O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O que as descrições ocidentais sobre a cidade murada de Kowloon não dizem

O que as descrições ocidentais sobre a cidade murada de Kowloon não dizem

O que as descrições ocidentais sobre a cidade murada de Kowloon não dizem
O que as descrições ocidentais sobre a cidade murada de Kowloon não dizem, Imagem © Greg Girard e Ian Lambot, autores do livro "City of Darkness" e "<a href='http://www.archdaily.com/493900/the-architecture-of-kowloon-walled-city-an-excerpt-from-city-of-darkness-revisited'>City of Darkness Revisited</a>"
Imagem © Greg Girard e Ian Lambot, autores do livro "City of Darkness" e "City of Darkness Revisited"

Uma versão mais longa deste artigo, escrita pela estagiária do ArchDaily Sharon Lam, foi originalmente publicado na Revista Salient, dos estudantes da Victoria University of Wellington, intitulado "In the Shadow of the Kowloon Walled City."

É a década de 1970 em Hong Kong, e você tem onze anos de idade. Cedo uma noite, você sai para um bairro próximo para jantar com sua família. A cinco minutos a pé de sua escola primária, é também um lugar que você frequenta com seus amigos. A comida aqui é boa e o lugar é especialmente conhecido por sua fishball noodle soup, que é o que você sempre pede. Você esteve aqui tantas vezes que percorrer os corredores subterrâneos para a barraca de macarrão é fácil, e você sabe para onde pisar para evitar os tetos que gotejam mais. Seu bowl de macarrão chega e você come-o, inconsciente do fato de que nos próximos dois anos este bairro vai aumentar sua população e sua infâmia, e permanecerá até décadas mais tarde como uma das mais notáveis anomalias sociais na história recente.

No seu pico, a Cidade Murada de Kowloon era o lar de 33.000 pessoas em apenas dois hectares de terra - o tamanho de cerca de pouco mais que dois campos de futebol - tornando-o o lugar mais denso na Terra na época. Era um conglomerado de pequenos apartamentos, um sobre o outro, com varandas enjauladas e conectados através de um labirinto de corredores úmidos e escuros. Enquanto isso, o restante de Hong Kong continuava normal, aparentemente não afetado pelo crime e a miséria dentro da cidade murada.

Cortesia de City of Darkness Revisited
Cortesia de City of Darkness Revisited

Esta sociedade única e sua completa negligência pelo resto de Hong Kong nasceu das condições políticas igualmente únicas do terreno de Kowloon. Inicialmente um posto avançado chinês para o comércio de sal durante a Dinastia Song (960 AC - 1279), foi mais tarde transformado em um posto militar avançado com um forte costeiro adicionado em 1800. Quando a China perdeu para os britânicos na primeira Guerra do Ópio, Hong Kong foi cedida e oficialmente entregue em 1842. No entanto, Kowloon foi uma exceção, com os britânicos permitindo que os chineses permanecessem no local, desde que não interferissem politicamente. A China passou a reivindicar completamente a propriedade do terreno de Kowloon em 1947, mas sua separação do continente significou que eles fizeram pouco para impor suaas leis, enquanto a Grã-Bretanha também adotou uma política de "pouca interferência". Livre de ambos os lados da lei, posseiros logo chegaram, e assim iniciou a lenda da cidade murada de Kowloon.

Em 1950 a população tinha crescido para 17.000. As pessoas se mudaram para a Cidade Murada por causa de falência, falta de escolha, para fugir ou explorar a falta de lei. As construções proliferaram junto com a população, um vernáculo verdadeiramente moderno, livre de qualquer regulamento ou códigos de construção. Dentro da escuridão da Cidade Murada, o crime, negócios desregulados (tudo, desde antros de ópio e bordéis, a sacos plásticos e rolinhos primavera) e a vida familiar continuavam dia após dia.

Foi em 1984 que ambos os governos decidiram que a Cidade Murada havia se tornado um embaraço suficiente e uma monstruosidade que eles teriam que derrubá-la. Em 1992, os residentes foram despejados e receberam uma compensação monetária, e o local foi convertido em um parque público comemorativo.

Maquete de Kowloon, agora no parque. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kowloon_Walled_City_Statue.jpg'>Wikimedia user archangelselect</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
Maquete de Kowloon, agora no parque. Imagem © Wikimedia user archangelselect licensed under CC BY-SA 3.0

Apesar das minhas muitas viagens para Hong Kong, nunca visitei o parque. Não é bem divulgado ou uma atração turística, nem é um lugar de orgulho local. Na verdade, foi da boca de um sueco que eu ouvi pela primeira vez sobre a cidade murada de Kowloon e cada vez desde então que a cidade murada surgiu, foi de comentários de caucasianos. No meu papel de planejadora urbana, a Cidade Murada de Kowloon foi trazida como um exemplo de uma "favela", que mostrou as consequências da falta de regulamentos de construção. Não havia menção das deliciosas tigelas de macarrão que se podia encontrar lá. Em vez disso, a cidade murada de Kowloon normalmente é descrita como "pós-apocalíptica", "assustadora" e "louca".

Compare isso com o modo como meu pai fala sobre a cidade - um sorriso em seu rosto assim que o nome foi mencionado, e fiquei surpresa ao saber que sua escola primária estava ao lado da massa "louca" de drogas , gangues e crime. Na verdade, a maioria de nossa conversa focou na comida que você poderia encontrar lá. Ele descreve o lugar como "muito especial", tanto como o único lugar em Hong Kong que não foi afetado pelo governo britânico e como uma comunidade única em si. Ele passou a descrever o ambiente físico do lugar, com uma energia que eu vi poucas vezes nele. Sorrindo, ele lembrou o constante gotejamento de vazamentos de água em todos os lugares e o desaparecimento surreal do céu uma vez que você ali entrava. Ele também falou sobre os muitos negócios não regulamentados lá, com especial menção aos muitos dentistas não licenciados que poderiam operar livres de responsabilidade, e também as barracas de carne de cachorro, que encontraram sucesso enquanto a cozinha canina era ilegal no restante de Hong Kong.

Ele admite que sabia que as pessoas estavam sendo assaltadas e que muitos geralmente evitavam o lugar depois de escurecer, mas caso contrário, Meu pai elogiou as Tríades sobre sua organização da Cidade Murada. Agindo como um conselho municipal de fato (embora financiado por drogas e aplicado através da violência), as Tríades organizaram um corpo de bombeiros voluntário e a gestão de lixo, e resolveram os conflitos civis, particularmente aqueles entre empresas concorrentes.

Cidade Murada em 1991. Image © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kowloon_Walled_City_1991.jpg'>Roger Price via Wikimedia</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY 2.0</a>
Cidade Murada em 1991. Image © Roger Price via Wikimedia licensed under CC BY 2.0

A maneira como meu pai fala da Cidade Murada, com algo que se aproxima de orgulho, dá uma impressão muito diferente de sua representação popular - é muito mais fácil contar uma história de estilos de vida depravados em um labirinto escuro de condições desumanas de vida. Isso não quer dizer que este não era o caso, mas esta não era a única história que a Cidade Murada tinha para contar.

Um documentário sobre ela relatou essa complexidade em primeira mão. Filmado por um austríaco com legendas em inglês, o filme dos anos 80 dá um olhar íntimo sobre a vida ali. Encontramos um criador ilegal de pombos de corrida (uma alternativa para apostar em cavalos), um jardim de infância e até mesmo um pensionista financiado pela Tríade. Todas essas histórias, no entanto, são definidas contra um cenário escuro, ofuscado. Trata-se de uma experiência estranha - as legendas em inglês angustiantes que comparam as pessoas com "os ratos mortos com quem ninguém se ensoberbece", mas sua tentativa de horror de choque é interrompida pelo Cantonês de fundo e com as crianças zombando zombeteiramente da equipe de filmagem. Este, talvez, melhor represente Hong Kong - assustador do exterior, mas energeticamente normal internamente.

Embora fosse falso dizer que os documentaristas estavam exagerando a extensão das condições miseráveis, da pobreza e dos espaços apertados, essas qualidades só são impressionantes em sua intensidade - não em absoluto em seu absurdo. De fato, a coisa mais incomum no documentário é um missionário inglês que reside na Cidade, curando viciados em heroína através de seu "toque espiritual." O resto da fotografia é grosseiramente desumana, sim; Mas ilógico, não. Dadas as condições e as conseqüências nas quais a cidade foi concebida e sua completa negligência, poderia ter se tornado muito pior.

Infográfico mostrando a Cidade Murada da Kowloon, produzido  pelo South China Morning Post em 2013. Cortesia de South China Morning Post
Infográfico mostrando a Cidade Murada da Kowloon, produzido pelo South China Morning Post em 2013. Cortesia de South China Morning Post

A surpreendente vivacidade e comunidade da cidade murada mostra que, quando livre de lei e responsabilidade, as coisas não vão ser ótimas, mas não têm que ser um fracasso total. Quando a Cidade Murada de Kowloon foi demolida por forças externas, muitos de seus moradores ficaram insatisfeitos com sua expulsão, e nem mesmo a compensação financeira restaurou a comunidade que deixaram para trás. Muitos anos depois, mesmo quando totalmente reassentados no resto de Hong Kong, olham para trás para seus dias na Cidade Murada como uma "época mais feliz".

Quando ainda sob o domínio britânico, é importante lembrar que a cidade murada de Kowloon não era o único lugar de tamanha densidade em Hong Kong. Eram contemporâneos ao local outros assentamentos de ocupação urbana, também conglomerados ad hoc, mas apenas de um andar, e abrigando apenas 4900 pessoas por hectare - cerca de 2 metros quadrados por pessoa. Os assentamentos surgiram a partir da explosão populacional da década de 1950, quando refugiados chineses fugiram para a cidade após turbulência política no continente.

Cidade Murada em 1991. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kowloon_Walled_City_-_1991.jpg'>Roger Price via Wikimedia</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/deed.en'>CC BY 2.0</a>
Cidade Murada em 1991. Imagem © Roger Price via Wikimedia licensed under CC BY 2.0

Depois que sua terra da família foi tomada e seus parentes mortos, as mães de meu pai e de minha mãe tornaram-se refugiadas, e ambas experimentaram algum tempo em assentamentos informais ao chegar em Hong Kong. As duas tiveram sorte, no entanto, e logo foram capazes de se estabelecerem em condições mais confortáveis e estáveis, auxiliadas pelos esquemas de habitação pública do governo. Com esta ascendência e minha própria educação como cidadã da Nova Zelândia nascida em Hong Kong, me irrita ver o fascínio persistente com a densidade atual, de moradia em particular, em Hong Kong. Enquanto fisicamente há muito tempo, a sombra da Cidade Murada e sua concepção colonial permanece. A série de fotografias múltiplas, o turismo e a crítica das torres de apartamento intermináveis da cidade tem raízes não-tão-distantes para a curiosidade de fora que atraiu os britânicos para a cidade murada como uma atração turística em seus primórdios.

O juízo comum e preguiçoso lançado sobre culturas desconhecidas está em toda parte. Online, nas conversas, e mesmo nos professores universitários, eu vim através das frases como "como as pessoas podem viver assim" e "tão louco o quão apertado deve ser" no que diz respeito a pequenos espaços de vida em Hong Kong e outras metrópoles do Sudeste Asiático. Muitas vezes essas frases são seguidas por uma gratidão presumida de que eles próprios não tenham que viver em tais "condições terríveis".

Cidade Murada em 1989. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Aerial_view_of_Kowloon_Walled_City_in_Hong_Kong_on_1989-03-27.jpg'>Wikimedia user Jidanni</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
Cidade Murada em 1989. Imagem © Wikimedia user Jidanni licensed under CC BY-SA 3.0

Minha avó, desde sua chegada a Hong Kong até o dia atual, viveu em uma habitação pública. Estas torres são a forma de edifício mais ubíquas em Hong Kong, na maior parte idênticas e replicadas repetidas vezes através da cidade, pintadas frequentemente em tons pastéis para a diferenciação e uma estética "feliz". Existem mais de 680.000 apartamentos em 160 unidades habitacionais públicas, com mais de 15.000 apartamentos construídos a cada ano.

Assim como com a Cidade Murada, raramente há qualquer menção das vidas dentro das paredes imponentes ou as deliciosas tigelas de macarrão. Fotos desses módulos aparentemente intermináveis ignoram e colhem qualquer senso de pensamento por trás dos edifícios, ignorando o que de fato tenham sido décadas de evolução de projeto e uma qualidade crescente de habitação pública. A área média mudou muito ao longo dos anos, e a legislação atual faz considerações específicas do local, implantações sustentáveis, interiores pensados e masterplans obrigatórios.

Wong Tai Sin Public Housing Estate. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Wong_Tai_Sin_Public_Housing_Estate_2010.jpg'>Wikimedia user WiNG</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
Wong Tai Sin Public Housing Estate. Imagem © Wikimedia user WiNG licensed under CC BY-SA 3.0

A falta de proeminência da cidade murada de Kowloon em Hong Kong não se deve ao embaraço político, mas porque é culturalmente indiferente. Hoje, os problemas frequentemente associados à densidade, como a criminalidade e a insalubridade, não são particularmente prevalentes em Hong Kong. De fato, as taxas de criminalidade são baixas em escala internacional e a cidade tem a quarta taxa mais baixa de mortalidade infantil e também a quarta maior expectativa de vida. Intimidante e estranha do exterior, a habitação pública dedicada permite que mesmo os idosos de Hong Kong permaneçam auto-suficientes.

Kin Ming Estate. Imagem © <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Kin_Ming_Estate.jpg'>Wikimedia user Baycrest</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5/deed.en'>CC BY-SA 2.5</a>
Kin Ming Estate. Imagem © Wikimedia user Baycrest licensed under CC BY-SA 2.5

Densidade será sempre um fato da vida em Hong Kong, manifestada ao seu extremo na Cidade Murada e resolvida em habitações públicas hoje. A apatia cultural da cidade em relação à densidade a vê se destacar em outras formas - mas, à sombra de Kowloon, aqueles sem acesso à habitação pública ainda enfrentam a miséria. Os dormitórios entregues às empregadas domésticas são realmente demasiado pequenos, e a moradia para os imigrantes é uma preocupação crescente, com as pessoas alugando até os telhados para residências.

Se a energia dos jovens arquitetos em Hong Kong e no exterior focassem menos em criticar lugares que estão realmente indo bem, há problemas urbanos e sociais reais em Hong Kong que atualmente estão, como a cidade murada, sendo negligenciados.

Sobre este autor
Sharon Lam
Autor
Cita: Lam, Sharon. "O que as descrições ocidentais sobre a cidade murada de Kowloon não dizem" [Here's What Western Accounts of the Kowloon Walled City Don't Tell You] 22 Dez 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/801899/o-que-as-descricoes-ocidentais-sobre-a-cidade-murada-de-kowloon-nao-dizem> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.