Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Ao projetar para idosos, não olhe para o passado

Ao projetar para idosos, não olhe para o passado

Quando o mundo passa por grandes mudanças (sejam elas sociais, econômicas, tecnológicas ou políticas), o mundo da arquitetura precisa se adaptar junto. Mudanças na política do governo, por exemplo, podem trazer novas oportunidades para a arquitetura prosperar, como o influxo de moradias sociais de alta qualidade que estão sendo projetadas atualmente em Londres. Os avanços tecnológicos são mais fáceis de perceber, mas as mudanças sociais têm tanto impacto sobre a indústria de arquitetura e os edifícios que projetamos.

Dominique Coulon & associés. Image © Eugeni Pons The Architect / LEVS architecten. Image © Marcel van der Burg, via Matthew Usher  Senior Center of Guangxi / Atelier Alter. Image Courtesy of Atelier Alter, via Matthew Usher Pilgrim Gardens / PRP . Image © Tim Crocker, via Matthew Usher + 33

O mesmo acontece com as alterações demográficas e estamos no meio de uma mudança monumental. Em 2015, 8,5% da população do mundo tinha 65 anos ou mais (617 milhões de pessoas). Prevê-se que este número aumente para 12% da população até 2030 e para 16,7% da população até 2050 [1]. Historicamente, essa porcentagem tem crescido constantemente, mas avanços dramáticos na medicina estão permitindo que as pessoas vivam mais, criando populações envelhecidas em todo o mundo. Esse problema é agravado em países onde a taxa de natalidade também é incrivelmente baixa, como é o caso do Japão. Temos que reavaliar como os idosos são tratados dentro da sociedade.

Ao pensar sobre o impacto dessas estatísticas, a suposição natural dentro do contexto da arquitetura é pensar em assistência médica, projetos hospitalares e cidades acessíveis. No entanto, isso negligencia um problema emergente e sério: a solidão e o isolamento social. No Reino Unido, 51% das pessoas com mais de 75 anos moram sozinhas, e 11% das pessoas mais velhas têm contato com amigos e familiares menos de uma vez por mês [2]. Resultados semelhantes ocorrem em toda a Europa.

A solidão crônica na população idosa é incrivelmente prevalente e um número significativo de estudos foi conduzido observando o impacto mensurável na saúde, como criando um maior risco de incapacidades, doenças cardíacas, derrames e demência. Os arquitetos podem ajudar a lidar com a solidão na fonte e ajudar a aumentar dramaticamente a qualidade de vida de uma parcela da população que está geralmente isolada. Este artigo explora como um bom projeto pode ajudar ainda mais nessa causa, como os arquitetos já combateram isso anteriormente e o que os líderes do setor estão fazendo agora.

Nos últimos anos, arquitetos e empreendedores começaram a repensar como a moradia para idosos deve ser tratada. Diversos painéis discutindo e estudando as necessidades do idoso moderno foram realizados, inclusive com o RIBA e New London Architecture. A nova abordagem apresenta propriedades modernas e sensíveis - exatamente o oposto da imagem tradicional. Nesses esquemas, parte da solução é tornar a moradia desejável para os moradores, independentemente dos gostos percebidos ou tradicionais. Viver em comunidades modernas para aposentados oferece uma oportunidade de engajamento e interação, ao mesmo tempo em que começa a eliminar esse estigma e permite que os moradores mantenham sua independência.

Pilgrim Gardens / PRP . Image © Tim Crocker, via Matthew Usher
Pilgrim Gardens / PRP . Image © Tim Crocker, via Matthew Usher

O Painel Habitacional de Habitação para Inovação (Housing our Ageing Population Panel for Innovation - HAPPI) foi originalmente realizado em 2009, e seus relatórios tornaram-se padrão na indústria. O relatório original de 2009 apresentava vários estudos de casos de alta qualidade em toda a Europa, e as questões subsequentes incluíam não apenas as conclusões do painel, mas guias para implementação. Os conselhos incluem desde a arquitetura (espaços generosos, luz natural e adaptabilidade para 'prontidão para atendimento') até o social (envolver-se positivamente com o público). É a última parte dessa faixa que é mais crucial e pode ser combinada com padrões arquitetônicos.

O PRP se tornou líder nesse campo e se baseia fortemente nos conselhos dos relatórios do HAPPI. Seu projeto Pilgrim Gardens ganhou vários prêmios entre 2012 e 2014 e apresenta vários recursos projetuais recomendados pelo HAPPI. Apartamentos de duas fachadas circundam espaços ajardinados comuns de paisagismo duro e macio, e uma colunata compartilhada atua como um espaço de circulação lenta. Portas embutidas de vidro permitem a utilização das varandas durante todo o ano.

Nursing and Retirement Home / Dietger Wissounig Architekten. Image © Paul Ott
Nursing and Retirement Home / Dietger Wissounig Architekten. Image © Paul Ott

Embora se concentre mais naqueles que necessitam de cuidados, a casa de saúde da Dietger Wissounig Architekten na Áustria emprega um efeito similar internamente e é incrivelmente leve, usando madeira para criar um ambiente suave e aconchegante. Corredores duplos empilhados são novamente evitados, permitindo que a circulação seja habitada socialmente como espaços convidativos.

Nursing and Retirement Home / Dietger Wissounig Architekten. Image Courtesy of Dietger Wissouning
Nursing and Retirement Home / Dietger Wissounig Architekten. Image Courtesy of Dietger Wissouning

O relatório também destaca a necessidade de espaço multiuso onde os moradores podem se encontrar e que poderia atuar como um centro para a comunidade local. No The Architect, em Utrecht, as residências para os idosos que necessitam de cuidados são costuradas no prédio com o restante da acomodação, juntamente com os espaços comuns e o berçário. Projetos semelhantes da Haptic na Noruega e do albergue de Witherford Watson Mann em Londres também enfatizam a necessidade de conexão social. Esses projetos compartilham espaços entre vizinhos, crianças em idade escolar e a comunidade local por meio de jardins, loteamentos, lojas e praças públicas.

The Architect / LEVS architecten. Image © Marcel van der Burg, via Matthew Usher
The Architect / LEVS architecten. Image © Marcel van der Burg, via Matthew Usher

As cidades começaram a reconhecer as necessidades em mudança de uma população que está envelhecendo. A "Campanha para acabar com a solidão (Campaign To End Loneliness)" estabeleceu uma estrutura de três métodos para abordar a questão multifacetada: intervenção individual, ação de vizinhança e uma abordagem de todo o sistema. Para ajudar a combater os desafios de maior escala, a cidade de Manchester tornou-se a primeira cidade amiga do idoso do Reino Unido [4], uma iniciativa da Organização Mundial de Saúde que várias cidades com visão de futuro em todo o mundo inscreveram-se. As principais prioridades da iniciativa incluem benefícios conhecidos como melhorias nos transportes, habitação e serviços de saúde, mas também destaca a necessidade de participação cívica.

Os arquitetos podem assumir um papel de liderança no design da nova política. Em Manchester, o "Age-Friendly Design Group" ajuda a projetar parques locais para serem mais amigáveis aos idosos, ouvir os idosos para informar boas práticas e publicar as diretrizes projetuais. Stephen Hodder, um ex-presidente do RIBA, disse que tais grupos abrem um “debate muito necessário sobre como podemos começar a moldar a paisagem de nosso ambiente construído para nossa velhice”.

Casa del Abuelo / Taller DIEZ 05. Image © Luis Gordoa, via Matthew Usher
Casa del Abuelo / Taller DIEZ 05. Image © Luis Gordoa, via Matthew Usher

Fora da escala da cidade, as soluções arquitetônicas também podem atender a diversas necessidades. Centros públicos de "day-stay", como a Casa del Abuelo no México, parecem particularmente populares (especialmente na Espanha e Portugal). O projeto de centros como estes é frequentemente impressionante e aberto, obscurecendo a distinção entre interior e exterior. Isso pode ser parcialmente atribuído aos climas temperados nos quais esses projetos estão localizados, mas a prevalência sugere uma abordagem emergente.

O centro sênior de Guangxi, na China, atende a uma população atipicamente grande e apresenta uma variedade de atividades e espaços para acomodar isso. A forma ondulada, revestida de brises de alumínio, inclui tudo, desde quadras de jogos e jardins a uma piscina coberta e salas para tênis de mesa. Este refúgio de atividade tenta envolver os idosos na atividade física ao lado dos espaços sociais.

 Senior Center of Guangxi / Atelier Alter. Image Courtesy of Atelier Alter, via Matthew Usher
Senior Center of Guangxi / Atelier Alter. Image Courtesy of Atelier Alter, via Matthew Usher

Um sucesso particular pode ser encontrado ao posicionar esses centros como hubs para as vizinhanças locais, em vez de simplesmente como estruturas de propósito único. Este método é semelhante ao The Architect em Utrecht. Isso pode incluir a proximidade de outros tipos de habitação (como no The Architect), mas também pode ser integrado a bibliotecas ou universidades. Um exemplo bem-sucedido é o da Biblioteca Sant Antoni - Joan Oliver Library, do escritório ganhador do Pritzker, RCR Arquitectes.

O projeto está situado em um dos quarteirões da cidade de Barcelona, em torno de um pátio central. A biblioteca forma a face pública do prédio e o elemento programático primário, parecendo estar suspenso entre dois prédios de apartamentos. O espaço da comunidade ocupa, então, uma parede do pátio e supervisiona o espaço público. Isso mantém o "espaço seguro" percebido, mas coloca-o firmemente em torno de um hub local, unificando o projeto em um bloco coerente.

Sant Antoni - Joan Oliver Library / RCR Arquitectes. Image © Eugeni Pons
Sant Antoni - Joan Oliver Library / RCR Arquitectes. Image © Eugeni Pons

Um método final é promover a interação entre os jovens e os idosos. Pode parecer uma estranha combinação de programas, mas pesquisas significativas estão sendo realizadas sobre isso e os centros que atualmente aceitam esses ideais e os oferecem de maneira segura.

No início deste artigo, o Japão foi considerado um dos países mais afetados pelo envelhecimento das populações. Aumentar a expectativa de vida e as mudanças sociais (levando as mães a trabalhar fora de casa) significou que os números de creches e centros de idosos / lares de idosos vem aumentando. Há claramente uma oportunidade de reestruturar a forma como os cuidados são prestados tanto para os jovens como para os idosos - algo que o Japão já faz há mais de 40 anos. Kotoen, um “yoro shisetsu” (instalação para crianças e idosos), em Tóquio, é a instalação integrada mais antiga de idade no Japão, inaugurada em 1976. Aqui, a interação corta nos dois sentidos: os idosos podem ser voluntários no berçário, crianças visitam as áreas comuns do lar, e ambos se juntam para eventos especiais.

JIKKA / Issei Suma. Image © Takumi Ota
JIKKA / Issei Suma. Image © Takumi Ota

Quando contíguos a casas de repouso, os benefícios desse arranjo fazem sentido. Ambos compartilham necessidades básicas: a provisão de refeições, a atividade física (no caso dos idosos, para mantê-los ativos e aptos) e os espaços comuns de socialização. Os benefícios para os idosos são bastante óbvios. O arranjo fornece companhia e atividade, trazendo a vida para um espaço que muitas vezes pode se tornar mundano. Mas também há notáveis benefícios sociais e de desenvolvimento para as crianças: ajuda a promover uma visão saudável e positiva do envelhecimento e ajuda a combater quaisquer preconceitos sobre os menos capazes.

Mount St. Vincent, uma casa de repouso em Seattle, administra um "Centro de Aprendizagem Intergeracional" e endossa benefícios semelhantes, afirmando que ajuda a fornecer uma perspectiva mais ampla da vida familiar para as crianças que não têm avós ativos em sua vida.

Surpreendentemente, há um impacto enorme e mensurável disso sobre a saúde física e mental dos idosos. O St. Monica’s Trust, em Bristol, abrigou um estudo sobre esses benefícios, medindo o impacto sobre os residentes durante um período de seis semanas. Ao final do estudo, 80% dos moradores melhoraram sua mobilidade e força de preensão, e 70% reduziram a pontuação na escala de depressão.

Então, como os arquitetos podem começar a promover essa ideia? O impacto sobre a solidão de alinhar esses programas juntos é incrível, mas a maioria dos exemplos em todo o mundo são orientados a atividades e eventos. Existe a oportunidade de desenvolver um novo tipo de edifício para abrigar este programa e melhor atender às necessidades dos jovens e idosos, em vez de tentar modernizar os espaços existentes. Nem os idosos nem as crianças querem viver em um ambiente sem graça, então adaptar o design criativamente para se adequar às características de seus usuários é uma oportunidade maravilhosa que raramente é dada.

London Almshouse / Witherford Watson Mann. Image Courtesy of Witherford Watson Mann
London Almshouse / Witherford Watson Mann. Image Courtesy of Witherford Watson Mann

Sobre este autor
Cita: Usher, Matthew. "Ao projetar para idosos, não olhe para o passado" [To Design for the Elderly, Don't Look to the Past] 30 Out 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/904924/ao-projetar-para-idosos-nao-olhe-para-o-passado> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.