O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Cinema e Arquitetura: "Robocop (1987)"

Cinema e Arquitetura: "Robocop (1987)"

Cinema e Arquitetura: "Robocop (1987)"
Cinema e Arquitetura: "Robocop (1987)"

Paul Verhoeven pegaria o mundo do cinema desprevenido em 1987, quando atrás de um filme de ação cheio de violência excessiva e um humor grotesco, apresentava uma crítica sócio-política sobre temas tão atuais como os efeitos negativos do capitalismo neoliberal, a corrupção, o narcotráfico e os perigos da tecnologia ao cair nas mãos erradas. As cenas de ação, como uma realização impecável, são vitais e refrescantes para o filme tal qual os cortes informativos onde a sociedade é retratada como um ente que perdeu o rumo e se encontra em total decadência ética e econômica.

A história nos leva para um futuro próximo -  ainda vigente -  na cidade de Detroit, a qual sofre grande depressão econômica e onde os serviços públicos caíram nas mãos da toda poderosa corporação OCP, a qual controla a cidade sem nenhum reparo. A criminalidade se tornou incontrolável na cidade e com grande poderio de armas de fogo supera de longe a polícia, que sem recursos, se tornam carne de canhão frente ao desejo da OCP de liberar o caminho para sua grande utopia: Cidade Delta.

O objetivo da OCP, igual a qualquer grande corporação atual, é a de melhorar seus lucros, e neste caso, criando um novo centro empresarial e de comércio, onde as pessoas podem depositar seu dinheiro e tornar a empresa ainda mais poderosa. Dentro dos seus planos não existe uma vontade humanista, a imagem de uma nova cidade limpa é somente uma fachada para justificar sua intervenção sobre os velhos bairros de Detroit.

O trabalho de Verhoeven pode possivelmente soar exagerado, já que dentro de um filme de duração limitada é necessário exaltar as características de seus personagens, mas de nenhuma maneira carece de fundamento. A corporação maligna, o governo inoperante, o narcotráfico dominante e uma sociedade encurralada são um retrato fidedigno da verdadeira cidade de Detroit. Esta já foi uma das mais importantes e proeminentes cidades do seu país, mas devido ao desenvolvimento linear do capitalismo neoliberal, uma vez desaparecido seu poderio econômico, a cidade veio abaixo.

A cidade é um exemplo vivo das consequências que o desenvolvimento neoliberal está tendo no resto do mundo. Paulatinamente em todas as cidades do mundo os serviços tem se privatizado, respondendo à lógica do mercado e não à uma lógica social e humanitária. Aqueles que tem dinheiro podem viver com qualidade de vida, enquanto aqueles que não possuem recursos financeiros vivem em ambientes degradados, marginalizados e sem oportunidades para seu desenvolvimento. O papel do governo, uma vez encarregado do planejamento do desenvolvimento, se voltou cada vez mais para um papel de administrador, que de maneira ineficiente e corrupta, vê na cidade uma oportunidade de fazer negócio e dar a concessão aos projetos de investimento para a melhor proposta da iniciativa privada.

O papel de um policial transformado em máquina, além de uma ideia atraente por sua relação com a "singularidade", está no subtexto tão somente como uma crítica para a mecanização da sociedade humana. Dentro da economia, onde o dinheiro manda, o homem não é outra coisa do que um fator falível e imprevisível ao qual se pode substituir das atividades econômicas por máquinas, muito mais eficientes e que não geram direitos nem benefícios.

Mecanizar a sociedade se traduz então por incrementar os lucros em todos os setores a formam. O homem então deixa de ser primordial na produção para tornar-se um consumidor. Robocop não é mais que um servente de interesses econômicos, que consegue liberar-se graças ao que lhe resta da sua humanidade. No nosso contexto atual, quanto nos resta de humanidade para sairmos deste esquema de desenvolvimento no qual apenas o dinheiro é importante?

Singularidade Tecnológica

Também conhecida simplesmente como "Singularidade", termo com o qual nos referimos à um possível cenário futuro onde o progresso na tecnologia e mudanças dentro da sociedade darão um passo gigante devido a uma inteligência superior a humana. Esta mudança seria tão drástica que resultaria incompreensível para todos aqueles seres anteriores ao evento em si. Esta mudança se aproxima mediante a utilização de máquinas cada vez mais complexas para o desenvolvimento de novos inventos e descobrimentos.

Segundo o cientista e escritor Vernor Vinge, a singularidade pode ser alcançada por quatro caminhos diferentes: 

a) Super inteligência artificial, criada em princípio pelos humanos para que nos iguale e posteriormente nos supere, nos guiando para uma nova era de desenvolvimento.

b) Uma super inteligência coletiva, onde estejam conectadas as máquinas e os humanos formando um super cérebro.

c) Super inteligência híbrida, onde o humano se funde com máquinas para aumentar suas capacidades como um ciborgue e superar sua condição biológica finita.

d) Super inteligência biológica, onde a aposta é pela engenharia genética para a criação de humanos com capacidades superiores as dos humanos médios.

CENAS CHAVE

1. A Torre da OCP / Dallas City Hall

A sede da corporação OCP é retratada dentro do filme como um grande arranha-céu graças ao CGI (computação gráfica). Entretanto na realidade se trata da pequena Prefeitura da cidade de Dallas.

2. O Poderio Econômico se reflete nas Alturas

O interior da torre da "Praça das Américas" no Centro da cidade de Dallas. Novamente com CGI (computação gráfica) é criado um ambiente avassalador em relação a sua altura.

3. A Cidade Delta. Utopia empresarial

A mega corporação OCP comprou serviços da cidade para transformá-la em um novo centro financeiro. Para eles a cidade é somente mais um negócio na agenda.

4. O poderio de uma Empresa Global

Os serviços que a OCP abarcam todos os âmbitos: militar, espacial, exploração marítima, hospitais e prisões. Isso os da poder econômico e um grande controle sobre a sociedade.

5. Automatização da Sociedade

No seu desejo de mecanizar os falíveis agentes da lei, a OCP propõe a utilização de agentes robóticos. Para eles, a segurança não é outra coisa senão um investimento de relação custo/benefício.

6. Conflito pelo Poder Econômico

A segurança da cidade não é importante para os executivos da OCP. Mesmo quando a criminalidade diminui, seu único interesse é o dinheiro e escalar melhores postos dentro da empresa.

7. O auge da Criminalidade / Uma cidade em crise

A cidade se encontra em crise. Os criminosos conseguem fugir pelas largas avenidas desertas e refugiam-se nas numerosas indústrias que se encontram abandonadas e falidas.

8. Segregação do Território da Cidade

Diferentemente do resto da população, Murphy pode bancar os custos dos serviços, vivendo nos subúrbios. O resto da população vive sem os serviços nas zonas miseráveis cidade adentro.

9. Uma Cidade açoitada pelo Crime

As ruas de Detroit, desertas de gente, são atordoadas por criminosos, que diariamente atacam a população. Nos anúncios é ofertado um futuro mais brilhante, mas o presente é incerto.

10. Detroit, um Lugar sem Oportunidades

As poucas pessoas que trabalham de maneira honesta o fazem em trabalhos medíocres. ainda quando se educam, dentro da cidade não há recompensa nem oportunidade para seus esforços.

11. Domínio e Impunidade do Narcotráfico

Aproveitando-se da desgraça da população o narcotráfico estende seu domínio sobre os bairros pobres. A polícia não pode enfrenta-los frente o seu maior poder de fogo.

12. A Greve Policial / The Devil's Night

Frente a falta de vigilância, a cidade inteira se encontra em um campo de jogo para a criminalidade. tristemente é um retrato muito fiel do que acontece na Detroit da realidade atual.

13. Um Cordero em Território de Lobos

Um novo agente é transferido pela OCP para a velha e marginalizada Detroit. Vindo dos subúrbios, Murphy tem aparência bronzeada e jovial. Não é mais do que carne de canhão no território hostil.

14. Violência Excessiva e Crueza na Imagem

Murphy é brutalmente assassinado por um bando criminosos. A violência do filme é explícita e busca incomodar ao espectador para terem consciência da situação radical da cidade.

15. O Habitat do Espírito Humano

Arrebatada a sua humanidade, Murphy é convertido em uma ferramenta que obedece ao seu criador. Entretanto dentro dele, sua velha personalidade começa a emergir paulatinamente.

16. Realidade sem Lealdade nem Companheirismo

Mesmo quando é um agente da lei, seus próprios companheiros disparam frente as ordens da OCP. Sabem que desobedecer é perder seus empregos, mesmo quando o que fazem é incorreto.

17. Defeito no Ideal Mecânico

Em um combate desigual, Robocop obtém vantagem graças a sua humanidade. As máquinas resultam obsoletas sem uma consciência e um juízo humano que as guie.

18. O Triunfo do Espírito Humano

Ao final da trama, Murphy não só recupera sua identidade, mas também recupera suas emoções. A tentativa da OCP de criar uma sociedade mecanizada fracassa.

FICHA TÉCNICA

Data de Lançamento: 17 de Julho de 1987
Duração: 102 min.
Gênero: Ação / Ficção Científica
Diretor: Paul Verhoeven
Roteiro: Edward Neumeier / Michael Miner
Fotografia: Sol Negrin / Jost Vacano

SINOPSE

Em um futuro próximo, a cidade de Detroit está no limite de colapso devido a ruína financeira e ao crime organizado. A mega corporação OCP privatizou os serviços da cidade, incluindo a força policial, com planos de erigir a utópica "Cidade Delta" sobre a zona mais velha e pobre da metrópole.

Para combater a criminalidade, a OCP busca integrar agentes robóticos à lei, mas todos seus projetos até agora fracassaram. Um jovem executivo, Bob Morton propõe um programa ciborgue chamado "Robocop", o qual necessita um voluntário "fresco" para levar a cabo. OCP só tem que esperar a tragédia.

Ver a galeria completa

Cita: Altamirano, Rafael. "Cinema e Arquitetura: "Robocop (1987)"" [Cine y Arquitectura: "Robocop (1987)"] 19 Set 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/627432/cinema-e-arquitetura-robocop-1987> ISSN 0719-8906