O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Arquitetura Residencial
  4. Espanha
  5. Ricardo Bofill Taller de Arquitecturas
  6. 1968
  7. Clássicos da Arquitetura: Castelo de Kafka / Ricardo Bofill Taller de Arquitecturas

Clássicos da Arquitetura: Castelo de Kafka / Ricardo Bofill Taller de Arquitecturas

Clássicos da Arquitetura: Castelo de Kafka / Ricardo Bofill Taller de Arquitecturas
Clássicos da Arquitetura: Castelo de Kafka / Ricardo Bofill Taller de Arquitecturas, © Ricardo Bofill
© Ricardo Bofill

Implantado sobre um monte com vista à costa mediterrânica espanhola, há uma estrutura estranha que poderia ser facilmente confundida com uma vasta pilha de blocos esquecidos. O Castelo de Kafka, construído em 1968, foi um dos primeiros projetos concluídos por Ricardo Bofill, arquiteto espanhol pós-moderno conhecido por edifícios de apartamento tão monumentais quanto provocativos. Enquanto seu trabalho posterior tenha se voltado ao historicismo pós-moderno, o castelo modular e matematicamente derivado de Kafka foi um rompimento descarado de qualquer tradição local ou global.

© Ricardo Bofill © Ricardo Bofill © Ricardo Bofill Uma vez que o modelo físico do castelo de Kafka foi terminado, RBTA controlado condensar toda a informação de construção necessária em somente cinco desenhos. Imagem © Ricardo Bofill + 19

© Ricardo Bofill
© Ricardo Bofill
Com amenidades, incluindo uma piscina, bar e vários restaurantes, Castelo de Kafka é muitas vezes referido não como um complexo de apartamentos, mas como um resort. Imagem © Ricardo Bofill
Com amenidades, incluindo uma piscina, bar e vários restaurantes, Castelo de Kafka é muitas vezes referido não como um complexo de apartamentos, mas como um resort. Imagem © Ricardo Bofill

Ricardo Bofill, nascido em Barcelona em 1939, estudou arquitetura na Escuela Técnica Superior de Arquitectura em sua cidade natal e na Université de Genève na Suíça antes de retornar à Espanha para iniciar seu escritório. Criou uma equipe multidisciplinar chamada Taller de Arquitectura ("Oficina de Arquitetura") em 1960 e, ao final da década, havia projetado vários complexos de apartamentos. Cada projeto de Ricardo Bofill Taller de Arquitectura (RBTA) explorava um tema comum: o efeito do projeto espacial na interação humana. [1] Bofill também demonstrou uma predileção em relação a referências poéticas e literárias em sua obra - incluindo o Castelo de Kafka [2].

Neste projeto, um romance inacabado publicado após a morte do autor Franz Kafka, em que um protagonista conhecido apenas como K chega em uma vila dominada, tanto visual como governamentalmente, por um castelo nas proximidades. K afirma ter sido apontado como um agrimensor pelos governantes do castelo, mas como relatado na história, suas tentativas de ser reconhecido por esta autoridade inacessível colidem com a obstinação dos aldeões e a arrogância dos funcionários locais. Embora não escrito, no final, Kafka pretendia ver K finalmente recebendo uma autorização para ficar, após exaurir seus esforços, literalmente, deixando-o em seu leito de morte. [3]

Cada aspecto do projeto do castelo, incluindo sua localização, era ditado por fórmulas matemáticas. Imagem © Ricardo Bofill
Cada aspecto do projeto do castelo, incluindo sua localização, era ditado por fórmulas matemáticas. Imagem © Ricardo Bofill

Dada a sua aparência fragmentada, não é imediatamente discernível por que Bofill escolheria nomear o Castelo de Kafka por um romance que retrata a burocracia levada aos seus extremos lógicos. Isso poderia ser simplesmente uma denominação irônica, mas o fato é que há um método para a aparente loucura no projeto do edifício. A distribuição das numerosas unidades estruturais cúbicas que compõem o castelo não é aleatória, mas ditada por equações: uma determina quantos módulos se conectam aos dois eixos de circulação vertical, enquanto outra determina a altura das espirais das unidades envolvendo os eixos. As equações são aplicadas a cada núcleo vertical e suas saídas mesclam-se em um único edifício, a síntese das duas criando condições espaciais únicas que engana os cálculos meticulosos de que eles foram derivados. [4]

© Ricardo Bofill
© Ricardo Bofill
As mudanças da fachada marcaram os limites entre os módulos em cada unidade de apartamento. Imagem © Ricardo Bofill
As mudanças da fachada marcaram os limites entre os módulos em cada unidade de apartamento. Imagem © Ricardo Bofill

Junto com apartamentos residenciais, o Castelo de Kafka inclui uma piscina, sauna, bar e vários restaurantes. Nesse sentido, embora seu desenho formal fosse uma clara ruptura com a tradição espanhola, o complexo não é programaticamente atípico. O conceito de módulos habitacionais agrupados em torno de um núcleo vertical também não era único - aproximadamente na mesma época em que Bofill estava projetando o Castelo de Kafka, Moshe Safdie estava utilizando uma abordagem similar para seu Habitat '67 em Montreal, Canadá. [5]

No total, há noventa habitações de apartamentos brotando dos dois núcleos de circulação. Metade de cada unidade é suportada pela mesma alvenaria que compõe esses núcleos; a outra metade, que se projeta no espaço, é apoiada por dois pilares de aço. As próprias unidades são construídas em lajes de cerâmica em balanço, estruturadas em wood frame e cobertas em estuque. Apesar de parecerem como elementos independentes conectados a um núcleo central, nenhum dos módulos cúbicos é realmente estruturalmente auto-suficiente; sua padronização, no entanto, permitiu maior facilidade de construção. [6]

Uma vez que o modelo físico do castelo de Kafka foi terminado, RBTA controlado condensar toda a informação de construção necessária em somente cinco desenhos. Imagem © Ricardo Bofill
Uma vez que o modelo físico do castelo de Kafka foi terminado, RBTA controlado condensar toda a informação de construção necessária em somente cinco desenhos. Imagem © Ricardo Bofill

Cada apartamento compreende um agrupamento de múltiplos cubos, cada um dos quais contém um ou dois elementos espaciais ou programáticos importantes dentro do todo o coletivo: por exemplo, um módulo pode conter um banheiro e um dormitório, enquanto seu vizinho adjacente contém as áreas de estar e de jantar. Os vários módulos de uma unidade de apartamento se conectam em alturas variadas, trazendo a variedade espacial do exterior para os espaços habitacionais. [7]

A estratégia formal incomum do Castelo merecia uma abordagem igualmente incomum para o processo de construção. Depois que um modelo físico do projeto foi produzido, RBTA ajustou-se para trabalhar em um novo método de graficação e apresentação, destilando a informação o máximo possível, enquanto ainda permitisse que os construtores compreendessem o projeto. Graças à padronização dentro das fórmulas de base do edifício, o escritório foi capaz de dispensar as pilhas de desenhos normalmente vistos nos projetos executivos e utilizar apenas cinco pranchas: um desenho principal e imagens complementares esclareciam as variações dos módulos de apartamento. Quaisquer decisões de projeto não especificadas nesses poucos documentos foram esclarecidas no local. [8]

© Ricardo Bofill
© Ricardo Bofill

O mundo mudou desde 1968, e o Castelo de Kafka mudou com ele. Antes implantado sozinho em sua colina à beira-mar, a estrutura imponente agora compartilha seus arredores com um bairro inteiro de edifícios de apartamentos e residências unifamiliares. Sua fachada multifacetada, uma vez pintada em tons de azul, agora exibe um tom creme pálido. Mas, o que quer que tenha mudado o tempo, o castelo continua a ser um objeto de fascínio para aqueles que vêem sua forma incomum silhueta contra o céu espanhol - tão cativante e misterioso como o castelo literário para o qual é nomeado.

© Ricardo Bofill
© Ricardo Bofill
© Ricardo Bofill
© Ricardo Bofill

Referências

[1] Sennott, Stephen. Encyclopedia of 20th Century Architecture. New York: Fitzroy Dearborn, 2004. p152.
[2] Kruft, Hanno-Walter, and Ronald Taylor. A History of Architectural Theory: from Vitruvius to the Present. New York, NY: Princeton Architectural Press, 2014. p446.
[3] "The Castle." Encyclopædia Britannica. 27 de Maio de 2016. [link].
[4] Sennott, p152.
[5] Kroll, Andrew. "AD Classics: Kafka Castle / Ricardo Bofill." ArchDaily. 21 de Março de 2011. [link].
[6] "Kafka's Castle Apartment building." Ricardo Bofill Taller de Arquitectura. Acessado em 31 de Março de 2017. [link].
[7] Kroll.
[8] “Kafka’s Castle Apartment building.”

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Ricardo Bofill Taller de Arquitecturas
Escritório
Cita: Fiederer, Luke. "Clássicos da Arquitetura: Castelo de Kafka / Ricardo Bofill Taller de Arquitecturas" [AD Classics: Kafka's Castle / Ricardo Bofill Taller de Arquitecturas] 22 Mai 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/871800/classicos-da-arquitetura-castelo-de-kafka-ricardo-bofill-taller-de-arquitecturas> ISSN 0719-8906