Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Arata Isozaki vence o Prêmio Pritzker 2019

Arata Isozaki vence o Prêmio Pritzker 2019

Arata Isozaki vence o Prêmio Pritzker 2019
Arata Isozaki vence o Prêmio Pritzker 2019, Courtesy of Image: Pritzker. Collage: ArchDaily by Danae Santibáñez
Courtesy of Image: Pritzker. Collage: ArchDaily by Danae Santibáñez

Arata Isozaki foi nomeado o vencedor de 2019 do Prêmio Pritzker de Arquitetura. Isozaki, que pratica arquitetura desde os anos 1960, tem sido considerado um visionário arquitetônico por sua abordagem transnacional e destemidamente futurista ao projeto. Com mais de 100 obras construídas, Isozaki também é incrivelmente prolífico e influente entre seus contemporâneos. Ele é o 49º arquiteto e oitavo arquiteto japonês a receber a honra.

De acordo com o júri, na citação do prêmio: “... em sua busca por uma arquitetura significativa, ele criou edifícios de grande qualidade que até hoje desafiam categorizações, refletem sua constante evolução e estão sempre atualizados em sua abordagem”.

© Hisao Suzuki © Hisao Suzuki © Yasuhiro Ishimoto © Hisao Suzuki + 11

"Eu sempre senti que o mais importante é encontrar uma maneira de escapar da estrutura ou consciência estética com a qual estou oprimido."

Nascido em 1931 em Oita, uma cidade na ilha de Kyushu, no Japão, o início de Isozaki na arquitetura foi profundamente afetado pelos eventos mundiais da época. Isozaki tinha apenas 12 anos quando Hiroshima e Nagasaki foram dizimadas na Segunda Guerra Mundial; sua cidade natal foi incendiada durante a guerra. “Quando eu tinha idade suficiente para começar a entender o mundo, minha cidade natal foi incendiada. Do outro lado da costa, a bomba atômica foi lançada em Hiroshima, então eu cresci no marco zero. Tudo estava em ruínas, e não havia arquitetura, nem edifícios e nem mesmo uma cidade ... Então, minha primeira experiência em arquitetura foi o vazio da arquitetura, e comecei a considerar como as pessoas poderiam reconstruir suas casas e cidades.”

Isozaki levou esta visão de mundo com ele para a Universidade de Tóquio, onde se formou na Faculdade de Arquitetura e Engenharia em 1954. Prosseguiu os estudos com um Ph.D. na mesma faculdade antes de iniciar sua carreira arquitetônica a sério no escritório de Kenzo Tange. Isozaki rapidamente se tornou o protegido de Tange, trabalhando em estreita colaboração com o Prêmio Pritzker de 1987, antes de estabelecer seu próprio escritório em 1963.

O Japão na época estava em um período de imensa mudança e reinvenção. O país havia sido libertado da Ocupação Aliada apenas uma década antes, e ainda estava se recuperando dos efeitos posteriores da guerra. "A fim de encontrar a maneira mais adequada para resolver esses problemas, não pude me apoiar em um único estilo", diz Isozaki. “A mudança se tornou constante. Paradoxalmente, isso veio a ser meu próprio estilo ”.

© Yasuhiro Ishimoto
© Yasuhiro Ishimoto

“A mudança se tornou constante. Paradoxalmente, isso veio a ser meu próprio estilo ”.

De fato, a obra inicial de Isozaki é notável por sua abordagem decididamente futurista, visível em City in the Air, seu aspirante a masterplan para Shinjuku. Nessa proposta, camadas elevadas de prédios, residências e transportes flutuariam acima da cidade antiga - uma resposta extrema ao ritmo voraz da urbanização e modernização no Japão (da época). Embora o plano nunca tenha sido realizado, ele deu o tom para muitos dos futuros projetos de Isozaki e liderou mais planos / visões urbanas para cidades em todo o mundo.

A linguagem formal que caracteriza grande parte das obras de Isozaki - uma combinação característica de Metabolismo e Brutalismo - foi desenvolvida em colaboração com o mentor Kenzo Tange, o arquiteto considerado fundador do metabolismo japonês.

Originalmente chamado de Burnt Ash School, por conta do local onde nasceu, o Metabolismo fundiu idéias de crescimento orgânico com a arquitetura das megaestruturas futuristas. Isozaki estava profundamente envolvido no desenvolvimento e na perpetuação do Metabolismo, como visto em projetos como a Biblioteca da Província de Oita, a Escola Secundária de Iwata Girls e vários projetos para o Fukuoka City Bank.

Mas foi em 1970 que o Isozaki ganhou fama internacional, já que seu projeto Festival Plaza na EXPO70 (a primeira feira mundial sediada no Japão) cativou os visitantes globais. Isozaki completou outras obras significativas, como a Torre de Arte Mitor, o Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles e o Palau Sant Jordi em Barcelona. Mais recentemente, Isozaki completou o Museu Provincial de Hunan, o Harbin Concert Hall, o Krakow Concert Hall e a Allianz Tower em Milão.

© Hisao Suzuki
© Hisao Suzuki

“A obra de Isozaki foi descrita como heterogênea e abrange descrições de vernacular a alta tecnologia”, disse o júri do Pritzker na citação do prêmio. "O que é claro é que não vem seguindo tendências, mas forjando seu próprio caminho."

Isozaki recebeu inúmeros prêmios ao longo de sua carreira, mais notavelmente o Prêmio Anual do Architectural Institute of Japan em 1974, a Medalha de Ouro do RIBA em 1986 e o American Institute of Architects Honor Award em 1992.

A cerimônia do Prêmio Pritzker de 2019 será realizada no Chateau de Versailles, na França, em maio, e será acompanhada por uma palestra pública de Isozaki, em Paris.

Citação do Júri

© Yasuhiro Ishimoto
© Yasuhiro Ishimoto

Arata Isozaki, nascido em Ōita, na ilha de Kyushu, no Japão, é conhecido como um arquiteto versátil, influente e verdadeiramente internacional. Estabeleceu sua própria prática na década de 1960 e tornou-se o primeiro arquiteto japonês a forjar uma relação profunda e duradoura entre o Oriente e o Ocidente. Isozaki possui um profundo conhecimento da história e teoria da arquitetura e, abraçando a vanguarda, nunca meramente reproduziu o status quo, mas o desafiou. Em sua busca por uma arquitetura significativa, criou edifícios de grande qualidade que até hoje desafiam categorizações, refletem sua constante evolução e estão sempre atualizados em sua abordagem.

Ao longo dos mais de 50 anos de profissão, Arata Isozaki teve um impacto na arquitetura mundial, através de seus trabalhos, escritos, exposições, organização de importantes conferências e participação em júris de concursos. Ele apoiou muitos jovens arquitetos de todo o mundo a terem uma chance de realizar seu potencial. Em empreendimentos como o Fukuoka Nexus World Housing (1988-1991) ou o programa Machi-no-Kao (“face da cidade”) da Prefeitura de Toyama (1991-1999), Isozaki convidou jovens arquitetos internacionais para desenvolver projetos catalíticos no Japão. Sua obra foi descrita como heterogênea e que abrange descrições do vernacular à alta tecnologia. O que é evidente é que ele não segue as tendências, mas forjou seu próprio caminho. Uma exploração inicial de uma nova visão para a cidade é vista no projeto City in the Air, do início dos anos 1960, para uma cidade multifacetada que paira sobre a cidade tradicional.

Seus primeiros trabalhos no Japão, seu país natal, incluem uma obra-prima do brutalismo japonês, a Biblioteca Municipal de Ōita (1966). Projetos como a Biblioteca Central de Kitakyushu (1974) e o Museu de Arte Moderna da Prefeitura de Gunma, inaugurado em 1974, revelam uma exploração de uma arquitetura mais pessoal. No museu, a geometria clara do cubo reflete seu fascínio pelo vazio e pela grade, à medida que busca alcançar um equilíbrio na exibição de obras de arte em mudança.

O alcance e o repertório de Arata Isozaki se expandiram ao longo dos anos e passaram a incluir projetos de muitas escalas e tipologias e em vários países. Nos Estados Unidos, Isozaki é provavelmente mais conhecido por ter projetado o Museu de Arte Contemporânea em Los Angeles (1986) e o edifício Team Disney na Flórida (1991). O primeiro é um estudo da abóbada, ou o que ele chama de “retórica do cilindro”, e o segundo é evidenciado por um uso mais lúdico de formas com um toque pós-moderno.

Muitos conhecem o seu trabalho através de edifícios tão significativos como o Estádio Sant Jordi para as Olimpíadas de 1992 em Barcelona. Ele realizou trabalhos exemplares na China, como o Museu de Arte CAFA (Academia Central de Belas Artes da China) em Pequim, inaugurado em 2008, ou o Centro Cultural de Shenzhen (2007), em Shenzhen, Guangdong.

Isozaki mostrou extraordinário dinamismo nos últimos anos com obras como Qatar Convention Center (2011), o inflável viajante Ark Nova (2013) projetado com Anish Kapoor para regiões afetadas pelo tsunami de 2011 no Japão, e o poderoso e elegante Allianz Tower em Milão inaugurado em 2018. Mais uma vez, é um testemunho da sua capacidade de compreender o contexto em toda a sua complexidade e de criar um edifício notável, bem trabalhado, inspirador, e que é bem sucedido desde a escala da cidade até aos espaços interiores.

Claramente, é uma das figuras mais influentes na arquitetura do mundo contemporâneo que está em uma busca constante, sem medo de mudar e tentar novas idéias. Sua arquitetura repousa na compreensão profunda, não apenas da arquitetura, mas também da filosofia, história, teoria e cultura. Ele uniu o Oriente e o Ocidente, não por meio de mimetismo ou como academia, mas através da criação de novos caminhos. Isozaki deu um exemplo de generosidade ao apoiar outros arquitetos e incentivá-los em competições ou através de trabalhos colaborativos. Por todas essas razões, o Júri do Prêmio Pritzker selecionou Arata Isozaki como laureado em 2019.

Júri do Prêmio Pritzker 2019 

© Yasuhiro Ishimoto
© Yasuhiro Ishimoto

  • Stephen Breyer: Supremo Tribunal dos EUA. Washington DC.

  • André Aranha Corrêa do Lago: atual embaixador do Brasil no Japão.

  • Richard Rogers: Arquiteto e Prêmio Pritzker 2007. Londres, Inglaterra.

  • Kazuyo Sejima: Arquiteto e Prêmio Pritzker 2010. Japão.

  • Benedetta Tagliabue: Arquiteta e Educadora. Barcelona, Espanha.

  • Ratan N. Tata: Presidente Emérito da Tata Sons, a holding do Grupo Tata. Mumbai, índia.

  • Wang Shu: Arquiteto e Prêmio Pritzker 2012. República Popular da China.

  • Martha Thorne (Diretora Executiva): Dean, IE School of Architecture & Design. Madri, Espanha.

Artigos relacionados:

As obras de Arata Isozaki, vencedor do Prêmio Pritzker 2019

Quem é Arata Isozaki? 20 fatos sobre o vencedor do Prêmio Pritzker 2019

A obra de Arata Isozaki no Instagram: uma seleção das melhores fotografias

Sobre este autor
Cita: Allen, Katherine. "Arata Isozaki vence o Prêmio Pritzker 2019" [Arata Isozaki Named 2019 Pritzker Prize Laureate] 05 Mar 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/912605/arata-isozaki-vence-o-premio-pritzker-2019> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.