O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Lei de Licitações: audiência pública debate a "contratação integrada"

Lei de Licitações: audiência pública debate a "contratação integrada"

Lei de Licitações: audiência pública debate a "contratação integrada"
Lei de Licitações: audiência pública debate a "contratação integrada", © Secom UnB, via Flickr. Licença CC BY 2.0
© Secom UnB, via Flickr. Licença CC BY 2.0

O Senado Federal realizou recentemente uma audiência pública com especialistas de diversos setores para debater a proposta para a nova Lei de Licitações. O debate realizado pela Comissão Especial de Desenvolvimento Nacional (CEDN) serviu para contrapor diversos argumentos que vêm sendo utilizados pelo governo federal para ampliar o uso da “contratação integrada”, modalidade de licitação em que a contratação é feita apenas com base em um anteprojeto, ou seja, sem um projeto completo.

A proposta que será votada na Comissão foi feita pelo senador Fernando Bezerra. Ela admite que os órgãos da administração pública possam realizar a “contratação integrada” em obras a partir de R$ 20 milhões. Segundo o senador, a vantagem é que o poder público transfere ao contratante os “riscos do projeto”.

Representando o Tribunal de Contas da União (TCU), o auditor Rafael Jardim destacou que essa transferência de riscos defendida pelo senador na verdade representa um aumento de custos. “Quanto mais detalhe o construtor tiver para oferecer a sua proposta, menos risco ele tem. Maiores incertezas vão levar a maiores custos”, disse. O Sindicato Nacional das Indústrias da Construção Pesada também tem restrições contra essa propalada transferência de riscos. “A transferência total de riscos ao particular tende a esvaziar as licitações, tornando-as ineficazes”, disse Caio Loureiro, representante do Sindicato. “A grande discussão que se tem hoje é a divisão do momento em que se tem projeto básico e o executivo, e a zona cinzenta que isso ocasiona para quem assume os riscos de projeto durante a execução da obra”.

O presidente do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva, José Roberto Bernasconi, apresentou diversos exemplos de obras feitas por meio da “contratação integrada” que apresentaram enormes problemas na fase de execução, como o VLT de Cuiabá, o Aeroporto de Fortaleza e a Refinaria Abreu e Lima. “Essa ideia de fazer processo licitatório rápido não se cumpriu. O que importa não é uma licitação rápida, mas entregar no prazo adequado uma obra de qualidade e a um preço justo”, afirmou.

Saiba mais na página do CAU/BR.

Cita: Romullo Baratto. "Lei de Licitações: audiência pública debate a "contratação integrada"" 04 Set 2016. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/794406/lei-de-licitacoes-audiencia-publica-debate-a-contratacao-integrada> ISSN 0719-8906