IABsp anuncia a equipe curatorial da XII Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo

IABsp anuncia a equipe curatorial da XII Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo

O IABsp divulgou hoje a equipe vencedora do Concurso de Curadoria para a XII Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo. A equipe formada pelos arquitetos brasileiros Ciro Miguel, Vanessa Grossman e a francesa Charlotte Malterre-Barthes foram escolhidos pelo juri através da proposta intitulada Todo Dia.

"Hoje, após décadas de questionamento sobre a capacidade da arquitetura de cumprir seu mandato social e resistir às aporias políticas, econômicas e ambientais que a condicionaram historicamente, a despeito da vontade do arquiteto, o receio de que a disciplina seja suplantada pelas novas tecnologias de automação, exacerbam certo sentimento generalizado de impotência. Nesse cenário, arquitetos se voltam para as questões mais básicas sobre a arquitetura, suas técnicas e origens, dando origem a uma nova ética e estética da humildade, nas quais a vulnerabilidade da arquitetura diante das mudanças globais é tomada à letra. Mais de quinze anos depois do manifesto “Junkspace” de Rem Koolhaas, nota-se um movimento contínuo em direção ao ordinário, ao mundano, ao cotidiano, através da noção difusa de como a realidade mais trivial — aquela inscrita no cotidiano, o “todo dia” — pode contribuir para a produção da arquitetura e do urbanismo. Tendo em vista que, ao longo da última década, teorias contemporâneas do cotidiano começaram a impregnar as esferas da prática e da teoria da arquitetura, a proposta curatorial Todo Dia discute o cotidiano como a plataforma privilegiada para a investigação do esforço da arquitetura para permanecer relevante como atividade humana especializada no século XXI." Resumo da proposta Todo Dia apesentado pela equipe vencedora.

O júri composto por Adèle Naudé Santos, André Corrêa do Lago, Carla Juaçaba, Gabriela Leandro, Gloria Cabral, Lu Wenyu, Marisa Moreira Salles, Patricia Anahory, Thiago de Andrade e Wang Shu e, representando o IABsp, Fabiane Carneiro, Marcela Ferreira, Pedro Vada, avaliou as 13 propostas deferidas em duas fases. Na primeira fase, selecionou 4 propostas finalistas e na segunda, a proposta vencedora e a colocação de cada finalista.

As propostas finalistas tiveram a seguinte ordem de classificação:

  1. Proposta número 24, inscrita sob responsabilidade de Ciro Miguel, com título “Todo dia”
  2. proposta número 37, inscrita sob responsabilidade de Vanessa Raposo Mendes, com título “No lugar de”
  3. proposta número 27, inscrita sob responsabilidade de Gabriel Kogan, com título “Radiografias da produção do espaço”
  4. proposta número 29, inscrita sob responsabilidade de Francesco Perrotta Bosch, com título “[ ] civilização”

O juri avaliou as propostas finalistas da seguinte forma: 
"Proposta número 24, inscrita sob responsabilidade de Ciro Miguel, com título “Todo dia”: A proposta tem como virtude trazer a arquitetura a uma perspectiva da vida cotidiana de todos, o que atribui significação e legitimação à arquitetura. O tema proposto prioriza a vivência do espaço e dialoga com o contexto internacional, num processo que se propõe inclusivo, interdisciplinar e transgeracional.
Proposta número 27, inscrita sob responsabilidade de Gabriel Kogan, com título “Radiografias da produção do espaço”: A proposta apresenta um tema relevante ao revelar os processos e etapas de produção da arquitetura de forma integrada. De forma notável, propõe com isso um diálogo com público não especializado, ao mesmo tempo em que problematiza e discute temas críticos à disciplina.
Proposta número 29, inscrita sob responsabilidade de Francesco Perrotta Bosch, com título “[ ] civilização”: A proposta aborda temas de grande relevância na atualidade, que orbitam em torno do tema central “civilização”. A estratégia de localização da Bienal é promissora e os curadores demonstram-se empenhados e cuidadosos com a construção de uma Bienal inclusiva.
Proposta número 37, inscrita sob responsabilidade de Vanessa Raposo Mendes, com título “No lugar de”: A proposta é contundente e crítica ao endereçar temas geradores de grandes tensão no momento atual. Problematiza, no âmbito da disciplina, questões transversais a nossa sociedade. Além disso propõe um interessante diálogo com o público não-especializado."

Saiba mais sobre a equipe vencedora.

Cortesia de Ciro Miguel / Vanessa Grossman / Charlotte Malterre-Barthes
Cortesia de Ciro Miguel / Vanessa Grossman / Charlotte Malterre-Barthes

Ciro Miguel é arquiteto, artista gráfico e fotógrafo. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo e mestrado em Advanced Architectural Design pela Columbia University GSAPP. É professor assistente de projeto na ETH Zurich desde 2013. Foi sócio de Angelo Bucci / SPBR arquitetos nos períodos de 2003 a 2007 e 2010 a 2013, e arquiteto no escritório Bernard Tschumi Architects em Nova Iorque de 2008 a 2010. Como arquiteto e artista, participou de diversas exposições no Brasil e na Europa, incluindo as duas últimas edições da Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo e da Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza em 2016.

Vanessa Grossman é uma arquiteta, historiadora da arquitetura, escritora e curadora cujo trabalho se volta para as interseções da arquitetura com ideologia, poder e políticas governamentais. Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo, mestrado em História da Arquitetura pela Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne, e recentemente completou seu doutorado em História e Teoria da Arquitetura na Universidade de Princeton. Atualmente leciona na Universidade de Toronto, e foi selecionada pós-doutoranda em História e Teoria da Arquitetura, como uma dentre os dois primeiros pesquisadores do recém-criado Centro de Estudos Avançados em Arquitetura da ETH Zurich (posição diferida para 2019-2020). Grossman foi curadora assistente de La modernité, promesse ou menace?, o Pavilhão Francês da 14ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza em 2014, que recebeu Menção Especial do Júri, e co-curadora da exposição Une architecture de l’engagement: L’AUA (1960–1985) na Cité de l’architecture et du patrimoine em Paris (2015-2016), ambos juntamente com Jean-Louis Cohen.

Charlotte Malterre-Barthes é arquiteta, designer urbana, e acadêmica contemporânea. Depois de estagiar no Coop Himmelb(l)au, ela completou seu diploma magna cum laude na Escola Nacional Superior de Arquitetura de Marseille com o projeto de um Centro Social para Mulheres em Bagdá, abordando as dimensões políticas e sociais da arquitetura. Membro principal do escritório de design urbano OMNIBUS, Malterre-Barthes é diretora do MAS Urban Design na cátedra de Marc Angélil na ETH Zurich desde 2014. Ela completou seu doutorado na ETH Zurich com uma tese sobre 'Territórios Alimentares' e os efeitos da economia política alimentar no ambiente construído, com foco no Egito. Ela é coautora, com Marc Angélil, de Housing Cairo: The Informal Response (vencedor do prêmio DAM de 2016) e de Cairo Desert Cities (Berlin, Ruby Press). Malterre-Barthes é membro fundador do Parity Group, uma associação de base comprometida com a melhoria da igualdade de gênero na arquitetura.

Segundo consta no edital do concurso, para a decisão do juri ainda cabe recursos em até 5 dias úteis.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Equipe ArchDaily Brasil. "IABsp anuncia a equipe curatorial da XII Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo" 31 Ago 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/901189/divulgada-a-equipe-curatorial-da-xii-bienal-internacional-de-arquitetura-de-sao-paulo> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.