O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Como melhorar a educação da arquitetura: Aprender (e desaprender) a partir do método Belas Artes

Como melhorar a educação da arquitetura: Aprender (e desaprender) a partir do método Belas Artes

  • 15:00 - 25 Abril, 2016
  • por Michaela Wozniak
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Como melhorar a educação da arquitetura: Aprender (e desaprender) a partir do método Belas Artes
Como melhorar a educação da arquitetura: Aprender (e desaprender) a partir do método Belas Artes, © Steven Lin
© Steven Lin

Aprender a desenhar é difícil. Isso exige que os alunos aprendam uma maneira inteiramente nova de pensar e ver o mundo. Ainda requer todo um novo vocabulário. Então, a educação arquitetônica é justamente dura. No entanto, a escola de arquitetura é conhecida por ser difícil pelas razões erradas; o atelie é considerado um lugar místico em universidades cheias de alunos privados de sono que estão projetando simplesmente porque professores decretaram que eles devem-tanto quanto quando um não-estudante de arquitetura encontra um estudante de arquitetura na Quad  e ele imediatamente oferece suas condolências. Esta percepção existe porque a cultura do atelie ainda não evoluiu desde a sua hierarquia rígida, originária do método de ensino das Belas Artes [Beaux Arts], que prospera na competição e na intensidade e cria um terreno fértil para os estudantes insatisfeitos.

© Jeff So
© Jeff So

O período de Beaux Arts, em Paris, tinha quatro elementos principais: a escola, os atelies privados, o salão e o café [1]. A Escola foi a rígida, tradicional da pintura clássica e da arquitetura, que culminou com o Grand Prix de Rome, uma competição em que o vencedor iria receber uma bolsa integral para estudar em Roma. Nos pequenos atelies independentes, os alunos aprenderam diretamente com um "mestre" e todo o sucesso dos alunos refletia diretamente de volta ao seu mestre; sucesso reprodutivo, criando uma hierarquia rígida. O Salão anual de Paris foi o show em que os melhores trabalhos escolhidos por um júri foram exibidos ao público. Por fim, a vida parisiense de cafés foi a extensão informal dos atelies e da escola  em que as pessoas se reuniram para discutir projeto.

As escolas de arquitetura contemporâneas mantêm muitas das ideias centrais do método de Beaux Arts: a criação da concorrência e intensidade entre os alunos, a hierarquia rígida de alunos e professores, o júri ou o poder do professor para decidir sobre o melhor e trabalho. No entanto, as escolas hoje perderam o aspecto informal do café e com ele o espírito de discutir projeto em um ambiente mais informal. Se nós desmantelarmos a hierarquia rígida e a necessidade de concorrência e recriar o estilo do café informal de discussão de arquitetura e inovação nas escolas de arquitetura contemporâneas, em seguida, elas se tornariam melhores ambientes de aprendizagem e projeto.

© Flickr user ks_archi205-2009 licença CC BY-NC-ND 2.0
© Flickr user ks_archi205-2009 licença CC BY-NC-ND 2.0

Eu trabalho como um guia de turismo na Syracuse Faculdade de Arquitetura e sempre que eu faço uma excursão com os futuros alunos eu digo-lhes que a minha parte favorita na escola é a inclusão encontradas na escola de arquitetura. Eu digo a eles que somos uma escola única que tem um grande número de estudantes alojados no mesmo edifício, através do Slocum Hall. Digo-lhes que Slocum é maravilhoso porque dentro da sala de aula, laboratório de informática, ou mesmo o elevador você não pode iniciar uma conversa com alguém sobre o projeto. Digo-lhes que cada estudante, a partir dos primeiros anos até o quinto, está interessado em aprender uns com os outros e discutir o que está acontecendo nos atelies de cada um. E eu quero dizer isso. No entanto, há um ponto fraco nesta inclusão quando se trata de professores e da cultura de atelie.

Todos os anos o Concurso de Arquitetura da Syracuse  é realizado, em que cada estudante do segundo ano completa um desenho singular em resposta a uma solicitação. Quando o meu ano participou da competição em que todos nó trabalhávamos lado a lado animadamente discutindo todos os desenhos, fascinados com a forma como mais de cem alunos interpretou o programa de forma diferente. Em seguida, os professores chegaram. Eles anunciaram os vencedores do concurso e desmontaram o ambiente de projeto divertido em que os estudantes tinham naturalmente promovido. Todos os alunos foram celebrando a diversidade de interpretação, ideias e estilos de produção, mas pela imposição de "certo" e "errado", designações projeto dos professores, criou-se uma cultura atelie competitiva negativa em que os alunos cujo trabalho não foi selecionado, de repente, envergonham-se por sua produções e ficaram simplesmente infelizes.

© Ien Boodan
© Ien Boodan

É claro que a cultura do atelie ainda precisa de críticas e feedback dos professores. No entanto, a hierarquia rígida dos professores e jurados sendo a único posse de conhecimento sobre o assunto torna impossível diálogos de projeto. Escolas devem nivelar o campo de jogo, convidando os alunos e os professores. Ao fazê-lo, as escolas de arquitetura se tornariam lugares que alunos e professores, com a mesma paixão, podem se unir para inspirar-se e aprender uns com os outros.

O atelie mais produtivo em que já estive, foi com o meu primeiro professor, Sekou Cooke, que insistiu em ser chamado pelo seu primeiro nome. A maneira como ele o viu, no prazo de cinco anos que seriam seus colegas, então porque não começar a agir como agora? Essa foi uma declaração lógica, mas era completamente nova para nós porque muitos professores forçam a hierarquia em que os alunos devem respeitar e até mesmo muitas vezes com medo dos professores. Em seu atelie toda sexta-feira, tivemos de expor nosso trabalho e comentar sobre cada projeto individualmente. Sekou exigia que afirmássemos a nossa opinião, no formato de "O que funciona é ____. O que não funciona é ____. E o que poderia ser feito de forma diferente é ____. "Como um calouro que era insuportável. E, em seguida, no meio do semestre, compreendi. Fomos obrigados a seguir este formato porque estávamos aprendendo a olhar para projetos e considerar os sucessos, as falhas para a melhoria de cada projeto. Era essencial para que possamos aprender a olhar criticamente para o nosso próprio trabalho e dar feedback aos nossos colegas, sem o professor decretando o que era correto e incorreto em cada projeto. Ele também deixou espaço para melhorias em cada projeto, permitindo que cada aluno continuasse a trabalhar para melhorar o seu projeto e ser o melhor arquiteto possível.

Sekou Cooke escuta aluno na Syracuse University's Architecture Thesis Prep Showcase em 2014. Imagem © Stephen Sartori
Sekou Cooke escuta aluno na Syracuse University's Architecture Thesis Prep Showcase em 2014. Imagem © Stephen Sartori

Já houve esforços para pesquisar o potencial dos atelies de arquitetura de colaboração, mais notavelmente pelo projeto Pedagogias Radicais na Princeton University School of Architecture [2]. Trabalhando ao lado de seus alunos de doutorado deste projeto político liderado por Beatriz Colomina investigou sobre a educação arquitetônica e do potencial para a colaboração na escola de arquitetura. A ideia de colaboração dentro da escola de arquitetura coincide perfeitamente com a realidade de que todas as empresas de arquitetura funcionam devido a colaboração.

Mas mesmo que as "Pedagogias radicais" exploradas por Colomina e sua equipe são muito inovadoras para a educação arquitetônica mainstream, escolas de arquitetura necessitam afrouxar as suas estruturas de acordo com os estudantes, membros do corpo docente e os funcionários considerados iguais no campo do projeto. A reintrodução do estilo do café parisiense informal de discussão de projeto e colaboração permitiria escolas de arquitetura a promover a inovação arquitetônica, e seria um passo para a criação de uma plataforma de respeito mútuo, onde alunos e professores podem ser inspirados e aprender uns com os outros. Deixando para trás a hierarquia do conhecimento e à execução de "corrigir" projetada nas escolas, que estariam mais abertas a experimentação e inovação. Se nós podemos criar mais momentos como no início do meu curso, quando apreciamos o trabalho uns dos outros e nos esforçamos para aprender uns com os outros, então a percepção no campus iria mudar.

Michaela Wozniak está em seu terceiro ano na Syracuse University School of Architecture, com uma graduação duplo em geografia. Ela nasceu em Cambridge, MA e está interessada em prosseguir uma carreira em desenho urbano.

Referências:

  1. John Singer Sargent Virtual Gallery. Updated Dec. 13, 2014.
  2. Radical Pedagogies. Princeton University School of Architecture.

Cita: Wozniak, Michaela. "Como melhorar a educação da arquitetura: Aprender (e desaprender) a partir do método Belas Artes" [How to Improve Architectural Education: Learning (and Unlearning) From the Beaux Arts Method] 25 Abr 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/785980/como-melhorar-a-educacao-arquitetonica-aprender-e-desaprender-a-partir-do-metodo-beaux-arts> ISSN 0719-8906
Ler comentários