O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museu
  4. Chile
  5. Mario Figueroa, Lucas Fehr y Carlos Dias
  6. 2009
  7. Museu da Memória e dos Direitos Humanos / Mario Figueroa, Lucas Fehr e Carlos Dias

Museu da Memória e dos Direitos Humanos / Mario Figueroa, Lucas Fehr e Carlos Dias

  • 11:00 - 2 Novembro, 2011
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Museu da Memória e dos Direitos Humanos / Mario Figueroa, Lucas Fehr e Carlos Dias
Museu da Memória e dos Direitos Humanos / Mario Figueroa, Lucas Fehr e Carlos Dias, © Nico Saieh
© Nico Saieh

© Nico Saieh © Nico Saieh © Nico Saieh © Nico Saieh + 46

  • Colaboradores Concurso

    Amanda Renz, Carlos Eduardo Garcia, Flávia Tenan, Juliana Baldocchi, Juliana Klein, Marcus Vinícius Damon e Marina Canhadas + Eng. Ricardo Dias [estrutura] e Josei Nagayassu [vídeo]
  • Colaboradores Executivos Brasil

    Amanda Renz, Carlos Eduardo Garcia, Juliana Klein, Marcus Vinícius Damon e Marina Canhadas + Luiz Del Guerra e Gustavo Capecchi
  • Colaboradores Executivos Chile

    Roberto Ibieta [responsável técnico e arquiteto associado], Werner Renck [arquiteto coordenador], Luis Madrid [arquiteto], Ignacio Cárdenas [arquiteto], Felipe Gonzalez [arquiteto], Cristián Pérez [engenheiro], Álvaro Díaz [desenhista do projeto]
  • Cliente

    MOP, Dirección de Arquitectura, Comisión Presidencial de los Derechos Humanos
  • Unidade Operativa

    MOP, Dirección Regional de Arquitectura R.M.
  • Estruturas

    Eng. Osvaldo Peñaloza
  • Climatização

    Termosistemas
  • Sanitário

    Sipar
  • Elétrico

    Pimesa
  • Luminotécnico

    Pascal Chautard, Francisca Nicoletti, Carolina Roese
  • Segurança

    Const. Civil Sergio Dalmazzo
  • Hidráulica

    Piscinería
  • Coordenação Geral

    SolArchi
  • Construtoras

    COMSA de CHILE, BASCO
  • Estrutura Metálica

    Maestranza JOMA
  • Museografia

    Árbol de Color, Chile
  • Iluminação

    LLD Limari Ligthing Design _ Pascal Chautard, Francisca Nicoletti, Carolina Roese
  • Mais informações Menos informações

Por Paulina Jarpa García-Vinuesa

Ao participar do concurso, os arquitetos projetaram o Museu da Memória e dos Direitos Humanos como um lugar de caráter não-linear no tempo e na incorporação de imagens da parte histórica do Chile, um espaço que abrigasse e transmitisse conhecimento de maneira universal e imparcial; um paralelepípedo esbeltamente retangular que pousa, de maneira  leve, apoiando-se na sua secção mais esbelta, delicadamente no sentido Leste-Oeste sobre uma base que o sustenta com um belo sentido semântico: deixar fluir a vida, da Cordilheira ao Mar de nosso estreito país, mantendo sempre presente o percurso da nossa própria insolação. Um espaço que, apesar de entregar a possibilidade de criar diferentes atmosferas e marcações físicas ou mentais, convide a evocar e refletir. 

Axonométrica em Camadas
Axonométrica em Camadas

Corte G Detalhe Escada Principal Detalhe Plantas Gerais + 46

A nível territorial, o projeto apresenta a ideia, absolutamente clara, de que o espaço público, sobretudo o centro histórico da cidade (Santiago Centro), é entendido como aquele não construído e sim, configurado pela ocupação perimetral da quadra. Esta ordem é respeitada, propondo uma nova forma de compor este micro-espaço urbano, utilizado os recursos: Barra e Base.

© Nico Saieh
© Nico Saieh

O primeiro, o grande abrigo de nossa história e informação, o elevado, o interior, o leve espaço museológico, o que é apoiado. O segundo, que abriga a produção, o subsolo, o profundo, os estudos, os conhecimentos, o apoio, a solidez, o administrativo, o museográfico, a área que contém as atividades de extensão, o suporte, o que sustenta. 

© Nico Saieh
© Nico Saieh

© Nico Saieh © Nico Saieh © Nico Saieh © Nico Saieh + 46

As circulações são ordenadas nas bordas da Barra, localizando-se nos vértices estruturais do volume em toda sua altura; aqui também convivem áreas molhadas e de apoio. Esta área recebe iluminação zenital que ao, penetrar através dos painéis laterais de vidro que conformam e separam a circulação, permitem uma maior entrada de luz. Como consequência disso, no interior da Barra, criam-se importantes superfícies verticais e caixas de vidros que, somadas como uma harmônica massa de vidro, constituem-se como suporte da mostra do Memorial.

Croquis
Croquis

O exercício barra-base, estabelecido para gestionar a obra, sem dúvidas, possui notável influencia da arquitetura paulista; e isto está refletido e materializado no austero volume envolto em uma membrana perfurada e permeável de cobre, que pousa suavemente nos dois pontos da sua opaca base estrutural de concreto, permitindo que o edifício flutue elegantemente sobre seus apoios e, por sua vez, enfatize a entrada de luz. O efeito de transparência que o projeto possui desde dentro para fora, através da solução de vidro e a envolvente de cobre, é verdadeiramente reconhecível, sobretudo durante à noite: o edifício se transforma em uma esplendida lâmpada urbana que descansa sobre a praça, tal como devem estar, neste momento, nossas centenas de almas desparecidas. 

© Nico Saieh
© Nico Saieh

A esplanada que apoia o MMDDHH, é o elemento que, como um vazio micro-urbano, nos permite obter a perspectiva suficiente para contemplar e nos aproximar do edifício reconhecendo, quase sempre, sua totalidade. 

© Nico Saieh
© Nico Saieh

A barra é o elemento que, definitivamente, marca a orientação da obra, já que se localiza, tomando como referência seu lado mais longo, no sentido paralelo às ruas Santo Domingo e Catedral, fachadas norte e sul, respectivamente, e enfrentando com sua fachada oeste em direção a rua Matucana e a estação de metrô Quinta Normal e o Parque. A fachada leste, por sua vez, está voltada para a cordilheira. Posteriormente, e em uma segunda etapa, a demarcação norte da edificação,estará também o projeto dos escritórios do Ministério de Educação do Centro Matucana.

* Trecho do artigo publicado na edição Nº32 do Caderno Latino-americano de Arquitetura 30-60, páginas 56 a 71, edição 2012.

© Nico Saieh
© Nico Saieh

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Mario Figueroa, Lucas Fehr y Carlos Dias
Escritório
Cita: "Museu da Memória e dos Direitos Humanos / Mario Figueroa, Lucas Fehr e Carlos Dias" [Museo de la Memoria y los Derechos Humanos / Mario Figueroa, Lucas Fehr y Carlos Dias] 02 Nov 2011. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/795304/museu-da-memoria-e-dos-direitos-humanos-mario-figueroa-lucas-fehr-e-carlos-dias> ISSN 0719-8906