O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Esse novo aplicativo de desenho mostra como os softwares irão salvar os croquis e não destrui-los

Esse novo aplicativo de desenho mostra como os softwares irão salvar os croquis e não destrui-los

Esse novo aplicativo de desenho mostra como os softwares irão salvar os croquis e não destrui-los

O Mental Canvas não é o primeiro software que tenta salvar o ato de fazer croquis - vimos ferramentas 3D de "esboço", como o SketchUp, bem como aplicativos que simplesmente simulam esboços em papel, como a popular variedade de aplicativos de esboço da Morpholio. Mas o que torna o Mental Canvas revolucionário é que você tem a capacidade de esboçar livremente em um espaço tridimensional sem as restrições da modelagem CAD tradicional; É o que Julie Dorsey, fundadora da Mental Canvas, chama de "mídia gráfica"; não totalmente plana, mas não completamente 3D. O software será lançado ainda este ano nos dispositivos Microsoft Surface, incluindo o recentemente anunciado Surface Studio, trabalhando com o hardware dos computadores Surface e o Surface Dial para fornecer uma experiência natural de esboço em uma tela virtual.

Cortesia de Mental Canvas Cortesia de Mental Canvas Cortesia de Mental Canvas Cortesia de Mental Canvas + 10

A premissa central do Mental Canvas é que o designer desenhe em telas transparentes individuais em um espaço infinito, que pode ser combinado simultaneamente para fornecer uma experiência tridimensional que também é muito orgânica. Os traços em uma tela podem ser projetados no espaço, criando automaticamente uma nova tela, e telas inteiras também podem ser rotacionadas em relação às outras para criar uma ilustração desejada. O que separa o Mental Canvas de um esboço com lápis em papel é que ele pode ser visto de vários ângulos, puxando o espectador através de uma cena que conta uma história mais atraente. Por outro lado, o que o separa de um software de modelagem tridimensional usual é a sua facilidade e fluidez, como Julie Dorsey explica:

A [Modelagem CAD] vem com um custo. O custo é que você tem que ter um modelo tridimensional totalmente resolvido, mesmo que seja apenas um cubo; Segundo é que é muito difícil editar um modelo CAD, não é rápido e fluido como um croqui. Em qualquer momento em que você está esboçando, o designer ou artista tem controle total sobre tudo nessa representação, diferente de um modelo CAD, que é definido pelo computador.

3D drawing on the new Surface Studio

O pano de fundo infinito que compõe o Mental Canvas pode parecer intimidante no início, carecendo da segurança das escalas arquitetônicas que vêm com a maioria dos softwares de modelagem tridimensional, ou mesmo um pedaço de papel comum. No entanto, este espaço infinito foi criado com a intenção de libertar o arquiteto ou designer das limitações de um computador, diz Dorsey:

O que estamos realmente buscando aqui é liberdade. Nós não queremos que o computador fique no caminho; É realmente para o designer definir a escala. Quando você desenha no Mental Canvas, você realmente tem uma tela infinita para que possa continuar em qualquer direção, e nós realmente fizemos isso por design. Não parece que você está sendo limitado; é como esboçar ilimitadamente.

Além da versão programada para ser lançada ainda este ano, a equipe Mental Canvas também está trabalhando em uma versão para um projeto de pesquisa que permite ao usuário inserir fotografias de um site de arquitetura ou dados mapeados para atuar como pano de fundo para os croquis, na verdade indicando uma escala. Este processo de adição, adaptação e mudança é realmente o núcleo do software, e é o que Dorsey acha que vai atrair sos clientes:

O que um cliente de arquitetura gostaria sobre isso é que eles podem ver as possibilidades aqui. A beleza do projeto arquitetônico são suas possibilidades, e que se você quiser, a qualquer momento, olhar para um projeto, você vê mais e é capaz de adicionar a ele.

Uma cena que é esboçada no Mental Canvas pode ser transformada em uma visita guiada com a ferramenta "Bookmark", que permite salvar uma série de cenas que podem ser reproduzidas em uma determinada ordem (tente explorar esta cena esboçada por Carol Hsiung, clicando no botão de reprodução no canto superior esquerdo). Esses "passeios" podem ser compartilhados com qualquer dispositivo que tenha acesso a um navegador, tornando incrivelmente fácil entregar desenhos a um cliente, bem como adaptar e alterar esses desenhos a uma velocidade muito mais rápida do que nunca. Carol Hsiung, Designer Senior da FXFOWLE e um dos primeiros arquitetos a testar o software, atesta o valor comunicativo do Mental Canvas:

Um croqui tem uma qualidade quando está inacabado; há tantas possibilidades, há tanto espaço para interpretação, e [o Mental Canvas] expande a ideia de um esboço. Ele o torna menos rígido. Na arquitetura, você sempre quer esse design "Wow" que deixa todo mundo animado na sala, e [o Mental Canvas] aprimora isso.

Hsiung, como muitos arquitetos, iniciou sua jornada na profissão devido ao seu amor pelo desenho e diz que Mental Canvas a fez "apaixonar-se novamente pelos desenhos, porque me permitiu ver meu desenho de uma nova maneira". Hsiung acrescenta que o poder do esboço vem com a sua capacidade de contar uma história, ou transmitir um significado de uma forma que os modelos CAD e as palavras não conseguem. "Quando você está trabalhando em arquitetura em uma grande empresa [como o FXFOWLE], há vários designers e pouco tempo, então, a fim de ajudar a todos a entenderem e entrarem na mesma frequência com o projeto, você desenha, " ela diz. "Quando você está em uma reunião, a pessoa que desenha e esboça pode ajudar a comunicar a ideia e eu acho que o Mental Canvas tem muita força em fazer isso."

Parte da facilidade de desenho com o Mental Canvas é resultado da relação cuidadosamente planejada entre o software e o hardware dos dispositivos Surface e Dial. Julie Dorsey explica que o design é destinado aos usuários para trabalharem com o Dial em uma mão e a caneta na outra, permitindo que as mudanças de cor ou largura da caneta sejam executadas sem ter que mover o foco a partir do desenho:

Como um arquiteto, Mental Canvas é realmente sobre permitir que você seja imerso no processo de desenho e projeto. "Dial plus pen", com a experiência na tela do Dial, significa que você pode realmente se concentrar em apenas desenhar. Libera o desenhista de ter que fazer diversas interações com ferramentas.

Mental Canvas essencialmente libera o arquiteto de ter que criar um modelo inteiro, a fim de ilustrar um espaço, mas sim permite o esboço de pontos de vista separados para comunicar um conceito holístico. Como Carol Hsiung diz: "Você pode mostrar isso a seus clientes, pessoas que não entendem desenhos bidimensionais, e eles podem sentir o espaço". Enfatizando esse ponto, Julie Dorsey usa um exemplo da importância dos croquis:

Uma das empresas em todo o mundo que faz o maior uso da computação é Gehry and Partners. O que é interessante é que se você for ao site de Frank Gehry a primeira coisa que você vê não é um modelo de CAD, o que você vê é um croqui. Você pode ver mais em um dos esboços de Frank Gehry do que em qualquer modelo de CAD, eu afirmaria.

Arquitetos, designers, ilustradores e clientes: vocês tem muito o que esperar.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Zilliacus, Ariana. "Esse novo aplicativo de desenho mostra como os softwares irão salvar os croquis e não destrui-los" [This New Drawing App Shows How Digital Software Will Save Sketching, Not Destroy It] 15 Nov 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/799402/esse-novo-aplicativo-de-desenho-mostra-como-os-softwares-irao-salvar-os-croquis-e-nao-destrui-los> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.