Clássicos da Arquitetura: Museu Tate Modern / Herzog & de Meuron

Clássicos da Arquitetura: Museu Tate Modern / Herzog & de Meuron

O Bankside Power Station, em Londres, ficou em desuso de 1981 até 2000, quando abriu ao público como o Museu Tate Modern. Os arquitetos suíços Herzog & de Meuron abordaram a conversão com gestos relativamente leves, criando um espaço público contemporâneo sem diminuir a presença histórica da edificação. O ícone cultural impressionante tornou-se, desde então, o museu de arte moderna mais visitado no mundo, revitalizando a área industrial, antigamente isolada.

© Javier Gutierrez Marcos© Simone Graziano Panetto© Simone Graziano Panetto© Darrell Godliman+ 18

Os arquitetos foram selecionados dentre vários escritórios famosos em um concurso internacional em 1995. O Tate Gallery reconheceu o potencial da estação de energia e considerou que a proposta dos arquitetos com alterações mínimas nos exteriores estava alinhada com sua própria visão para o museu. O edifício original foi projetado por Giles Gilbert Scott no final de 1940 e desativado após apenas três décadas de uso. Situado do outro lado do rio Tâmisa da Catedral de St. Paul, a chaminé da estação funciona como um contraponto à cúpula da catedral.

© Darrell Godliman
© Darrell Godliman

Herzog & de Meuron optaram por melhorar o caráter urbano do edifício sem depreciar significativamente sua forma, permitindo-lhe continuar a ser uma peça experimental e visual em si. A alteração exterior mais evidente é a caixa iluminada situada no topo da cobertura, sendo um contraste horizontal à chaminé imponente. A geometria mínima da caixa iluminada e sua materialidade de vidro translúcido diferencia claramente da alvenaria escura e detalhada da fachada original. A transição entre o antigo e o novo nem sempre é óbvia, entretanto. Herzog & de Meuron referenciam o caráter industrial do projeto de Scott em cada detalhe, evitando intervenções dissonantes que poderiam distrair das obras de arte. Os pesados corrimões da escada, as grades de ferro fundido e os assoalhos de madeira harmonizam com a estética original.

© Javier Gutierrez Marcos
© Javier Gutierrez Marcos

Ao abrir a paisagem ao redor da antiga central elétrica, os arquitetos buscaram trazer uma abordagem natural para um edifício aparentemente monolítico. Os jardins estão entre o museu e o tecido urbano envolvente, proporcionando o acesso de todas as quatro direções. A fachada é perfurada em faixas ao nível do solo, indicando as entradas e convidando o público para o interior. Herzog & de Meuron imaginaram o espaço da sala das turbinas como uma grande praça pública, permitindo a passagem ou simples como um local de convívio.

Section through boiler house, turbine hall, and oil tanks. Image © Herzog & de Meuron
Section through boiler house, turbine hall, and oil tanks. Image © Herzog & de Meuron

Grande parte da experiência da sala das turbinas é o dos movimentos. Uma plataforma cruza ao nível do solo, marcando a descida da rampa que está abaixo dela e proporcionando vistas sobre as galerias acima. Esta energia equilibra-se pela escala monumental da sala, que transmite uma quietude apesar do fluxo de visitantes. Originalmente concebido para abrigar enormes geradores, estende-se a todo o comprimento e altura do edifício, proporcionando uma qualidade de espaço único ao museu. O artista Olafur Eliasson tirou vantagem disso em sua instalação The Weather Project, em 2003.

© Richard Holt
© Richard Holt

A fim de acomodar uma ampla gama de arte, Herzog & de Meuron substiutiram grande parte do interior da estação de energia com galerias de diferentes tamanhos. Elas compartilham uma estética discreta, mas variam no pé-direito de cinco a doze metros, iluminados natural e artificialmente. As janelas de catedrais originais da central elétrica estendem-se de chão ao teto em algumas galerias, criando um ritmo e proporção ecoados nas claraboias acima. As camadas translúcidas da caixa iluminada foram especificamente concebidas para filtrar a luz natural e replicar artificialmente suas qualidades à noite.

Ground level plan. Image © Herzog & de Meuron
Ground level plan. Image © Herzog & de Meuron

Os três tanques de óleo da antiga fábrica foram inaugurados em 2012 como um novo tipo de galeria exclusiva para o museu. Uma ampliação projetada por Herzog & de Meuron foi inaugurada em junho de 2016. Ela oferecerá espaço adicionais de exposição, bem como espaços públicos para a aprendizagem e formação.

©  Iwan Baan
© Iwan Baan

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos
Sobre este escritório
Cita: Jones, Rennie. "Clássicos da Arquitetura: Museu Tate Modern / Herzog & de Meuron" [AD Classics: The Tate Modern / Herzog & de Meuron] 12 Set 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/795096/classicos-da-arquitetura-museu-tate-modern-herzog-and-de-meuron> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.