Sesc São Paulo promove encontros para discutir a importância artística e social das intervenções urbanas

Sesc São Paulo promove encontros para discutir a importância artística e social das intervenções urbanas

Quem vê São Paulo do alto se espanta com a grandeza e o cinza da cidade. A selva de pedras vista de cima causa uma sensação quase claustrofóbica, uma falsa impressão de que não há vida debaixo das sombras dos arranha-céus. Mas, se por um lado a falta de planejamento criou um caos urbanístico, por outro, as ruas, praças, becos e vielas da metrópole revelam-se verdadeiras galerias de arte ao ar livre. São Paulo é uma cidade que se apresenta através de suas intervenções urbanas.

São muitos os exemplos que reforçam que Sampa é um gigante palco a céu aberto. Na zona oeste, um pequeno beco apertado da Vila Madalena chama a atenção.  É o “Beco do Batman”. As paredes de ambos os lados são grafitadas e os desenhos são trocados periodicamente, fazendo que a galeria renasça de tempos em tempos. Perto dali, em meio a edifícios históricos e cortiços mal conservados no bairro da Luz está o enorme painel estilo pop-art de Daniel Melim, e não muito longe dali, nas ruas do centro, estátuas vivas permanecem imóveis por horas, contrastando com o vai e vem frenético dos moradores da cidade.

Para discutir a arte urbana e as intervenções artísticas em São Paulo, o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc inicia, a partir do dia 14 a série de encontros “São Paulo: a cidade apresentada por suas intervenções urbanas”, que reunirá artistas e especialistas para discutir facetas da arte urbana e seus impactos visuais, sociais e artísticos.

Serão quatro encontros. No primeiro, o artista Helder Oliveira e a psicóloga Marília de Freitas Pereira falam sobre os potenciais da intervenção urbana na construção de sentidos do mundo no encontro “Na São Paulo da (In)visibilidade: desvelando histórias e direitos”. No segundo encontro, o artista Alexandre Orion discute como as intervenções urbanas contribuem para um ambiente mais democrático e acolhedor numa cidade de modelo urbanístico desigual e segregatório como São Paulo. Djan Ivson e o doutor Alexandre Pereira participam do terceiro encontro falando sobre pichação e sua possível legitimidade como forma de manifestação artística. Para finalizar, Eugênio e Maurinete Lima, membros fundadores do grupo Frente 3 de Fevereiro, falam sobre as experiências a frente desse grupo de pesquisa e intervenção artística que tem como foco o estudo e combate ao racismo na sociedade brasileira.

SÃO PAULO: A CIDADE APRESENTADA POR SUAS INTERVENÇÕES URBANAS

  • Quando: 14/04 a 06/05 (terça, quartas e quinta, 19h às 21h30)
  • Onde: Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo
  • Endereço: Rua Dr. Plínio Barreto, 285, 4º andar (prédio da FecomércioSP) – São Paulo/SP
  • Custo: R$18 a R$60
  • Inscrições: pelo site sescsp.org.br/centrodepesquisaeformacao ou nas unidades do Sesc em São Paulo
  • Informações: (11) 3254 -5600

  • Título

    São Paulo: A cidade apresentada por suas intervenções urbanas
  • Website

  • Organizadores

  • De

    14 de Abril de 2015 07:00 PM
  • Até

    06 de Maio de 2015 09:30 PM
  • Onde

    entro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo
  • Endereço

    Rua Doutor Plínio Barreto, 285 - Bela Vista, São Paulo - SP, Brasil

Este evento foi enviado por um usuário de ArchDaily. Se você quiser, pode também colaborar utilizando "Enviar um evento". As opiniões expressas nos anúncios enviados pelos usuários archdaily não refletem necessariamente o ponto de vista de ArchDaily.

Cita: "Sesc São Paulo promove encontros para discutir a importância artística e social das intervenções urbanas" 12 Abr 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/765203/sao-paulo-a-cidade-apresentada-por-suas-intervencoes-urbanas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.