O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Comentários da crítica sobre os Museus de Arte de Harvard de Renzo Piano

Comentários da crítica sobre os Museus de Arte de Harvard de Renzo Piano

  • 07:00 - 13 Dezembro, 2014
  • por
  • Traduzido por Arthur Stofella
Comentários da crítica sobre os Museus de Arte de Harvard de Renzo Piano
Comentários da crítica sobre os Museus de Arte de Harvard de Renzo Piano, © Nic Lehoux
© Nic Lehoux

Com a abertura dos Museus de Arte de Harvard há algumas semanas, Renzo Piano foi capaz de finalmente completar um projeto que, sob diversas formas, está em andamento há 17 anos. A relação entre Piano e Harvard teve início em 1997 com um plano para construir uma nova filial do Museu Fogg no rio Charles e terminou, após objeções de moradores e, em seguida, com a recessão de 2008, na decisão de consolidar três museus da universidade (The Fogg, Busch-Reisinger e Arthur M Museus Sackler) sob o mesmo teto.

Com sua longa história, espaço restrito, e fachada do Museu Fogg original e o complicado vizinho - o Centro Carpenter para as Artes Visuais de Le Corbusier -, o projeto dos Museus de Arte de Harvard causaria inevitavelmente uma agitação assim que fosse concluído. Descubra na continuação o que os críticos disseram.

© Nic Lehoux © Michel Denancé © Nic Lehoux Cortesia de Renzo Piano Building Workshop + 9

O pátio central: "uma jogada corajosa tão forte que puxa todo o diversificado complexo junto", de acordo com Robert Campbell. Imagem © Michel Denancé
O pátio central: "uma jogada corajosa tão forte que puxa todo o diversificado complexo junto", de acordo com Robert Campbell. Imagem © Michel Denancé

"Como fazer para acumular tanta coisa em um terreno que é muito pequeno e ainda obter um grande edifício de um arquiteto famoso? Resposta: É impossível."

Escrevendo para o Boston Globe, Robert Campbell parece bastante descontente, apesar do desabafo acima, ele tem a cortesia de começar com as boas notícias.

"Há uma jogada corajosa tão forte que puxa todo o diversificado complexo junto. O átrio, uma torre de ar vazia que começa no amado pátio do velho Fogg, sobe diretamente através de aberturas generosas nos andares superiores e rompe através o telhado para formar uma cúpula que se parece com uma explosão de vidro ".

No entanto, assim que comenta sobre o exterior do edifício, o generoso espírito se perde. Descrevendo o revestimento da extensão de cedro amarelo, ele diz que "as tiras são espaçadas de forma diferente em lugares diferentes, um detalhe tão delicado que ele se parece com um erro de construção."

"As coisas não melhoram conforme você explorar os arredores", acrescenta. "Um passeio público passa por um pátio de serviço sombrio e afundado. A rampa de pedestres...é uma caricatura da rampa elegante ao lado, no Centro Carpenter." (Esta não é a última vez que você vai ouvir desta rampa de pedestres.)

Campbell conclui que "os HAM não são um dos triunfos de Piano. A universidade e seu arquiteto criaram um edifício planejado, que não se realiza como uma obra arquitetônica. " É, entretanto, digno de um infográfico detalhado pavimento por pavimento no Boston Globe que vale a pena ser visto.

"A partir da entrada de frente para o Harvard Yard você não pode sequer ver o novo teto de vidro", diz Jason Farago, uma característica que está "embelezando o campus de Harvard, sem perturbar-lo". Imagem © Michel Denancé
"A partir da entrada de frente para o Harvard Yard você não pode sequer ver o novo teto de vidro", diz Jason Farago, uma característica que está "embelezando o campus de Harvard, sem perturbar-lo". Imagem © Michel Denancé

"Uma renovação radical disfarçada de uma intervenção modesta"

Jason Farago, do The Guardian,é muito mais entusiasmado com o projeto de Piano, abrindo com um parecer exatamente oposto ao de Campbell.

"Harvard é um de seus melhores projetos, talvez por ter enfrentado sérias restrições."

Para Farago, a chave para o sucesso de Piano parece estar em ter feito tão pouco quanto possível, visualmente, para perturbar o delicado equilíbrio do campus de Harvard:

"A mistura de tijolo, madeira e vidro do lado de fora não é nada espetacular, mas talvez seja melhor para embelezar o campus de Harvard sem perturbar-lo, e a partir da entrada de frente para o Harvard Yard você sequer pode ver o novo teto de vidro"

Ele tem apenas uma objeção importante: novamente a rampa de pedestres. Segundo Farago, "não é uma boa jogada. Ela diminui o trabalho de Piano, como se tudo o que ele estava oferecendo fosse um tecido conectivo, e afronta o Centro Carpenter, que deveria ter sido deixado em paz."

"Uma vez que o edifício se eleva acima das limitações de seu terreno parece limpar seu topo, libertando-se para o céu." diz Heathcote. Imagem © Nic Lehoux
"Uma vez que o edifício se eleva acima das limitações de seu terreno parece limpar seu topo, libertando-se para o céu." diz Heathcote. Imagem © Nic Lehoux

"Na verdade, ele fez algo melhor. Mas, para um projeto que custa US$ 350 milhões, seria o melhor suficiente?"

No Financial Times, Edwin Heathcote não acredita na crença de Farago em uma intervenção leve:

"Piano é mais silencioso do que Le Corbusier, menos bombástico, mas às vezes a arquitetura exige massa e sombra, escuridão, assim como luz. Sua arquitetura aqui parece frágil, insegura de si mesma."

Quanto ao dilema de como responder à única construção de Le Corbusier nos Estados Unidos, Heathcote é contundente:

"Qualquer que seja a resposta certa, esta não é. Em termos de paisagem urbana, o primeiro vislumbre do novo edifício ao se virar a esquina é horrível - uma fachada inconsistente, fina como papel, que parece como que ainda à espera de um revestimento e uma janela saliente apoiada em uma desajeitada treliça. "

Uma vez dentro, Heathcote se impressiona muito mais, descrevendo o pátio central como "leve, brilhante e com a solidez e complexidade que o exterior não apresenta", embora acrescente que "a combinação de pedra clássica embaixo e aço e vidro em cima é um pouco reminiscente de uma estação de trem do século XIX ".

Para Heathcote, os espaços mais impressionantes são aqueles dentro da própria pirâmide de vidro na cobertura, dizendo: "uma vez que o edifício se eleva acima das limitações de seu terreno, parece limpar seu topo, libertando-se para o céu." No entanto, em última análise, "Se Harvard - e Cambridge - poderiam ter esperado mais de seu investimento, isso é uma outra questão."

"Não é uma boa jogada", "desajeitosamente costurado em" e "uma caricatura da elegante rampa ao lado." A interação entre a rampa do Centro Carpenter de Le Corbusier e própria rampa de acesso de Piano é a característica do projeto que tem sido universalmente criticada. Imagem © Nic Lehoux
"Não é uma boa jogada", "desajeitosamente costurado em" e "uma caricatura da elegante rampa ao lado." A interação entre a rampa do Centro Carpenter de Le Corbusier e própria rampa de acesso de Piano é a característica do projeto que tem sido universalmente criticada. Imagem © Nic Lehoux

"Diversamente indescritível, sedutor e insistente"

Escrevendo para o Architectural Record, James S Russell na maior parte do tempo elogia a edificação, particularmente considerando a complexidade do projeto:

"Piano conseguiu encaixar perfeitamente as peças desse quebra-cabeça em um projeto que vizinhos vigilantes considerariam aceitável em tamanho (20.000 m²) e estilo."

Longe da analogia da estação ferroviária de Heathcote, Russell fica particularmente impressionado com o pátio central, onde ele diz que "vemos Piano delicadamente obscurecer a linha entre o antigo e o novo", e também elogia o exterior do edifício, dizendo que ele "dribla o Centro Carpenter, vizinho da edificação de artes visuais de 1963 de Le Corbusier, mas mantém uma distância respeitosa. "

Sua única objeção? Tente adivinhar:

"Infelizmente, Piano pega o final da icônica rampa que corta o Carpenter conforme desce em direção ao Prescott e, de forma desajeitada, o costura em sua rampa de acesso para cadeiras de rodas."

Sobre este autor
Cita: Stott, Rory. "Comentários da crítica sobre os Museus de Arte de Harvard de Renzo Piano" [Critical Round-Up: Renzo Piano's Harvard Art Museums] 13 Dez 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Stofella, Arthur) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/758888/comentarios-da-critica-sobre-os-museus-de-arte-de-harvard-de-renzo-piano> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.