O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Olhar para edifícios pode causar dores de cabeça em algumas pessoas, segundo pesquisa

Olhar para edifícios pode causar dores de cabeça em algumas pessoas, segundo pesquisa

Olhar para edifícios pode causar dores de cabeça em algumas pessoas, segundo pesquisa
Olhar para edifícios pode causar dores de cabeça em algumas pessoas, segundo pesquisa, © Nikola Olic
© Nikola Olic

Arquitetura pode lhe dar uma dor de cabeça. Essa frase provavelmente não parece surpreendente para qualquer um que tenha lidado com o estresse de praticar ou estudar arquitetura, mas, cada vez mais, os psicólogos estão começando a entender que você não precisa trabalhar em projetos arquitetônicos de edifícios para causá-la. Em um interessante artigo publicado pela The Conversation, Arnold J. Wilkins, professor de psicologia da Universidade de Essex, discute como desconforto, dores de cabeça e até mesmo enxaquecas podem ser causadas ou agravadas simplesmente por observar certos estímulos visuais - linhas retas e padrões repetitivos de ambientes urbanos são apontados como os principais culpados.

Como Wilkins explica, nossos cérebros evoluíram para processar imagens do mundo natural. Seu artigo descreve uma série de maneiras de medir o quanto o cérebro trabalha para processar informações visuais, desde a modelagem de um sistema neural simples em um computador até a medição do uso de oxigênio do cérebro das pessoas quando estão olhando para as imagens. Em ambos os casos, as evidências sugerem que o cérebro trabalha com maior frequência para processar imagens de edifícios do que para processar cenas naturais. Em alguns casos, essa carga extra de trabalho pode causar-lhe desconforto físico, dor e até enxaquecas.

Mas o que há em ambientes urbanos que causam essa carga extra de trabalho? A pesquisa de Wilkins sugere que a resposta pode ser encontrada em uma ferramenta matemática conhecida como Análise de Fourier. O trabalho de Fourier é indiscutivelmente mais conhecido no contexto das comunicações modernas: os "uns e zeros" das transmissões digitais são na verdade compostos de uma superposição de ondas senoidais analógicas suaves, uma técnica que tem suas origens no trabalho de Fourier no início do século XIX.

No entanto, uma técnica semelhante pode ser aplicada às imagens. Assim como qualquer função matemática pode ser dividida em ondas senoidais, qualquer imagem pode ser decomposta em uma superposição de padrões listrados de diferentes larguras (ou "frequências") e posicionadas em diferentes ângulos. Você pode ver esse efeito no vídeo abaixo, onde diferentes conjuntos de listras são adicionados para reproduzir a Mona Lisa:

No entanto, embora um rosto humano e outras imagens naturais possam exigir a adição de uma série de conjuntos de faixas muito estreitas, a ruptura de Fourier de uma imagem de um edifício provavelmente será dominada por um pequeno número de padrões de faixa dominantes - normalmente, listras horizontais dos pisos e listras verticais de paredes e colunas. Wilkins descreve essa diferença da seguinte maneira:

Na natureza, como regra geral, componentes com baixa frequência espacial (faixas amplas) têm alto contraste e componentes com alta freqüência (faixas pequenas) apresentam menor contraste. Podemos chamar essa simples relação entre frequência espacial e contraste como "regra da natureza". Simplificando, as cenas da natureza têm listras que tendem a anular-se, de modo que, quando somadas, nenhuma faixa aparece na imagem.

É o impacto desses padrões de faixas monótonas que são a fonte de dores de cabeça e outros problemas discutidos. E infelizmente, tais padrões estão se tornando cada vez mais comuns no projeto arquitetônico. Wilkins destaca "listras em capachos, tapetes e degraus de escadas rolantes" ao lado de outros acabamentos interiores, mas à medida que os projetos de construção se tornam maiores e mais impulsionados pela eficiência estrutural e custo, os padrões repetitivos de listras estão se tornando mais comuns na própria estrutura dos edifícios. O instinto de um arquiteto também pode, às vezes, agravar esse problema, pois procuram expressar essa estrutura artisticamente.

Em sua conclusão, Wilkins sugere que "talvez seja hora de a regra da natureza ser incorporada ao software que é usado para projetar edifícios e escritórios". Mas antes que isso aconteça, talvez os arquitetos possam simplesmente considerar esse fenômeno com mais cuidado em seus projetos.

Clique aqui para ler o artigo de Arnold J Wilkins na The Conversation na íntegra.

Sobre este autor
Rory Stott
Autor
Cita: Stott, Rory. "Olhar para edifícios pode causar dores de cabeça em algumas pessoas, segundo pesquisa" [Just Looking at Buildings Can Give People Headaches—Here's How to Minimize the Problem] 11 Jul 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/898070/olhar-para-edificios-pode-causar-dores-de-cabeca-em-algumas-pessoas-segundo-pesquisa> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.