O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Entrevista com Álvaro Siza: "A beleza é o auge da funcionalidade!"

Entrevista com Álvaro Siza: "A beleza é o auge da funcionalidade!"

Entrevista com Álvaro Siza: "A beleza é o auge da funcionalidade!"
Entrevista com Álvaro Siza: "A beleza é o auge da funcionalidade!", Fundação Iberê Camargo. Image
Fundação Iberê Camargo. Image

Ao longo dos 60 anos de carreira, o trabalho de Álvaro Siza tem desafiado continuamente a categorização - sendo várias vezes descrito como "regionalismo crítico" e "modernismo poético", sem captar a verdadeira essência da arquitetura intuitiva de Siza. Nesta entrevista, a mais recente da série "City of Ideas" de Vladimir Belogolovsky, Siza discute essas tentativas de categorizar seu trabalho, sua abordagem de projeto e o papel da beleza em suas obras.

Vladimir Belogolovsky: Seu aluno, Eduardo Souto de Moura, disse: "As casas de Siza são como gatos dormindo ao sol".

Álvaro Siza: [Risos.] Sim, ele queria dizer que meus edifícios assumem as posturas mais naturais do local. Há também uma referência ao corpo humano.

Auditorium Theatre of Llinars del Valles . Image Estação de Bombeiros em Santo Tirso. Imagem © Joao Morgado - Architecture Photography The Building on the Water / Álvaro Siza + Carlos Castanheira. Image Casa de Chá Boa Nova. Imagem © Samuel Ludwig + 33

Piscinas Leça da Palmeira. Imagem © Wikimedia user Christian Gänshirt sob licença CC BY-SA 4.0
Piscinas Leça da Palmeira. Imagem © Wikimedia user Christian Gänshirt sob licença CC BY-SA 4.0

VB: Você acha que é importante ou mesmo possível para um arquiteto explicar seu trabalho e processo em uma conversa como a que estamos tendo agora?

AS: Eu acho que sim. Talvez no caminho errado [Risos.] Eu gosto de explicar meu trabalho. Quando me pedem para apresentar uma palestra, sempre escolho falar sobre um projeto em particular porque gosto de explicar como as ideias surgem.

Casa de Chá Boa Nova. Imagem © Samuel Ludwig
Casa de Chá Boa Nova. Imagem © Samuel Ludwig

VB: Já vi vários dos seus projetos em Portugal e Espanha e, ontem mesmo, fui ver a sua Casa de Chá Boa Nova aqui no Porto, que é uma espécie de projeto impossível de ser compreendido através de fotografias. Não se trata de uma imagem, mas outra coisa, que não se traduz em imagens. O que você acha que é isso?

AS: Bem, isso é verdade para a maioria dos edifícios, não apenas para o meu. As fotografias não podem transmitir o espaço.

Casa de Chá Boa Nova. Imagem © Samuel Ludwig
Casa de Chá Boa Nova. Imagem © Samuel Ludwig

VB: Exceto que a maioria dos edifícios parecem melhores em fotos e com o seu trabalho, o oposto é verdade.

AS: Existe uma coisa que é a sensação de compreensão e sensação de espaço. Eu tive essa percepção quando visitei pela primeira vez a Casa da Cascata, de Wright. Primeiro, há uma densidade da atmosfera lá; Então, a escala nunca pode ser entendida com precisão. A casa de Wright é realmente muito menor do que se esperaria apenas vendo as fotos. Ele reduziu as dimensões como parapeitos ou pés-direitos.

Portuguese pavilion for Expo 98. Image
Portuguese pavilion for Expo 98. Image

VB: Eu gostaria de falar sobre sua arquitetura como uma abordagem. Kenneth Frampton disse que você faz parte do movimento do "regionalismo crítico". E por "regionalismo crítico" entende-se "uma abordagem arquitetônica que se esforça para combater a falta de espaço e a falta de identidade do estilo internacional" e uma abordagem que "também rejeita o individualismo e a ornamentação da arquitetura pós-moderna". Sobre ser colocado nesta categoria, "regionalismo crítico?" Você concorda? Porque você também tem um caráter individualista muito forte, então é uma mistura de coisas.

AS: Sim, concordo com a classificação. Quando os críticos falam sobre regionalismo crítico a palavra que é negligenciada é a crítica. O que Frampton quis afirmar, penso eu, não era que a arquitetura deveria ignorar seu discurso global, mas que tal discurso deveria encorajar a continuidade das tradições culturais locais e não celebrar o Estilo Internacional, que estava ficando sem lugar.

The Building on the Water / Álvaro Siza + Carlos Castanheira. Image
The Building on the Water / Álvaro Siza + Carlos Castanheira. Image

VB: E assim você vê o seu trabalho como uma continuação das tradições locais.

AS: Sim. Mas não se esqueça que todas as tradições mudam, se transformam ou morrem.

VB: Você disse: "A tradição é importante quando contém momentos de mudança".

AS: Sim, tradição não significa fechamento, imobilidade. Muito pelo contrário, o valor das tradições é estar aberto a inovações. A tradição não é o oposto da inovação, ela é complementar. A tradição vem de intercâmbios sucessivos. As culturas isoladas que tentam preservar suas tradições sem estarem abertas a novas ideias desmoronam. Toda cultura tradicional é influenciada por culturas externas. Quando eu estava crescendo na profissão, havia muito poucos centros de cultura global - Paris, Londres, Nova York, e o resto era uma periferia. Portugal estava na periferia e ficou fechado até a revolução de 1974, somente após essa data o país foi redescoberto. Frampton foi um dos primeiros críticos que vieram aqui e viajaram para outras partes da Europa, incluindo Espanha, Grécia e países escandinavos. Foi o momento em que os arquitetos estavam interessados em redescobrir a arquitetura não-convencional. Neste contexto, ele foi, talvez, o primeiro crítico que insistiu na importância da identidade.

Fundação Iberê Camargo. Image
Fundação Iberê Camargo. Image

VB: Você costuma dizer: "Nada é inventado. Há um passado para tudo. "Você não está interessado em fazer algo totalmente novo, certo? Seu trabalho é baseado no que foi feito antes. Você poderia falar sobre essa sua posição?

AS: É impossível fazer algo inteiramente novo. Olhe para a Villa Savoye, em Poissy, de Le Corbusier. Quando você a vê, a sensação é que é inteiramente nova. É claramente uma nova arquitetura para um novo tipo de homem. Mas a realidade é que nada é novo, mas modificado ou transformado. Havia "janelas de aberturas" horizontais em estruturas antigas na América pré-colombiana ou na vernacular portuguesa; Há pilotis no antigo mercado de Veneza; Você pode até encontrar exemplos de plantas abertas em estruturas antigas, onde havia apenas um telhado e paredes de perímetro sem divisórias interiores. O novo só vem por meio de novas combinações e materiais, mas nada é completamente novo. Nós, arquitetos somos constantemente influenciados pelo que está à nossa volta. Por exemplo, lembro-me quando a minha habitação social Bonjour Tristesse estava sendo construída em Berlim. Eu estava naquele bairro e vi um edifício que eu achava que estava em construção; Tinha um perfil de telhado semelhante ao meu. Então, eu disse ao meu contratado - olha, eu ainda não terminei meu prédio e já está sendo copiado. Então o contratado disse: "Se alguém está copiando, este alguém é você porque esse prédio está sendo demolido." [Risos.] E a verdade é que eu provavelmente o vi antes de fazer o meu projeto e isso me influenciou subconscientemente.

Wohnhaus Schlesisches Tor (Bonjour Tristesse) / Álvaro Siza Vieira + Peter Brinkert. Image © Wikimedia user Georg Slickers sob licença CC BY-SA 2.0
Wohnhaus Schlesisches Tor (Bonjour Tristesse) / Álvaro Siza Vieira + Peter Brinkert. Image © Wikimedia user Georg Slickers sob licença CC BY-SA 2.0

VB: Kenneth Frampton disse: "Como os de Aalto, todos os edifícios de Siza são delicadamente colocados na topografia de seus locais. Sua abordagem é patentemente tátil e tectônica, em vez de visual e gráfica. Mesmo os seus edifícios mais pequenos são topograficamente estruturados. "Ao mesmo tempo, você disse:" Mesmo antes de ter conhecimento completo, ou bom conhecimento de cada problema, eu começo esboçar soluções possíveis com a pouca informação que tenho. Eu sinto que preciso começar imediatamente com uma ideia - embora depois ela possa ser completamente alterada. " Você poderia falar sobre o seu processo de desenho e projeto?

AS: Começo a desenhar desde o início. Eu não me preocupo com a análise do problema, as condições do terreno ou mesmo o programa. Porque se eu fizer primeiro toda a análise haveria muita informação e pouca arquitetura ... Então, primeiro, eu esboço, às vezes antes de visitar o local. Isto acontece porque eu começo a trabalhar imediatamente a procura de uma ideia, mesmo se eu tiver apenas uma foto do lugar. E na maioria das vezes os primeiros esboços são inúteis. Mas eu os uso para construir uma ideia que sai de muitos esboços. Gradualmente, com mais informações, uma coisa real emerge. Eu sempre trabalho com colaboradores que me alimentam com informações. Eu trabalho diretamente com modelos e em algum ponto, há um cruzamento entre o rigor que vem da informação precisa e a liberdade completa da minha intuição, eles se encontram.

Taifong Golf Club. Image
Taifong Golf Club. Image

VB: Você disse que o desenho estabelece um diálogo com a mente. Você chamou de mão pensante não apenas como uma reflexão mas, principalmente, como uma provocação.

AS: Muitas vezes acontece que no começo de um projeto não está claro como desenvolvê-lo. Nesses momentos, eu tento me distrair. Faço uma pausa, faço muitos esboços e desenhos e, de repente, uma faísca vem. Portanto, há uma relação entre a mão e a mente. Um complementa o outro. Aalto também falou sobre isso.

The Building on the Water / Álvaro Siza + Carlos Castanheira. Image
The Building on the Water / Álvaro Siza + Carlos Castanheira. Image

VB: Seu trabalho é muito intuitivo. Você disse: "Eu não trabalho dentro de alguma estrutura teórica, nem ofereço uma chave sobre como você deve entender o meu trabalho." Seu trabalho é intuitivo, mas também muito particular e você tem um repertório muito controlado. Por exemplo, a maioria de seus edifícios são brancos, alguns têm tijolos vermelhos. São de aspecto sólido, facetados ou com perfis curvos e fachadas convexas e côncavas. Você intencionalmente se disciplina ou isto é o desenvolvimento de sua linguagem particular e reconhecível?

AS: Eu não acho que eu tenho uma linguagem unificada. Trabalhei em Portugal e Espanha, na Itália, Alemanha, Suíça, Brasil, China ... São circunstâncias muito diferentes. As técnicas de construção são diferentes. Os materiais são diferentes. As condições climáticas são diferentes. Histórias e culturas são diferentes. As atmosferas são diferentes. Minhas decisões são baseadas no que eu observo e absorvo. Quando eu trabalhei no museu de arte em Santiago de Compostela, eu não queria usar granito local; Eu queria usar um material branco no interior. Eu escolhi mármore grego porque no momento era mais barato. Eu também queria usar o mesmo mármore nas fachadas, mas isso provocou a oposição dos moradores locais. Eu queria que o museu fosse branco por duas razões - para distinguir sua importância cívica e também, porque no passado, toda a cidade estava pintada de branco. Ao longo da história, Santiago era branco. Apenas nos últimos tempos, o estuque foi removido para revelar pedra e granito. Assim cada edifício é uma resposta a circunstâncias específicas e eu não tenho uma teoria estrita. Claro, eu tenho uma teoria, caso contrário como eu poderia ter uma prática? Mas essa teoria não limita meu trabalho.

Viana do Castelo Municipal Libary. Image
Viana do Castelo Municipal Libary. Image

VB: Você disse uma vez: "A beleza não me interessa." No entanto, seu trabalho é muito bonito. Qual é a intenção principal, então?

AS: Eu realmente disse isso?

VB: Você acha que foi mal citado?

AS: Eu só poderia dizer isso se eu estivesse bêbado. [Risos.] Claro, estou interessado em beleza. A beleza é o auge da funcionalidade! Se algo é bonito, é funcional. Não separo beleza e funcionalidade. A beleza é a chave da funcionalidade para os arquitetos... Gostaria de saber como eu poderia dizer que a beleza não era de interesse meu... Talvez alguém me provocou dizendo que eu sou um esteta. Eu não sou isso. Mas a busca pela beleza deve ser a preocupação número um de qualquer arquiteto.

Gondomar Sports Complex. Image
Gondomar Sports Complex. Image

VB: Hoje em dia, muitos arquitetos da geração mais jovem se orgulham do fato de que eles não iniciam pessoalmente os projetos com um esboço. Eles desenvolveram uma abordagem de equipe com várias contribuições. Mas eu li que você gosta de projetar seus projetos sozinho sentado em um café. O que você acha da abordagem colaborativa na arquitetura?

AS: Isso é parcialmente verdade, mas foi há anos. Já não desenho em cafés. Eu costumava fazer isso para sair do ambiente do meu estúdio. Isso costumava acontecer diariamente. Um café no Porto era uma instituição. Você poderia ver os alunos estudando em cafés ou reuniões acontecendo lá. Agora o café é algo que você bebe rapidamente e segue em frente; Já não é uma experiência autêntica. Eu mesmo vi uma placa em um café que dizia: "Não estudar." Mas eu tenho uma outra razão para não ir a cafés. Depois de alguns projetos, aqui em Portugal, eu me tornei conhecido então, quando as pessoas me veem dizem olá e quando percebem que estou desenhando me perguntam se eu poderia desenhar algo para elas. Então, eu tive que resistir. [Risos] Agora faço croquis no escritório porque meus colaboradores não ficam me pedindo desenhos. [Risos.]

Mimesis Museum / Alvaro Siza + Castanheira & Bastai Arquitectos Associados + Jun Sung Kim. Image
Mimesis Museum / Alvaro Siza + Castanheira & Bastai Arquitectos Associados + Jun Sung Kim. Image

VB: No entanto, você começa projetos com esboços e por um tempo, você fica sozinho pensando no projeto, certo?

AS: Sim, mas ao mesmo tempo, envolvo a minha equipa desde o início. Os engenheiros, por exemplo, começam imediatamente. O que eu não gosto agora é quando os arquitetos mais jovens começam a trabalhar em projetos imediatamente no computador. Isso não lhes dá a chance de iniciar o projeto com o pensamento livre e desenhos à mão livre. Ideias novas vêm do pensamento e do desenho e não do computador. Esboçar é importante para pensar.

Estação de Bombeiros em Santo Tirso. Imagem © Joao Morgado - Architecture Photography
Estação de Bombeiros em Santo Tirso. Imagem © Joao Morgado - Architecture Photography

VB: Você também disse: "Eu sou um funcionalista". Então, acrescentou que "a forma, os espaços e a atmosfera não surgem da resolução de funções. Todo arquiteto é forçado a dar respostas a problemas funcionais. Mas a arquitetura com A maiúsculo começa quando um projeto obtém a liberdade, livre de todas as restrições, capaz de tomar voo e se desenvolver em outras direções. "O que isso significa para você - arquitetura com A maiúsculo?

AS: Muito difícil ... A arquitetura é um serviço. Quando um cliente pede algo os arquitetos têm a responsabilidade ética de entregar um projeto que responde a um determinado conjunto de objetivos tão rigorosamente quanto possível. Mas devemos ainda lembrar que a arquitetura deve permanecer livre. A arquitetura deve se esforçar para se tornar outra coisa, não apenas ser uma solução pragmática. Como arquiteto, eu não quero apenas estar preocupado com a resolução de problemas. Existem outras questões em jogo. A verdadeira questão é manter um bom equilíbrio. A funcionalidade nunca deve ser deixada de lado, mas a arquitetura deve ser muito mais do que isso e alcançar a beleza é a principal prioridade de qualquer arquitetura.

Amore Pacific Research & Design Center / Alvaro Siza, Carlos Castanheira and Kim Jong Kyu. Image
Amore Pacific Research & Design Center / Alvaro Siza, Carlos Castanheira and Kim Jong Kyu. Image

VB: "Arquitetos não inventam nada, eles apenas transformam a realidade" é uma de suas expressões favoritas. Kenneth Frampton disse que esse aforismo seu deve ser gravado na entrada de cada escola de arquitetura. Ele também disse que muitos de nossos principais arquitetos não aceitam esta ideia, nem mesmo como uma piada.

AS: Ruim para eles, porque isso é verdade. [Risos.]

VB: Existe uma crença muito forte entre os principais arquitetos nessa noção de que "aqui está o meu trabalho" e "aqui estão todos os outros".

AS: Bem, eu concordo com isso. Minha arquitetura também é diferente. Mas, ao mesmo tempo, sei que não sou um inventor. Eu sou o transformador. Isso é tudo.

Fundação Iberê Camargo. Image
Fundação Iberê Camargo. Image

VB: Você disse: "A racionalidade não é suficiente. Quero contornar o problema".

AS: [Risos.]

VB: Quero terminar nossa conversa com outra de suas frases: "Um bom arquiteto trabalha devagar".

AS: Computadores tornaram possível projetar e construir a arquitetura de forma muito mais rápida. Mas pensar ainda leva tanto tempo. Arquitetura é um debate e uma provocação; Isso não pode acontecer sem pensar. Os computadores podem melhorar o pensamento, mas a arquitetura é uma arte lenta.

Ribero-Serralo Sports Complex. Image
Ribero-Serralo Sports Complex. Image

VLADIMIR BELOGOLOVSKY é o fundador da organização sem fins lucrativos sediada em Nova York, Curatorial Project. Formou-se como arquiteto na Cooper Union em Nova York, tendo escrito cinco livros, Conversations with Architects in the Age of Celebrity (DOM, 2015), Harry Seidler: LIFEWORK (Rizzoli, 2014), e Soviet Modernism: 1955-1985 (TATLIN, 2010). Entre suas inúmeras exposições: Anthony Ames: Object-Type Landscapes at Casa Curutchet, La Plata, Argentina (2015); Colombia: Transformed (Tour pela América, 2013-15); Harry Seidler: Painting Toward Architecture (Tour Mundial desde 2012); e Chess Game for Russian Pavilion at the 11th Venice Architecture Biennale (2008). Belogolovsky é o correspondente americano da revista de arquitetura, com sede em Berlim, SPEECH e palestrou em universidades e museus em mais de 20 países.

A coluna de Belogolovsky, City of Ideas, apresenta aos leitores do ArchDaily as suas conversas recentes com os arquitetos mais inovadores de todo o mundo. Essas discussões íntimas fazem parte da última exposição do curador, com o mesmo título, que foi inaugurada na Universidade de Sidney em junho de 2016. A exposição viajará para todo o mundo a fim de explorar conteúdos e projetos sempre em evolução.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Vladimir Belogolovsky
Autor
Cita: Belogolovsky, Vladimir. "Entrevista com Álvaro Siza: "A beleza é o auge da funcionalidade!"" [Interview with Álvaro Siza: “Beauty Is the Peak of Functionality!”] 23 Jan 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/803527/entrevista-com-alvaro-siza-a-beleza-e-o-auge-da-funcionalidade> ISSN 0719-8906
Ler comentários

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube