O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. “A arquitetura acontece porque acreditamos em um futuro melhor”: uma conversa com Jürgen Mayer H

“A arquitetura acontece porque acreditamos em um futuro melhor”: uma conversa com Jürgen Mayer H

“A arquitetura acontece porque acreditamos em um futuro melhor”: uma conversa com Jürgen Mayer H
Museum Garage Miami / Jürgen Mayer. Image © Miguel Guzman
Museum Garage Miami / Jürgen Mayer. Image © Miguel Guzman

O arquiteto Jürgen Mayer H. fundou sua empresa J.MAYER.H em Berlim em 1996. Estudou na Alemanha (Universidade de Stuttgart) e nos EUA (Cooper Union e Princeton). Em 2010, Mayer H. disse que, embora sua sólida formação profissional na Alemanha o tenha equipado com o know-how sobre os aspectos técnicos e práticos da arquitetura, ele ainda não tinha uma visão clara sobre como desenvolver seu próprio pensamento e uma linguagem arquitetônica.

Anos de questionamento e experimentação acabaram levando ao desenvolvimento de sua própria voz peculiar. Os edifícios de Mayer H. trouxeram identidades únicas para muitos lugares ao redor do mundo, particularmente através do uso de padrões de proteção de dados que provocaram a criação de uma arquitetura diferente de tudo visto anteriormente. Em minha recente visita ao seu estúdio na Berlim Ocidental, discutimos a identidade do arquiteto. Quando confrontei Mayer H. sobre o que ele pensa sobre seu estilo de assinatura nos momentos em que não é mais celebrado pela mídia, ele disse: “Isso começou como minha voz e agora é a contribuição de uma equipe inteira. Não há intenção ou estratégia, apenas nossa própria capacidade de trabalhar com o meio da arquitetura”.

Court of Justice / Jürgen Mayer. Image © Filip Dujardin Metropol Parasol / Jürgen Mayer. Image © Nikkol Rot for Holcim Rest Stops Gori / Jürgen Mayer . Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn Sarpi Border Checkpoint / Jürgen Mayer. Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn + 38

Metropol Parasol / Jürgen Mayer. Image © Nikkol Rot for Holcim
Metropol Parasol / Jürgen Mayer. Image © Nikkol Rot for Holcim

Vladimir Belogolovsky: Para muitos arquitetos, é o primeiro projeto que leva a uma descoberta particular ou a uma linha de pesquisa que é característica de toda a carreira que se segue. Muitas vezes é uma casa para a mãe de um arquiteto ou para a própria casa. Existe algum projeto manifesto que desempenhou esse papel em seu caso?

Jürgen Mayer H.: Eu nomearia o primeiro projeto-chave, o Stadthaus Ostfildern, um townhall em Ostfildern, fora de Stuttgart, no sul da Alemanha, que foi nosso primeiro projeto vencedor de um concurso, em 1998. Quando construído em 2003, ganhou o Emerging Architect Prize pelo Prêmio Mies van der Rohe. Continha muitos dos ingredientes básicos que se tornaram uma base para muitos dos nossos projetos subsequentes, incluindo padrões de proteção de dados que usamos para projetar painéis de ventilação de metal nas fachadas do edifício. O segundo projeto-chave foi o Metropol Parasol, construído em Sevilha, Espanha, em 2011. Lá, combinamos o espaço urbano com a mistura de vários programas para criar um ambiente vital e multifacetado. Esses dois projetos foram instrumentais na formação de um certo catálogo de idéias que podem ser traçados em todo o nosso trabalho que se distingue pela compreensão da arquitetura como espaço de comunicação e enquadrada por uma forte identidade escultórica.

VB: Cerca de oito anos atrás, nos falamos em Nova Iorque. Você expressou pensamentos muito interessantes e, agora, gostaria de voltar a alguns deles para ouvir seus comentários da maneira como os visualiza hoje:

JMH: Estou muito curioso comigo mesmo. [Risos]

VB: “Eu quero que a própria arquitetura nos conduza a potenciais descobertas”.

XXX TIMES SQUARE WITH LOVE / Jürgen Mayer. Image © Rob Kassabian
XXX TIMES SQUARE WITH LOVE / Jürgen Mayer. Image © Rob Kassabian

JMH: Precisamos usar esse meio fantástico, arquitetura para explorar o que está chegando, o que é possível, enquanto construímos nosso futuro. Portanto, deixamos nossa curiosidade para liderar esta bela aventura de reinventar a arquitetura. A beleza da arquitetura está no fato de que há tantas agendas e maneiras diferentes de fazê-lo.

VB: Outro - “Eu vejo meus projetos como lentes através das quais o contexto circundante é procurado para ver algo novo. A arquitetura é um catalisador, que não é um pano de fundo para uma vida cotidiana, mas algo que o leva a repensar as condições espaciais”.

JMH: Eu ainda concordo com isso. A arquitetura acontece porque acreditamos em um futuro melhor. Espacialmente, economicamente e assim por diante. Acreditamos na arquitetura responsiva. Por exemplo, como a arquitetura pode reduzir o nível de estresse em uma cidade contemporânea? Nós tentamos resolver esses problemas e dar-lhes uma face arquitetônica.

VB: “A arquitetura é uma crítica e um discurso para fazer comentários sobre a vida e a cultura contemporânea.”

JOH3 / Jürgen Mayer. Image © Ludger Paffrath
JOH3 / Jürgen Mayer. Image © Ludger Paffrath

JMH: Ou seja, contribuindo com uma visão crítica e projetando algo inesperado repensando o que é aceito, uma norma, um status quo preguiçoso. Idealmente, isso é o que a arquitetura deveria fazer.

VB: Isto é importante porque desde que nos falamos em 2010, a arquitetura enquanto discurso mudou, e a retórica dos arquitetos mudou significativamente. Passamos de celebrar a arquitetura de estilo icônico e de assinatura e discutimos arte, metáforas e inspirações para enfatizar o envolvimento social, a ecologia, a economia de meios, o contexto, a resolução de problemas, o trabalho em equipe e assim por diante. Se você sustenta que seu trabalho é um comentário sobre a vida e a cultura contemporânea, então deve ter mudado significativamente porque o discurso arquitetônico evoluiu. Você vê uma mudança particular em seu trabalho como um reflexo e de como o discurso da arquitetura mudou?

JMH: Enquanto isso, o fascínio pelas tecnologias digitais é estabelecido em universidades, laboratórios e hubs, e isso constitui a espinha dorsal de uma futura economia. Paralelamente a essa complexidade crescente, vemos investigações sobre a ativação de comunidades e estratégias para cultivar nossos bens comuns.

VB: Não estou falando de gradual evolução baseada em pesquisa contínua e processo de projeto. Desde que conversamos há oito anos, a arquitetura passou por uma drástica transformação. Nós não celebramos mais o indivíduo. Seu trabalho, desde o início, era celebrar o icônico e a invenção de um estilo de assinatura distinta. Foi uma resposta direta aos tempos. Como você reconhece a nova realidade quando tantos jovens arquitetos abertamente reprimem sua individualidade? Existe pressão para fazer concessões?

Court of Justice / Jürgen Mayer. Image © Filip Dujardin
Court of Justice / Jürgen Mayer. Image © Filip Dujardin

JMH: Bem, só podemos escrever com a nossa própria caligrafia. A arquitetura é da mesma forma. Não há intenção ou estratégia específica em relação à linguagem arquitetônica que usamos, apenas nossa própria capacidade de trabalhar com o meio que é a arquitetura. No entanto, a criação de arquitetura deslocou-se para mais comunicação e colaboração, o que enriquece o processo de projeto e sua complexidade. Eu não acredito que nosso trabalho tenha mudado, mesmo que o discurso tenha sido alterado. Sempre nos preocupamos com a forma como nossos edifícios são experienciados. Nossa arquitetura se ancora em diferentes contextos e isso nos força a evoluir. O que está sendo discutido atualmente são apenas momentos de urgências e preferências particulares, eles vêm e vão. Mas nós temos muitos problemas em andamento. Neste momento, podemos nos concentrar mais em sermos sensíveis ao meio ambiente e sermos pragmáticos. Isso, é claro, influencia nosso trabalho, mas a linguagem que usamos já está estabelecida e é formada por muitas forças além da discussão de hoje.

VB: Quando perguntado sobre o que é arquitetura você disse que é uma aventura no desconhecido. É muito poético. Você poderia explicar melhor?

JMH: Arquitetura é um processo; é uma aventura, uma jornada que tem muitas incógnitas. O que fazemos como arquitetos não é tentar criar um produto, mas chegar a um ponto de descoberta. Mesmo depois de muitos anos projetando edifícios, queremos nos surpreender e deixar o processo nos levar a uma proposta em particular. Confiamos e questionamos constantemente nosso processo. No entanto, no começo, não sabemos qual será o resultado.

VB: O que é um bom edifício para você?

JMH: Um bom edifício redefine um lugar. Um bom edifício traz uma nova visão. Também oferece conforto, mas, ao mesmo tempo, desafia nossas expectativas. É um edifício que incorpora a inovação cultural, social e tecnológica. E é um tipo de edifício que pode ser adaptado, transformado ou totalmente modificado no futuro sem perder suas próprias características.

Sarpi Border Checkpoint / Jürgen Mayer. Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn
Sarpi Border Checkpoint / Jürgen Mayer. Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn

VB: Você pode citar um desses edifícios construídos na última década em qualquer lugar do mundo?

JMH: O 1111 Lincoln Road em Miami por Herzog & de Meuron [2010] cai nessa categoria. Em nossa imaginação, sua abertura e caráter esquelético permitem transformações futuras reais ou imaginárias. Ele continua sub-definido e, no entanto, é tão específico que você não vai esquecer depois de ter visto uma vez. E ativou seu entorno urbano. Nosso projeto para o Sarpi Border Checkpoint [2011] na fronteira da Geórgia com a Turquia, na costa do Mar Negro, tem potencial semelhante. É a articulação de uma maneira muito diferente de olhar para uma estação fronteiriça típica, que concebemos não como uma linha de separação entre dois países, mas como um ponto de encontro entre duas nações e dois povos, e aberta a muitas opções programáticas a evoluir, incluindo um popular destino de verão.

VB: Falando de seu trabalho, você costuma usar palavras como descobertas em potencial, mudanças sociais inventivas, críticas e discursos, padrões, metáforas e condições espaciais. Que outras palavras únicas você escolheria para descrever sua arquitetura?

JMH: Identidades, sensibilidades culturais, comunicação e colaboração, transferibilidade e economia.

Rest Stops Gori / Jürgen Mayer . Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn Metropol Parasol / Jürgen Mayer. Image © Nikkol Rot for Holcim Court of Justice / Jürgen Mayer. Image © Filip Dujardin JOH3 / Jürgen Mayer. Image © Ludger Paffrath Museum Garage Miami / Jürgen Mayer. Image © Miguel Guzman Museum Garage Miami / Jürgen Mayer. Image © Miguel Guzman Sarpi Border Checkpoint / Jürgen Mayer. Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn Sarpi Border Checkpoint / Jürgen Mayer. Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn Rest Stops Gori / Jürgen Mayer . Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn Cortesia de J. Mayer H.. ImageQueen Tamar Airport / Jürgen Mayer Sarpi Border Checkpoint / Jürgen Mayer. Image © Jesko Malkolm Johnsson-Zahn Cortesia de J. Mayer H.. ImageQueen Tamar Airport / Jürgen Mayer + 38

VLADIMIR BELOGOLOVSKY é o fundador da organização sem fins lucrativos sediada em Nova Iorque Curatorial Project. Formado como arquiteto na Cooper Union em Nova Iorque, ele escreveu cinco livros, incluindo Conversations with Architects in the Age of Celebrity (DOM, 2015), Harry Seidler: LIFEWORK (Rizzoli, 2014), e Soviet Modernism: 1955-1985(TATLIN, 2010). Entre suas numerosas exposições estão: Anthony Ames: Object-Type Landscapes at Casa Curutchet, La Plata, Argentina (2015); Colombia: Transformed (American Tour, 2013-15); Harry Seidler: Painting Toward Architecture (world tour since 2012); and Chess Game for Russian Pavilion at the 11th Venice Architecture Biennale (2008). Belogolovsky é o correspondente americano do jornal de arquitetura baseado em Berlim SPEECH e lecionou em universidades e museus em mais de 20 países.

A coluna de Belogolovsky, City of Ideas, introduz os leitores do ArchDaily às suas conversas mais recentes e contínuas com os arquitetos mais inovadores de todo o mundo. Essas discussões íntimas fazem parte da próxima exposição do curador com o mesmo título que originalmente foi estreada na Universidade de Sydney em junho de 2016. A exposição City of Ideas vai viajar para locais em todo o mundo para explorar conteúdo e projetos em constante evolução.

Sobre este autor
Vladimir Belogolovsky
Autor
Cita: Belogolovsky, Vladimir. "“A arquitetura acontece porque acreditamos em um futuro melhor”: uma conversa com Jürgen Mayer H" [“Architecture Happens Because We Believe in a Better Future”: An Interview with Jürgen Mayer H.] 09 Nov 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/905443/a-arquitetura-acontece-porque-acreditamos-em-um-futuro-melhor-uma-conversa-com-jurgen-mayer-h> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.