O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Arquitetura De Escritórios
  4. Estados Unidos
  5. Frank Lloyd Wright
  6. 1950
  7. Clássicos da Arquitetura: Torre de Pesquisas SC Johnson Wax / Frank Lloyd Wright

Clássicos da Arquitetura: Torre de Pesquisas SC Johnson Wax / Frank Lloyd Wright

Clássicos da Arquitetura: Torre de Pesquisas SC Johnson Wax / Frank Lloyd Wright
Clássicos da Arquitetura: Torre de Pesquisas SC Johnson Wax / Frank Lloyd Wright, © Ezra Stoller/Esto
© Ezra Stoller/Esto

A próxima vez que você sentir o aroma de um purificador de ar Glade ou espantar mosquitos irritantes com um repelente Off!, pense em Frank Lloyd Wright. Seu edifício para a Torre de Pesquisas para a empresa SC Johnson, de 1950, em sua sede em Racine, Wisconsin, foi o lar da invenção de muitos produtos históricos.

Vista da torre durante a construção. Image © SC Johnson Grande claraboia acima da área de recepção do departamento de publicidade. Image © Ezra Stoller/Esto Clássicos da Arquitetura: Torre de Pesquisas SC Johnson Wax / Frank Lloyd Wright Clássicos da Arquitetura: Torre de Pesquisas SC Johnson Wax / Frank Lloyd Wright + 35

Um compromisso corporativo com a inovação combinado com a propensão de Wright a projetos visionários, produziu uma estrutura pioneira e desafiadora. Expansão da sede da empresa adjacente ao Edifício Administrativo projetado por Wright na década anterior, o projeto da torre ampliou as visões do arquiteto aos espaços de trabalho modernos e os sistemas estruturais biomiméticos. Lajes em balanço a partir de um núcleo em concreto armado, com camadas de tijolos e tubos de vidro cristalino encerram os espaços laboratoriais. Reverentemente mantido, ainda que não utilizado atualmente pela empresa SC Johnson, a torre pode ser considerada tanto uma forma perseguida à custa da função ou uma realização arquitetônica ousada.

Vista da torre de pesquisa e do edifício administrativo. Image © Ezra Stoller/Esto
Vista da torre de pesquisa e do edifício administrativo. Image © Ezra Stoller/Esto

Dez anos após a conclusão do edifício administrativo SC Johnson, iniciou-se a construção na Torre de Pesquisa e Desenvolvimentos, uma vez que a empresa exigiu laboratórios para esse departamento emergente. Apesar dos ensaios durante a construção e manutenção do Edifício da Administração, o líder da terceira geração, Herbert Fisk Johnson e Wright, formaram uma relação estreita, facilitando a liberdade projetual sem precedentes ao arquiteto. Johnson antecipou um edifício "em que a beleza e a função fossem tão espetacularmente combinadas, [que isso] seria uma inspiração para os homens e mulheres que trabalhassem nele".

Para Wright, os Edifícios Johnson representam uma ruptura com o estilo Pradaria, infundindo a estética do moderno em seu vocabulário materialmente rico e leve.

Vista da conexão da ponte da construção da administração à torre. Image © Ezra Stoller/Esto
Vista da conexão da ponte da construção da administração à torre. Image © Ezra Stoller/Esto

Conectado ao Edifício Administrativo por uma passarela, a Torre de Pesquisas sobe 46 metros acima do solo e 16 metros para o subsolo. A sede está localizada em Racine, em meio a fábricas de cera e tintas, casas de cinema, lojas e residências. Como o lote urbano não possuía um contexto natural tão valioso por Wright, as conexões visuais e físicas com o entorno são mínimas. A entrada principal para a torre está localizada perto da garagem, sob o prédio. Depois de subir por um elevador cilíndrico para o segundo nível, uma ponte esbelta protegida em um arco de tubos de vidro conduz o caminho até os espaços de laboratórios.

O volume vertical compacto e serpenteante sobe em contradição à horizontalidade expansiva do edifício administrativo. Ao contrário da enorme sala cavernosa, as lajes de piso mínimas e o pé-direito baixo criam um espaço comprimido. O prédio administrativo, com seus tijolos impenetráveis, isola os trabalhadores dentro de um salão hipostilo. A proporção de sólidos e translúcidos com as faces de tijolos, em grande parte brancos, do edifício da administração dão lugar a grandes porções cristalinas na torre.

A torre iluminada à noite.. Image © SC Johnson
A torre iluminada à noite.. Image © SC Johnson

No entanto, ambos os edifícios são cortados do mundo exterior e articulam a fachada como invólucros independentes da estrutura. Embora as paredes predominantemente de vidro captem ampla quantidade de luz e funcionem como um farol brilhante durante a noite, a construção do tubo distorce a visão por dentro e por fora. Para os ocupantes do prédio, o mundo exterior equivale a cores e massas variáveis indistinguíveis.

Ao deixar o primeiro andar da torre erodido, Wright revela a singularidade do suporte estrutural da torre. Os escritórios do segundo e terceiro andar, bem como um terraço na cobertura, flutuam em colunas dendriformes.

Um núcleo compacto de troncos de tubos conjugados fornece todos os serviços de construção para suportar espaços de laboratório: banheiros, circulação, fornecimento e retorno de ar, eletricidade, água, gás, ar comprimido, dióxido de carbono ou nitrogênio, vapor e corrente elétrica direta e alternada. Assim, a forma da torre minimizou o comprimento das distâncias de distribuição de utilidade em comparação a um edifício baixo convencional.

Vista da torre durante a construção. Image © SC Johnson
Vista da torre durante a construção. Image © SC Johnson

Em corte, cada laje diminui sua espessura em direção à fachada, refletindo a redução das forças de cisalhamento e momento do balanço enquanto também faz eco da forma dos capitais da coluna dendrífera. O edifício alterna entre pisos circulares menores e outros quadrados com bordas finas que se estendem até a envoltória.

Vista de espaços de laboratório de pé-direito duplo. Image © SC Johnson
Vista de espaços de laboratório de pé-direito duplo. Image © SC Johnson

O espaço residual torna-se um volume de pé-direito duplo, conectando dois andares. A borda da laje gira para formar uma parede de concreto armado revestida de tijolos. Estas paredes sólidas de 1,25 metros de altura coordenam com as marcenarias que tocam os perímetros da edificação. Wright trabalhou em estreita colaboração com cientistas na instalação de mobiliário dentro dos laboratórios.

© Ezra Stoller/Esto
© Ezra Stoller/Esto

Como todos os outros pisos são um mezanino voltado para a parede exterior, os tubos Pyrex cobrem a altura de dois andares entre painéis de tijolos. A escala superdimensionada resultante também abstrai a leitura do exterior. Quando as condições de iluminação revelam a silhueta das lajes intermediárias, a torre aparece como um aparato mecânico cristalino. Os tubos Pyrex são estruturados em suportes de alumínio com cabos, e uma placa interna de linhas de vidro no exterior. Os vazamentos causados pelas falhas nas juntas de neoprene entre os tubos foram uma questão persistente até que um novo selante fosse desenvolvido.

A Torre de Pesquisa recebeu ampla cobertura da mídia e avaliações positivas durante o projeto e após a conclusão. A arquitetura, bem como o interesse geral e as publicações comerciais apresentaram o edifício, assim como duas exposições MOMA durante a década de 1950.

No entanto, os ocupantes do edifício deram uma avaliação mais heterogênea. A natureza vertical da torre quase impedia a interação casual, e um elevador lento desencorajava a parada em todos, os pavimentos exceto para os colegas mais imediatos. Além disso, a altura do teto extremamente baixa próxima ao núcleo estava em conflito com o uso dos equipamentos. À medida que o número de funcionários e equipamentos de produção de calor aumentaram ao longo dos anos, o prédio tornou-se difícil de aquecer e resfriar. As paredes do tubo de vidro vazavam, mas eram "capazes de criar um efeito visual maravilhoso".

Vista do pequeno elevador redondo. Image © Ezra Stoller/Esto
Vista do pequeno elevador redondo. Image © Ezra Stoller/Esto

Em 1982, a SC Johnson abriu outra instalação para abrigar seu departamento de pesquisa em expansão. A torre estava quase abandonada devido a problemas de segurança - a evacuação em caso de emergência seria muito difícil com apenas uma pequena escadaria. No entanto, a empresa manteve meticulosamente a visão e os detalhes de Wright. Em 2013, a edificação foi submetida a reformas, substituindo mais de 21.000 tijolos e 5.800 tubos Pyrex. Três níveis dos quinze estão atualmente em uso como escritório e espaços de exibição. Como as atualizações para atender aos códigos de construção comprometeriam o projeto de Wright, a empresa não tem planos de converter os pisos remanescentes em espaços de escritório utilizáveis. A partir de maio de 2014, a torre foi novamente aberta a visitas públicas.

A cerimônia de remate da Torre em 15 de outubro de 1949. Jake Stocker, o supervisor de construção, está à direita.. Image © SC Johnson
A cerimônia de remate da Torre em 15 de outubro de 1949. Jake Stocker, o supervisor de construção, está à direita.. Image © SC Johnson

A Torre de Pesquisa, juntamente com o Edifício Administrativo, consta no Registro Nacional de Lugares Históricos.

Para mais informações sobre Frank Lloyd Wright ou agendar uma visita à torre.

Referências:

Lipman, Johnathan. Intro by Kenneth Frampton. Frank Lloyd Wright and the Johnson Wax buildings. New York: Rizzoli: 1986.
Siry, Josepth.  “Frank Lloyd Wright's innovative approach to environmental control in his buildings for the S.C. Johnson Company.” Construction history: journal of the Construction History Group 28, no. 1 (2013):141-164
Bernstein, Fred A.  “A Masterpiece, With Shortcomings.”  Architectural Record. 21 de Abril de 2014. Accessado em http://archrecord.construction.com/news/2014/04/140421-A-Masterpiece-With-Problems.asp

Cita: Miller, Michelle. "Clássicos da Arquitetura: Torre de Pesquisas SC Johnson Wax / Frank Lloyd Wright" 10 Jul 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/873080/classicos-da-arquitetura-torre-de-pesquisas-sc-johnson-wax-frank-lloyd-wright> ISSN 0719-8906