O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. “Battle of Ideas: What is architecture for?” no Porto

“Battle of Ideas: What is architecture for?” no Porto

“Battle of Ideas: What is architecture for?” no Porto
“Battle of Ideas: What is architecture for?” no Porto, Cortesia de Dédalo
Cortesia de Dédalo

Em meio a uma crise econômica global em que o dinheiro está cada vez mais escasso mesmo para o essencial da subsistência, seria a “arquitetura” algo descartável – um luxo desnecessário numa era de austeridade? É amplamente reconhecido que precisamos construir infraestruturas – hospitais, casas, escolas e mesmo cidades – mas realmente importa o aspecto dessas construções? Precisamos de universidades, aeroportos e edifícios comerciais, mas eles precisam ser produzidos por arquitetos? As cidades chinesas em expansão são certamente o produto de uma economia muito mais dinâmica que aquela em vigor no mundo ocidental. Mas na China também, o crescimento não ocorre necessariamente acompanhado de uma boa arquitetura. Afinal, isso importa?

Em Portugal, onde 40% dos graduados em arquitetura estão desempregados e construções inacabadas povoam a paisagem, como os arquitetos deveriam responder aos críticos que argumentam que os profissionais da arquitetura estariam melhor fazendo algo completamente diferente? Com a recente Trienal de Lisboa expandindo a definição da arquitetura para muito além do que é aceito convencionalmente, projeto e construção cederam espaço para o “diálogo”, “colaborações multidisciplinares” e “engajamento social”. Seriam essas ambições nebulosas representações da insegurança e perda de direção? Ou são uma consequência bem vinda de um momento de reflexão? Os arquitetos precisam mesmo fazer edifícios – não poderiam ser artistas, críticos e filósofos? No futuro, poderão (ou deverão) os arquitetos ajudar a sociedade de outros modos?

De fato, a arquitetura hoje é raramente discutida em seus próprios termos (possivelmente porque poucos arquitetos sequer afirmam saber o que são esses “termos próprios”). Como consequência, muitos tendem a justificar ou defender seus trabalhos em vez de explica-los. De fato, os arquitetos são mais propensos a enfatizar a contribuição moral do projeto para uma infinidade de questões, incluindo o consumo responsável, a inclusão social e o modo de vida sustentável, dando pouca atenção ao projeto em si. Assim, racionalizar, construir comunidades sustentáveis, adaptar-se ao clima, promover a saúde, minimizar distâncias, promover o projeto responsável, priorizar o localismo, reciclar e reduzir a pegada ambiental – em outras palavras, medidas sócio-políticas – parecem ser sinônimo do dever profissional do arquiteto e emblemáticas de uma boa arquitetura.

Assim, essa sessão questiona se a arquitetura é realmente necessária. Ela oferece o recurso transitório da forma ou deveria elevar os espíritos eternos? Trata-se de grandes ideias ou realidades práticas? Será que a arquitetura tem que ser “para” alguma coisa?

Oradores: 

  • Alastair Donald, Projeto Future Cities, Londres 
  • Carlos Castanheira, C. Castanheira & C. Bastai, Arquitetos 
  • Gabriela Vaz-Pinheiro, Artista, Universidade do Porto 
  • Joaquim Moreno, Arquiteto e professor visitante, UAL
  • Luís Tavares Pereira, [A] ainda arquitectura

Moderador: 

  • Alan Miller, Empresário, Nova Iorque/Londres

Battle of Ideas: What is architecture for?

  • Data: 05 de novembro, quarta-feira
  • Horário: 21h30
  • Local: Maus Hábitos
  • Endereço: Rua Passos Manuel 178, 4º Piso, Porto, Portugal 
  • Ingressos: 3 euros, à venda no local a partir das 20h30

O evento é promovido pelo Institute of Ideas de Londres e produzido por Alastair Donald e Luis Tavares Pereira e parceria com Maus Hábitos, Dédalo e Canal 180

Sobre este autor
Romullo Baratto
Autor
Cita: Romullo Baratto. "“Battle of Ideas: What is architecture for?” no Porto" 03 Nov 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/756528/battle-of-ideas-what-is-architecture-for-no-porto> ISSN 0719-8906