ao ambiente do cerrado brasileiro. Esta relação entre arquitetura e natureza foi excepcionalmente zelada durante todo o processo de criação e foi considerada em todas as decisões projetuais.

© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata
Corte A - humanizado
Corte A - humanizado
© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata

Os elementos arquitetônicos identificados no imóvel previamente à reforma expunham uma construção em alvenaria envolvida por estruturas provisórias precárias. Como uma das premissas era evitar grandes reformas estruturais no imóvel, a solução adotada foi concentrar as principais modificações nas novas estruturas auxiliares, fazendo com que essa envoltória cumprisse com a função de abrigo ao mesmo tempo que fosse o elemento responsável pela transmissão de luz natural e interação entre interior e exterior.

© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata

O resultado obtido foi uma estrutura de madeira anexa ao corpo da edificação existente. A telha translúcida permitiu a entrada de luz natural que, filtrada pelo forro de juta orgânica, influencia diretamente na coloração no ambiente nos diferentes momentos do dia. O piso de cimento queimado com pigmentação vermelha, além de ser uma alusão ao solo do cerrado, age em harmonia com a luz, fazendo com que as paredes brancas absorvam um pouco das cores terrosas usadas no projeto e ajudem transmitir a atmosfera desejada.

© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata

Além da minimização das intervenções durante a reforma, tomou-se o cuidado para que quase todos os resíduos gerados na obra fossem reutilizados na mesma, seja para o deck da área de espera, para o enchimento de pisos ou para o forro de bambu ao fundo do restaurante. Na parte de trás, junto à área de funcionários, foram construídos grandes canteiros para cultivar os principais ingredientes usados na gastronomia. O paisagismo, presente e protagonista em todos os ambientes, vai além do decorativo e torna-se funcional, sendo encarado como parte integrante da arquitetura e do funcionamento cotidiano do restaurante.

© Pedro Napolitano Prata
© Pedro Napolitano Prata

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Escritório
Cita: "Restaurante Cajuí / VAGA" 20 Mai 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/940016/restaurante-cajui-vaga> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.