Arquitetura e a morte da modernidade do carbono

Arquitetura e a morte da modernidade do carbono

Até agora, a maioria dos discursos ambientais na arquitetura se concentrava no carbono como subproduto da construção civil, fazendo parecer que, de maneira ecológica, a preocupação mais premente é a eficiência energética. Essa postura compartimenta a disciplina e desloca a origem da crise climática das organizações políticas, econômicas e espaciais dominantes que são sua causa. Em resposta a esse deslocamento, Log: 47 Overcoming Carbon Form reconsidera a ligação entre arquitetura e clima, explorando a reciprocidade entre energia e forma construída. Para isso, a energia deve ser entendida além de sua capacidade técnica, vista como uma força política e cultural com repercussões espaciais inevitáveis. 

Três paradigmas de geração de energia marcam a história da humanidade - forrageamento, agricultura e combustíveis fósseis intensivos em carbono. A cada transição de um para o outro, a capacidade produtiva da sociedade humana era transformada, reestruturando a ordem social existente e gerando um paradigma espacial e arquitetônico correspondente. A mudança de uma sociedade nômade para uma agrícola deu origem a vilas e cidades; a mudança que se seguiu para uma sociedade industrial impulsionada por combustíveis fósseis deu origem a cidades industriais, redes comerciais globais, subúrbios e megacidades. Esse paradigma espacial mais recente, que chamo de forma do carbono, é o foco de Log.

Log 47: Cover
Log 47: Cover

O objetivo aqui é duplo. O primeiro é identificar nosso atual paradigma energético como um impulsionador da forma urbana e arquitetônica. Quando a queima de combustíveis fósseis estabeleceu um novo horizonte de possibilidades de produção, a sociedade se reorganizou em torno da disponibilidade de energia abundante, que era imediatamente legível no espaço à medida que surgiam novas tipologias arquitetônicas e padrões de crescimento urbano. O segundo é implicar a forma arquitetônica e urbana na criação e no desenrolar da crise climática antropogênica de uma maneira que vá além da quantificação imediata da emissão de carbono. Nosso ambiente construído atual criou configurações espaciais que enredam os aspectos culturais, econômicos e políticos da vida social dentro de uma rede de espaço e forma com uso intensivo de energia. Como resultado, não podemos pensar no ambiente construído recebendo passivamente energia da rede, mas gerando ativamente formas de vida intensivas em energia, do consumo individual à dinâmica do capitalismo global. Isso, mais do que o uso diário de energia de prédios e cidades, é o obstáculo mais significativo para as mudanças diante de um desastre ecológico cada vez pior. Independentemente do aumento da eficiência energética e das emissões de carbono reduzidas em edifícios individuais, o ambiente construído como o conhecemos será fundamentalmente incapaz de suplantar o atual paradigma energético ou de enfrentar a crise climática, desde que seu núcleo seja constituído pelo carbono. Qualquer proposta para o futuro deve primeiro lidar com a superação desse legado cultural e arquitetônico. Para isso, é necessário reconhecer a expressão espacial da energia do carbono - forma do carbono - como um local de intervenção, o que, por sua vez, revela que a arquitetura tem um papel significativo na definição do resultado dessa fase cada vez mais incerta da história humana e planetária.

Suburban development near San Diego, California. Architecture will be unable to address the climate crisis as long as the core of the built environment is largely carbon forms. Photo: Google, TerraMetrics
Suburban development near San Diego, California. Architecture will be unable to address the climate crisis as long as the core of the built environment is largely carbon forms. Photo: Google, TerraMetrics

Superando a forma do carbono

A ideia da forma do carbono postula que a arquitetura é um índice de fluxos de energia - a forma segue a energia. No entanto, uma arquitetura dependente de energia e suas tecnologias correspondentes, por sua forma, está condenada a refletir e materializar o paradigma dominante de energia, capitulando uma linha do tempo das tecnologias existentes e mantendo seu papel na economia fóssil. Assim, a arquitetura que opera no prelúdio da transição energética, ao invés de seguir, deve ser catalítica de novas organizações espaciais, sociais e energéticas e não depender de energia para a derivação de sua forma. Em outras palavras, devemos denunciar a forma de carbono por sua redução da arquitetura a um epifenômeno para que a superação da forma do carbono possa trazer novos paradigmas para a arquitetura.

Carson, California. Photo: Google, Maxar Technologies
Carson, California. Photo: Google, Maxar Technologies

Dado o atual entrelaçamento entre a arquitetura e o capitalismo do carbono, é evidente que ela precisa de uma nova ambição, criando um improvável paralelo ao Movimento Moderno. Como disse Le Corbusier, “a vida moderna exige e está aguardando um novo tipo de plano, tanto para a casa quanto para a cidade.” Nosso momento também exige novas organizações arquitetônicas e urbanas, um novo plano de como vivemos. Mas, diferentemente dos modernistas, para quem a transição energética relevante já havia ocorrido, nossa transição energética ainda está por vir. Enquanto o presente deles era a matéria-prima dos futuros propostos, nosso presente é aquele a partir do qual não podemos construir. porque a economia fóssil continua governando a produção arquitetônica.

Hartsfield-Jackson Atlanta International Airport. Photo: Google, Maxar Technologies
Hartsfield-Jackson Atlanta International Airport. Photo: Google, Maxar Technologies

A arquitetura é tão poderosa e impotente quanto sempre foi. A questão é se a arquitetura pode aproveitar seu poder. Se tivesse a capacidade de dar forma a estruturas sociais emergentes no início do século XX, também deveria ter a capacidade de dar forma a uma alternativa hoje. A capacidade da arquitetura de transformar a cidade em nossos dias não resultará da incorporação de avanços tecnológicos em sistemas de construção, fabricação ou software de design, mas pela forma como radicalmente os arquitetos estão dispostos a rejeitar o mito do crescimento ilimitado, alimentado pelo carbono, e lançar as bases para a inovação nas transições futuras em energia e forma social.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Elisa Iturbe. "Arquitetura e a morte da modernidade do carbono" 23 Dez 2019. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/930519/arquitetura-e-a-morte-da-modernidade-do-carbono> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.