Clássicos da Arquitetura: Biblioteca da Universidade de Cottbus / Herzog & de Meuron

Clássicos da Arquitetura: Biblioteca da Universidade de Cottbus / Herzog & de Meuron

No topo de uma colina solitária em meio a um platô residencial genérico em Brandenburg, Alemanha, está a estrutura branca leitosa da Biblioteca da Universidade de Cottbus (IKMZ), projetada pelo dupla de arquitetos Herzog e de Meuron. Concluída em 2004, a biblioteca tornou-se um marco instantâneo para a universidade, a cidade e a região; O edifício, ícone inovador, contemporâneo e, sobretudo, ocidental, encapsulou a progressiva democratização do conhecimento que se esforçava para seguir a queda da Cortina de Ferro na antiga Deutsche Demokratische Republik - DDR, bem como a promessa de um futuro melhor através da perspectiva do ensino superior e modernização.

+ 25

© Gili Merin

Localizada na relativamente desconhecida cidade alemã de Cottbus, a biblioteca foi a última peça concluída da Universidade de Tecnologia de Brandenburg, uma antiga escola de engenharia de construção fundada durante a DDR e restabelecida como universidade em 1991, após a reunificação alemã. Localizado no meio caminho entre o campus universitário e a cidade, a biblioteca e centro de mídia -que contém mais de 750 periódicos, 22.000 revistas eletrônicas, 10.000 e-books e 600 estações de trabalho- serve a alunos, professores e cidadãos de toda a região. A proximidade conjunta dos meios de comunicação e das instalações de armazenamento, tradicionalmente mantidas à parte, concedeu ao edifício o prestigioso prêmio "Biblioteca do Ano" em 2006; O edifício foi elogiado pelo júri como um "conceito inovador e integrado de informação e fornecimento de mídias".

© Gili Merin

O processo de concepção da IKMZ, uma nova instalação para um instituto revivido, foi conduzido como uma experiência arquitetônica para separar o edifício de sua bagagem histórica, livrá-lo de suas restrições arquitetônicas e incorporar um novo paradigma de biblioteca. Como tal, o projeto abraça e materializa o contraste; por exemplo, o conceito de uma biblioteca como um lugar de reflexão solitária, bem como um lugar para a comunicação e conversa aberta. Esta tensão materializa-se na envoltória contrastante e o interior: o exterior assume uma forma orgânica semelhante a uma ameba, enquanto a grade estritamente ortogonal do interior das prateleiras de livros cria salas de leitura de diferentes tamanhos e funcionais que garantem a privacidade. Esta tensão é ainda mais implicada pelo esquema de cores do interior; as salas de leituras brancas e de tons de cinza estão em contraste com os quase-psicodélicos rosa, magentas e verdes das áreas de armazenamento.

© Gili Merin

A estrutura de concreto armado de sete pavimentos é apoiada por pilares redondos e três núcleos principais. Cada andar é ligeiramente diferente daquele abaixo; os espaços variam de pé-direito - de espaços baixos confidenciais e quietos, a locais com pés-direitos de seis pavimentos com a iluminação penetrando através da fachada envidraçada. Padrões de alfabetos são pontilhados em folhas de vidro e sobrepostos para criar uma mensagem ilegível. Isso é tanto simbólico - da vasta quantidade de conhecimento contido dentro da instalação - como funcional: permite que a luz natural seja filtrada e se espalhe para as salas de leitura.

© Gili Merin

O ponto focal da biblioteca, e talvez sua característica mais impressionante (encontrada geralmente em projetos recentes de Herzog & de Meuron) é a escadaria espiral brilhantemente colorida, centralizada como uma escultura cilíndrica independente. Com um diâmetro de seis metros, a escada permite um fluxo rápido de visitantes, um espaço de mediação para pequenas conversas e um marco orientador na planta aparentemente arbitrária da biblioteca, que é, de fato, resultado do estudo cuidadoso dos arquitetos sobre os fluxos de circulação.

Diagrama

Em uma pesquisa realizada em 2009, a IKMZ foi entendida como um lugar onde seus usuários se sentem "alegres e refrescados" com "uma maior sensação de bem-estar" [2] - os resultados são o testamento do sucesso do projeto. A biblioteca, um pouco incomum em sua localização e aparência, atua não apenas como um marco arquitetônico e símbolo da região, mas também como um paradigma novo e eficaz para o projeto de bibliotecas - permitindo solitários lugares de concentração e abertura, com espaços de interação e criatividade em constante evolução, coexistindo com sucesso.

© Franziska Hoffman

[1]  Apresentado pela Associação Alemã de Bibliotecas e ZEIT-Stiftung Ebelin und Gerd Bucerius, uma fundação dedicada à promoção da pesquisa e do conhecimento, das artes e da cultura, da educação e do ensino

[2] Dufter, Michael (2009). Bibliothek als Ort der Ruhe und Konzentration – Bibliothek als Ort der: Arbeit und Kommunikation. Technische Universität Dresden, Diplomarbeit, 2009. Kurzfassung u. d. T. Accessed via “The Adventure of the ICMC/IKMZ Building of Cottbus” by Andreas Degkwitz, Director of the ICMC/IKMZ Cottubs, Germany.

  • Arquitetos: Herzog & de Meuron; Herzog & de Meuron
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área :  12
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano :  2004
  • Fotógrafo
    Fotografias :Gili Merin

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Brandenburgische Technische Universität Cottbus-Senftenberg, 03046 Cottbus, Alemanha

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: Merin, Gili. "Clássicos da Arquitetura: Biblioteca da Universidade de Cottbus / Herzog & de Meuron" [AD Classics: Cuttbus University Library / Herzog & de Meuron] 06 Fev 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/804712/classicos-da-arquitetura-biblioteca-da-universidade-de-cottbus-herzog-and-de-meuron> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.