O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museu
  4. Espanha
  5. Rafael Moneo
  6. 1986
  7. Clássicos da Arquitetura: Museu Nacional de Arte Romana / Rafael Moneo

Clássicos da Arquitetura: Museu Nacional de Arte Romana / Rafael Moneo

Clássicos da Arquitetura: Museu Nacional de Arte Romana / Rafael Moneo
Clássicos da Arquitetura: Museu Nacional de Arte Romana / Rafael Moneo, © Flickr user James Gordon
© Flickr user James Gordon

Os arcos foram amplamente utilizados para marcar as maiores conquistas da civilização romana. Constantino, Tito e Septimus Severus construíram-nos para comemorar suas vitórias militares. Engenheiros em Segóvia e Nîmes incorporaram-nos em seus aquedutos revolucionários. E mil e quinhentos anos após a queda de Roma, Rafael Moneo deu um toque moderno à incrível estrutura antiga do Museu Nacional de Arte Romana de Mérida, localizado no local do antigo posto Ibérico de Emerita Augusta. Arcadas elevadas de arcos simples, semi-circulares, mesclam historicidade e projeto contemporâneo, criando um  acesso impressionante às ruínas de uma das maiores cidades do Império Romano.

© Flickr user Manuel Ramirez Sanchez A luneta da entrada. Imagem © Flickr user Tomas Fano Imagem © Flickr user Guzman Lozano © Flickr user Daniel Sancho + 16

© Flickr user Manuel Ramirez Sanchez
© Flickr user Manuel Ramirez Sanchez

A comissão de Moneo para o museu veio em 1979 como parte da celebração do Governo espanhol do aniversário de 2 mil anos da fundação de Emerita Augusta. Substituindo outro museu, do ano de 1838 no mesmo local, foi construído no meio de uma das maiores e mais bem preservadas cidades romanas na Europa Ocidental, imediatamente ao lado de um dos anfiteatros mais espetaculares e conservados do mundo - o Teatro Romano de Mérida.

O Teatro Romano, construído no final do primeiro século. Imagem © Wikipedia user Xauxa
O Teatro Romano, construído no final do primeiro século. Imagem © Wikipedia user Xauxa

Moneo, um arquiteto espanhol que, na época, estava desfrutando uma onda de publicidade após a conclusão do Logroño City Hall e do edifício Bankinter em Madri, foi uma escolha óbvia para o projeto, inaugurado com grande alarde em 1986.

A "nave" central. Imagem © Flickr user Alvaro Perez Vilarino
A "nave" central. Imagem © Flickr user Alvaro Perez Vilarino

Ocupando o lote do outro lado da rua do teatro, a maior parte do museu está contida dentro de um amplo edifício, onde o espaço é articulado por uma série de arcos de tijolos elevados acima do solo. Essa parte do edifício apresenta-se como uma visão moderna de uma basílica, com um pavimento superior de espaços de exposição que substituem os balcões dos lanternins situados em torno de um espaço central aberto tipo "nave". A luz natural ingressa no interior através de claraboias situadas acima dos arcos finos e preenche o espaço com um brilho morno. No subsolo, a "cripta" subterrânea mergulha os visitantes em uma escavação romana intocada da cidade antiga, permitindo ao museu conservar e exibir a arqueologia do terreno, ainda que interpretativamente replique sua arquitetura simultaneamente.

© Flickr user Fernando Carrasco
© Flickr user Fernando Carrasco

Alvenarias delgadas e alongadas, distintamente não-romanas em sua forma e uniformidade perfeita, dão ao museu sua aparência característica. Paredes, colunas e arcos são feitos do mesmo material, mas a aparência é muito longe de ser monótona; retalhos dourados com tonalidades avermelhadas pintam as paredes em agrupamentos pixelizados de cores, destacados pela iluminação dramática. Para Moneo, cuja obra exibe notável variação estilística, talvez seja esse controle cuidadoso e deliberado da luz que faça desse edifício característico de seus trabalhos. Como Robert Campbell escreveu em uma retrospectiva do arquiteto no Pritzker, "a manipulação da luz interior é magistral, uma lavagem de ouro em constante mudança. A luz contrasta com o pálido fantasmagórico das antiguidades expostas". [1]

Imagem © Flickr user Guzman Lozano
Imagem © Flickr user Guzman Lozano
© Flickr user Rafael del Pino
© Flickr user Rafael del Pino

Nessa textura espetacular de elementos verticais, Moneo articula uma forte polêmica sobre a historicidade e modernidade emprestando livremente motivos antigos e tornando-os contemporâneos de uma forma que não é cegamente uma imitação nem satiricamente redutora. As três faixas de arcos são alusões à alvenaria do teatro romano do outro lado da rua, envolvendo a totalidade do sítio arqueológico em um diálogo contínuo, afirmando um caráter próprio. Os tijolos são precisos, rítmicos, e bem dimensionados para evocar uma sensação de requinte única concebível em um projeto moderno, especialmente quando em parceria com as grades de ferro fino e as lajes de concreto dos pisos superiores. No entanto, há algo fundamentalmente atemporal sobre a simplicidade das estruturas e sua invocação clara de precedente Romana. As formas e materiais não pertencem ao presente ou ao passado, permitindo que o projeto unifique a brecha entre os dois, de um modo singular, digno de um museu arqueológico atual.

Arcos do Teatro Romano que inspirou Moneo. Imagem © Flickr user Rafa Perez
Arcos do Teatro Romano que inspirou Moneo. Imagem © Flickr user Rafa Perez
© Flickr user Daniel Sancho
© Flickr user Daniel Sancho

A interação do moderno e do antigo existe, mesmo ao nível mais conceitual da arquitetura do museu, equilibrando cuidadosamente as exposições com a imersão física na arqueologia intocada. Na "cripta" do museu, a escavação da antiga cidade está ritmicamente pontuada pela grade ordenada de colunas que suportam a estrutura acima, uma sobreposição ousada, mas sensível, de duas condições históricas díspares. Perto dali, uma estrada romana completa segue seu curso irregular pelo meio do museu, rompendo com a ortogonalidade arregimentada do projeto de Moneo, como se afirmasse sua autenticidade improvisada e presença inabalável em face da civilização moderna. Um túnel subterrâneo ainda envolve os visitantes com os maiores marcos de Emerita Augusta, conduzindo-os diretamente ao teatro romano e ao anfiteatro do outro lado da rua. Estes são elementos de um projeto totalmente guiado pelas condições únicas de seu sítio, demonstrando um compromisso para deliberar intencionalidade que prioriza programa e integridade temática sobre o ruído de arquitetura desnecessária.

Planta da "cripta". Cortesia de The National Museum of Roman Art
Planta da "cripta". Cortesia de The National Museum of Roman Art

Os espaços abobadados de exposição acima do solo apelam para a história ainda de outra maneira, apropriando-se do poder duradouro da ruína arquitetônica. A imagem icônica de abandono - um campo de colunas aleatórias que têm sobrevivido por muito tempo sem o teto que suportavam - evoca assombrosamente as principais galerias. Os enormes arcos estruturais que parecem capazes de suportar uma cobertura pesada são limitados por uma cobertura leve, vítrea, criam uma condição interior que aparenta ser totalmente exposta ao mundo exterior, como se o tempo tivesse desgastado lentamente a cobertura protetora da arquitetura. Como resultado, o espaço não é sobrecarregado pelo peso da cobertura tradicional e a experiência imersiva no sítio arqueológico é muito mais autêntica.

Corte Axonométrico. Cortesia do Arquiteto
Corte Axonométrico. Cortesia do Arquiteto
Nível da Cripta. Image © Flickr user Sarmale / Olga
Nível da Cripta. Image © Flickr user Sarmale / Olga

Em uma era em que as comissões de museus  frequentemente representam oportunidades para que os arquitetos imponham suas agendas pessoais com pouca sensibilidade para os objetos que se destinam a exibir, o museu de Moneo em Mérida é altamente consciente de seu propósito como um espaço de exposição do passado antigo da cidade . A arquitetura, independentemente de espetacular que seja, não serve para se promover descaradamente, mas para dramatizar as realizações da cultura romana sem ofuscá-la. É uma negociação magistral entre o antigo e o moderno, o inventivo e o referencial e um repensar bem-sucedido da tipologia do museu através da contextualização profunda.

[1] Campbell, Robert. "Thoughts on José Rafael Moneo." The Pritzker Architecture Prize Website. Acessado em 28 Out. 2014 de http://www.pritzkerprize.com/1996/essay.

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato. Cita: Langdon, David. "Clássicos da Arquitetura: Museu Nacional de Arte Romana / Rafael Moneo" [AD Classics: National Museum of Roman Art / Rafael Moneo] 31 Ago 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/794377/classicos-da-arquitetura-museu-nacional-de-arte-romana-rafael-moneo> ISSN 0719-8906