O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Projetos participativos relacionam-se mais a ligações humanas do que a questões econômicas

Projetos participativos relacionam-se mais a ligações humanas do que a questões econômicas

Projetos participativos relacionam-se mais a ligações humanas do que a questões econômicas
Projetos participativos relacionam-se mais a ligações humanas do que a questões econômicas, Portada Entrevista 'Al Borde Arquitectos'. Image
Portada Entrevista 'Al Borde Arquitectos'. Image

Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Francisco Suárez Cartas de Mujeres / Al Borde Arquitectos. Image Cortesía de Al Borde Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Esteban Cadena Construcción Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Pascual Gangotena + 11

Cúpula Internacional de Financiamento à Habitação 2018, organizada por INFONAVIT, reuniu especialistas de diferentes disciplinas que discutiram o futuro das cidades e as lições que aprendemos até hoje. Este evento, que ocorreu nos dias 2 e 3 de maio no Camino Real de Polanco, contou com personalidades renomadas que puseram em cima da mesa os processos de mudança nas cidades para avaliar os modelos urbanos que poderiam nos guiar em direção a um planejamento urbano integral.

Durante o evento, houve a participação do 'Al Borde Arquitectos' que tem materializado suas ideias em diferentes países da América Latina levando-os a receber diferentes prêmios e reconhecimentos. Em 2016, fizeram parte do comitê de indicação do Prêmio Mies Crown Hall Americas - MCHAP, além de formar a seleção oficial da Bienal de Veneza, que teve como tema 'Report from the Front'. Atualmente, eles estão entre os vencedores do concurso "Jovens Arquitetos da América Latina", um dos eventos colaterais da Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza.

Conversamos com David Barragán e Marialuisa Borja, dois dos fundadores do 'Al Borde Arquitectos' sobre o porquê desse tipo de evento ser relevante, nos contando sua experiência trabalhando em diferentes projetos de projetos participativos que abordam a disciplina a partir de uma perspectiva social. Continue lendo para ver a entrevista completa.

ArchDaily: Quão relevantes são esses eventos focados em questões de moradia?

Comedor de Guadurnar / Al Borde + Taller General
Comedor de Guadurnar / Al Borde + Taller General

David Barragán: Eu acho que a questão da habitação é fundamental, porque é o que é mais construído, é onde as economias de toda a vida são colocadas, portanto, é onde mais inovação é necessária para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Marialuisa Borja: É a questão central, há cada vez mais pessoas vivendo nas cidades, as casas determinam os deslocamentos, os serviços e as novas formas de viver; é hora de dialogar mais sobre essas questões para compartilhar experiências.

AD: Que pontos de encontro com outros países você acha que o México poderia retomar para construir cidades melhores?

Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Pascual Gangotena
Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Pascual Gangotena

DB: O espaço público é um tema interessante porque não é mais estranho ou novo, acredito que as cidades só mudarão se investirmos em bons sistemas de mobilidade pública e espaço público.

MB: Em geral, há projetos e problemas que os países da América Latina têm porque somos bastante parecidos, e é sempre bom rever outros projetos porque este exercício nos aproxima da compreensão de nossa realidade para trabalhar com o que temos, é importante expandir o panorama com países semelhantes aos nossos.

AD: Que lições pedagógicas você permite que trabalhem diretamente no site com o seu projeto ENOBRA?

Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Esteban Cadena
Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Esteban Cadena

DB: ENOBRA é um projeto que nasce de querer nosso próprio espaço acadêmico onde pudéssemos fazer os testes que nos interessam. Acreditamos que é importante que realizemos esse trabalho de todas as frentes para trabalhar nos espaços que são relegados, essa é a dívida que encontramos e foi assim que aprendemos. Metodologicamente representa uma aposta para encontrar casos reais onde podemos produzir de forma colaborativa, é por isso que convidamos pessoas a realizar workshops de todos os tipos possíveis.

MB: Na prática, os papéis e hierarquias de aluno, professor e cliente que estamos acostumados a ter começam a mudar. Há muitas coisas que começam a desconstruir, isso nos leva a procurar novos caminhos e significados, os termos começam a desaparecer, é uma incerteza bastante peculiar.

AD: Vocês são um escritório internacionalmente reconhecido por trabalhar com comunidades e em questões de 'arquitetura social', como podemos aplicar essa prática em grandes cidades como a Cidade do México, que também são vulneráveis a fenômenos naturais como o passado S19?

Construcción Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Pascual Gangotena
Construcción Escuela Nueva Esperanza / Al Borde. Image © Pascual Gangotena

DB: A primeira e mais importante coisa é deixar de ver que há "arquitetura social" e "arquitetura não-social". As estratégias que propomos podem ser extrapoladas para qualquer território, temos que tentar nos reinventar desde todas as frentes, porque ambas as cidades e suas periferias e áreas rurais precisam de um mecanismo de ação para aumentar a qualidade de vida.

Por exemplo, colaboramos com a expansão da casa dos avós de um de nossos sócios e ficou claro que o projeto participativo estava diretamente relacionado aos laços humanos e familiares, não necessariamente com questões econômicas. Foi um projeto que partiu da ideia de entregar um legado inverso aos avós, que deram tudo para seus filhos e netos, que agora estavam encarregados de construir um espaço para eles. Queríamos entender a dimensão simbólica do ato de construir e percebemos que o espaço passou a ser habitado não quando o trabalho estava terminado, mas a partir do momento em que toda a família começou a construir esse espaço. Talvez assim puderíamos extrapolar esses processos.

MB: Não existem fórmulas pré-estabelecidas, sempre teremos problemas para resolver nas cidades, por isso seguimos em frente e trabalhamos com o que temos naquele momento. É por isso que a condição do particular é importante para nós aprendermos com países que tiveram experiências com fenômenos naturais como o México para olhar ao nosso presente e agir.

AD: O que contribuiu para a sua prática de trabalhar no projeto 'Cartas de Mujeres' em colaboração com a ONU Mulheres?

Cartas de Mujeres / Al Borde Arquitectos. Image Cortesía de Al Borde
Cartas de Mujeres / Al Borde Arquitectos. Image Cortesía de Al Borde

MB: Este projeto nos fez pensar sobre o feminino como um espectro gigante que abrange muitos tópicos, não apenas mulheres. O objetivo era projetar uma série de dispositivos que servissem para escrever cartas e compartilhar experiências no espaço público, foi um exercício que evidenciou a diversidade que habitamos para nos aproximarmos do mundo complexo. Ultimamente eu gosto de pensar em cidades que são inclusivas com todas as pessoas menos favorecidas que não se sentem identificadas. Acho que devemos repensar o termo das cidades seguras e propor estratégias para todas essas pessoas que não se sentem incluídas a partir de uma visão econômica, do espaço público e de todos os direitos que deveríamos ter como cidadãos.

Cartas de Mujeres / Al Borde Arquitectos. Image Cortesía de Al Borde
Cartas de Mujeres / Al Borde Arquitectos. Image Cortesía de Al Borde

DB: Eu acho que a coisa mais interessante sobre 'Cartas de Mujeres' é a maneira pela qual um pensamento coletivo foi construído. Eles nos convidaram assim que tiveram a ideia, nós éramos um grupo de psicólogos, sociólogos, etc. e, a partir de diferentes perspectivas, discutiu-se como seria essa campanha, que foi modelada ao longo do tempo, contribuindo com idéias de diferentes perspectivas para construir o que foi e o que desencadeou. Essa foi a coisa mais interessante: a construção coletiva.

Conheça o trabalho de Al Borde Arquitectos aqui.
Conheça mais detalhes sobre 'La Cumbre Internacional de Financiamiento a la Vivienda' organizada por INFONAVIT aqui.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Mónica Arellano
Autor
Cita: Arellano, Mónica. "Projetos participativos relacionam-se mais a ligações humanas do que a questões econômicas" [Al Borde Arquitectos 'El diseño participativo está relacionado más con los vínculos humanos que con cuestiones económicas'] 22 Mai 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/894921/projetos-participativos-relacionam-se-mais-a-ligacoes-humanas-do-que-a-questoes-economicas> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube