Exposição “Escritório Ramos de Azevedo” no Centro Cultural Correios São Paulo

Exposição “Escritório Ramos de Azevedo” no Centro Cultural Correios São Paulo

O Centro Cultural Correios São Paulo apresenta, até 17 de março, a exposição “Escritório Ramos de Azevedo: a arquitetura e a cidade”, com fotos, desenhos e plantas que revelam a história da equipe por trás de um dos grandes nomes da arquitetura paulista e seus projetos que contribuíram para a modernização da cidade em franco crescimento.

Organizada pela Restarq/Via das Artes, com o apoio da Lei Rouanet – Lei Federal de Incentivo à Cultura -, a mostra tem como objetivo levar a público arquivos desconhecidos pela maioria da população e até inéditos, que retratam as transformações de São Paulo de 1886 a 1965.

A história dos legados e bastidores do Escritório Ramos de Azevedo é contada em mais de 100 imagens e documentos, distribuídos em 80 painéis e três vitrines. O acervo conta com imagens selecionadas do Arquivo Histórico de São Paulo, digitalizadas em parceria entre a Prefeitura de São Paulo e a Universidade de São Paulo (USP). A mostra também se destaca por ser a primeira a trazer coleções particulares cedidas pelos herdeiros dos projetistas do escritório de Ramos de Azevedo.

Quatro momentos da história - Sob a curadoria de Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno e com a consultoria de Nestor Goulart Reis, ambos docentes da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), a exposição foi dividida em quatro módulos.

Teatro Municipal de São Paulo. Image Cortesia de Imagem de divulgação
Teatro Municipal de São Paulo. Image Cortesia de Imagem de divulgação

O primeiro, “Dr. Ramos de Azevedo e seus parceiros – 1886-1928”, retrata o espírito empreendedor do arquiteto ao montar uma empresa capaz de cuidar de pormenores desde a concepção do projeto até a execução da obra. Em seu auge, em 1890, o seu escritório chegou a contar com 500 colaboradores, incluindo projetistas, marceneiros, engenheiros, mestres de obras e operários.

O segundo módulo, “As obras públicas – 1886-1928”, apresenta fotos e desenhos com fortes apelos estéticos dos projetos desenvolvidos especialmente para a São Paulo em crescimento. Entre os destaques estão as imagens ampliadas e plantas técnicas dos edifícios símbolos da cidade, como a sede dos Correios e Telégrafos (que concentrou a expansão da cidade na região central, em direção ao Boulevard São João), o Palácio das Indústrias, a Secretaria da Agricultura e muitos outros.

Edifício Ramos de Azevedo. Image Cortesia de Imagem de divulgação
Edifício Ramos de Azevedo. Image Cortesia de Imagem de divulgação

O acervo inclui ainda desenhos de móveis, revelando uma faceta pouco conhecida dos escritórios de arquitetura daquela época: os projetos arquitetônicos eram criados como um conjunto, contemplando inclusive a arquitetura de interiores e o design dos objetos. Entre projetos mobiliários que chamam atenção pela riqueza de detalhes e sutileza estão os das bancas de venda do Mercado Municipal.

Além dos prédios públicos, concentrados sobretudo na região central, o Escritório Ramos de Azevedo também criou diversos projetos para empresários, banqueiros e investidores. Assim, o módulo “Empresário e capitalista: as obras para particulares – 1886-1928” reúne plantas e desenhos de edifícios para estabelecimentos como o Banco di Napoli, hotéis, fábricas e palacetes para classe média e alta nos novos bairros.

Edifício Villares. Image Cortesia de Imagem de divulgação
Edifício Villares. Image Cortesia de Imagem de divulgação

Já a última parte da mostra, “A Segunda fase: Escritório F. P. Ramos de Azevedo, Severo & Villares – 1928-1965” retrata o período após a morte do arquiteto, marcado por edifícios cada vez mais altos e com a forte influência do Art Décô. Capitaneado por Arnaldo Dumont Villares e com aproximadamente 50 colaboradores, o escritório realizou proezas da engenharia como o Edifício Britânia, erguido nas encostas do Vale do Anhagabaú, a partir do congelamento do solo do edifício vizinho, o Liberty Paulista, por dois longos anos. Na época também foram realizadas outras obras importantes, como o Estádio do Pacaembu e seus móveis em estilo Art Décô, projetados em sintonia com a estética dos edifícios.

Exposição “Escritório Ramos de Azevedo: a arquitetura e a cidade”

  • Data: até 17 de março
  • Local: Centro Cultural Correios São Paulo – Av. São João, s/nº - Centro
  • Telefone: (11) 3227-9461
  • Entrada franca
  • Horário: de terça a domingo, das 11h às 17h.
  • Visita monitorada: terças a domingo, das 11h às 17h.
  • Informações e agendamento de visita monitorada: tel. (11) 5083 4360 ou pelo e-mail viadasartes@viadasartes.com.br
  • Capacidade: 150 pessoas
  • Acesso para portadores de necessidades especiais

Sobre este autor
Cita: Romullo Baratto. "Exposição “Escritório Ramos de Azevedo” no Centro Cultural Correios São Paulo" 10 Fev 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/761941/exposicao-escritorio-ramos-de-azevedo-no-centro-cultural-correios-sao-paulo> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.