O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A arquitetura de Kowloon Walled City: Um trecho do livro "City of Darkness Revisited"

A arquitetura de Kowloon Walled City: Um trecho do livro "City of Darkness Revisited"

  • 17:00 - 4 Maio, 2014
  • por James Saywell
A arquitetura de Kowloon Walled City: Um trecho do livro "City of Darkness Revisited"
A arquitetura de Kowloon Walled City: Um trecho do livro "City of Darkness Revisited", Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

Tendo em vista o lançamento de uma segunda edição revisada do livro "City of Darkness" - o texto oficial sobre Kowloon Walled City, que você pode ajudar a financiar pelo Kickstarer aqui - os autores Greg Girard Ian Lambot compartilharam um trecho de "City of Darkness Revisited".

As fases iniciais da cidade murada se caracterizaram por tipologias construtivas previsíveis e os edifícios foram construídos no princípio dos direitos dos ocupantes, com a construção em locais aleatórios de terra disponível por quem chegou lá primeiro. Os corredores e passagens evoluíram - de forma não planejada - até o "mapa" estabelecido da cidade, o qual se manteria até que fosse demolida. Uma fonte elétrica básica existia, cada vez mais sobrecarregada por ligações clandestinas que passavam do limite do sistema, e os poucos fontanários forneciam a única água disponível. O aumento da necessidade de acomodar a crescente população residencial e comercial, forçou, nos anos 60, a tipologia do edifício da cidade murada, inicialmente com um estruturas residenciais de dois a três andares, a dar um salto para seis a sete andares. Isso representou um limiar importante, pois nessas alturas maiores os edifícios, inevitavelmente, se tornam mais complexos e exigem o uso de  concreto armado, mais investimento e assim por diante. Eles também exigiam uma maneira diferente de viver. A água era levada manualmente até os pavimentos mais altos, assim como os botijões de gás propano, usados para cozinhar ou aquecer a água.

Cortesia de 'City of Darkness Revisited' Cortesia de 'City of Darkness Revisited' Cortesia de 'City of Darkness Revisited' Cortesia de 'City of Darkness Revisited' + 10

Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

As novas construções se adaptaram em relação às contingências específicas dos seus sítios. Erguidos sem participação de arquitetos ou engenheiros, fundações apropriadas ou empilhamento, eles usaram materiais de qualidade duvidosa, ignoraram as normas mecânicas e elétricas convencionais, não contavam com circulações adequadas e saídas de incêndio, acesso à luz do dia ou ar fresco, abastecimento de água ou coleta de lixo, e certamente não contavam com a manutenção adequada, uma vez construídos. Eles usaram o espaço disponível - livre das restrições normais de títulos de propriedade, os limites de propriedade e regulamentos - de maneiras completamente originais. Eles eram inventivos, espécimes arquitetônicos renegados.

A única restrição observada com consistência foi o limite de altura, dado pelo Aeroporto Kai Tak, que existiu por toda a área de Kowloon. Provavelmente, até mesmo o empreendedor mais inescrupuloso percebeu que desafiar isso seria contraprodutivo, pois forçaria o governo a responder de forma negativa. Fora este "limite de altura sagrado", valia a pena tentar quase tudo.

Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

O espaço aberto do piso térreo - os pequenos jardins e currais ainda presentes na década de 1950 - foi logo embora, substituído por estruturas de concreto e vielas. Ao nível do solo, a luz do dia diminuiu mês a mês. "Empreendedores" - qualquer pessoa com iniciativa, os fundos e acesso ao conhecimento sobre construção civil rudimentar - faziam propostas a "donos" existentes de tal forma que eles podiam negociar sua estrutura de dois andares atuais por unidades maiores ou mais unidades em novos e mais "modernos" edifícios, construídos em seu lugar. Quando possível, os empreendedores agrupavam propriedades adjacentes dos vendedores em conjunto para gerar uma projeção maior e, portanto, a possibilidade de construir uma torre maior, aumentando assim os lucros. Isto resultou, naturalmente, em uma evolução no tamanho da cidade. Um passo à frente na escala, não apenas em altura, mas também em largura.

Como não havia nenhum plano diretor a ser seguido - ou regulamentos para aderir - vias de circulação não convencionais começam a surgir  através da cidade, subindo e descendo por meio de estruturas adjacentes. Escadarias existentes foram assimiladas, janelas em edifícios adjacentes foram ignoradas e bloqueadas, pisos ficaram em balanço sobre vielas, chegando  às vezes a tocar o outro lado. A vista dos telhados da cidade murada se tornou sua própria esfera pública, com a vegetação em vasos, crianças brincando, adultos repousando e por onde passava uma circulação lateral (usada até mesmo pelo carteiro). Edifícios mais baixos nem sempre eram demolidos, mas simplesmente possuíam andares adicionais construídos sobre eles, ocasionalmente, até mesmo por edifícios mais altos ao lado. Em níveis mais altos, corredores foram conectados para permitir que as pessoas atravessassem diferentes estruturas sem retornar ao nível do solo, de modo que enquanto se moviam pela cidade, era difícil saber quando você tinha cruzado a "linha de propriedade" entre um prédio e outro. Essa ambiguidade era irrelevante para os moradores familiarizados com as rotas, que navegavam pelo sistema de circulação entrelaçada de forma fluida. Este extraordinário crescimento "orgânico" se tornou uma das características mais marcantes e interessantes da cidade murada em um nível arquitetônico e urbanístico.

Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

Em 1963, uma tentativa das autoridades locais para limpar e despejar uma seção do canto nordeste da cidade murada foi interrompida após objeções do governo  chinês, e essa negação explícita do poder britânico dentro da cidade murada abriu o caminho para o desenvolvimento galopante. Nesse mesmo ano, a associação local Kai Fong foi formada pelos moradores, em parte para ajudar a enfrentar o desafio do esforço de despejo britânico e, em parte, para arbitrar reivindicações de propriedade, o que, sem dúvida, aumentaram em número e de urgência,  graças ao boom da construção.população a essa altura havia ultrapassado  15 mil pessoas. A anarquia completa não era mais sustentável. O Kai Fong  tornou-se a autoridade de fato para disputas de propriedade e transações na  cidade, e estabeleceu seu selo como a única prova reconhecível sobre registros de propriedade. Muito rapidamente ela também  assumiu a responsabilidade pela supervisão de outros serviços, bem como, e  para as negociações com o Governo de Hong Kong em nome dos moradores.  Ela provou ser um corpo organizacional vital até a demolição da Cidade Murada

Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

As condições de vida dentro da cidade murada foram se tornando cada vez piores, como o aumento da atividade de construção e a densidade resultante colocavam ainda mais pressão sobre a infra-estrutura inadequada. O abastecimento de água e qualidade deterioraram-se, a drenagem era insuficiente e frequentemente bloqueada, falhas elétricas se tornaram regulares, apesar de genuínos - se, em partes, apenas parciais - esforços externos por parte do Governo e serviços públicos para resolver os problemas. As autoridades aceitaram que melhorias tinham que ser realizadas, mas foram frustrados pelas condições que tornavam quase impossível a adaptação, e pelas ligações clandestinas constantes feitas aos sistemas. Mais importante, no entanto, as autoridades foram contidas pela preocupação muito natural de que todas as melhorias dessem legitimidade para um assentamento ilegal que, inclusive, estavam ansiosas para demolir.

Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

Enquanto isso, poços de água particulares foram escavados sob a cidade (e a água vendida visando o lucro) sem nenhuma preocupação com as conseqüências. As autoridades acrescentaram um tubo vertical de água, mas a oferta não conseguiu acompanhar o ritmo do crescimento da demanda, e como a Cidade Murada cresceu mais e mais densa, tornou-se cada vez mais difícil de racionalizar e modernizar os serviços públicos. O Governo enfrentou um dilema insolúvel: ele queria melhorar as condições sem, no entanto, incentivar ainda mais o crescimento, mas não pôde fazê-lo facilmente por causa do labirinto intrigante que Cidade Murada tinha se tornado.

Na década de 1970, a cidade tinha chegado a sua forma máxima, com prédios de até 14 andares de altura e praticamente nenhuma incidência de luz do nível do solo, salvo em seu centro. Sua densidade foi estimada em meros 7 metros quadrados por pessoa. A área yamen tinha de alguma forma se mantido uma exceção ao desenvolvimento vertical, arrendada a uma sociedade missionária em 1949 para uso como um asilo de mendicidade e lar de idosos. Eventualmente, ele definiu o único vazio substancial dentro da cidade murada, com céu visível acima dele. Um pequeno templo perto de Lo Yan St também sobreviveu, mas acabou sendo completamente soterrado sob o lixo que caia das torres ao redor.

Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

Durante a década de 1980, os últimos blocos urbanos remanescentes da Cidade Murada foram preenchidos, e fundiram-se em uma massa quase contínua, especialmente quando visto de fora ou acima. Neste período ela funcionou como uma pulsação, organismo vivo, com as artérias de circulação de diferentes tamanhos, encanamento e veias de eletricidade fluindo através dele, e uma esburacada, descolorida epiderme no seu perímetro feitas de fenestração irregular, estuque mal mantido e paredes de concreto, e um qualquer número de varandas, gaiolas, extensões, racks e unidades de ar-condicionado que se agarram a ele como verrugas e tumores.

Alguns edifícios pareciam inclinar-se contra os seus vizinhos, alguns eram incrivelmente estreitos, muitos estavam indefinidos quanto a suas paredes. Estas torres em estágio final foram, sem dúvida, as mais precárias, se inventivas, de todas na história da Cidade Murada. Seus construtores alegaram que estavam a salvo, que imitaram as mesmas normas de construção de estruturas fora da cidade, em Hong Kong. Isto é provavelmente verdadeiro, uma vez que muitos dessas construções foram "projetadas" e/ou montados por freelancers de fora, ou por empreiteiros com experiência em projetos legítimos em outros lugares. E, afinal, nenhum nunca entrou em colapso. Mas também é verdade que eles foram construídos muito próximos as normas mínimas. Eles foram construídos apenas como máquinas de lucro.

Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

Também é provavelmente verdade que como a cidade cresceu e se solidificou em uma massa física quase única, fraqueza estrutural foi, pelo menos parcialmente mitigado pelo contexto estrutural; edifícios abraçaram-se, ou pelo menos estabilizaram a entidade como um todo. Um pouco como um vagão do metrô cheio na hora do rush, com corpos embalados lado a lado, é difícil cair quando se há pouco espaço para fazê-lo. Obviamente, os edifícios não são tão simples, e uma torre pode recolher verticalmente sobre si mesmo. Mas como a cidade entrelaçava sua forma física e social, as suas estruturas se tornaram parasitárias, não só em termos de espaço, mas de estabilidade, pelo menos, tanto quanto foi.

A arquitetura de Kowloon Walled City: Um trecho do livro "City of Darkness Revisited", Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

Era a Cidade Murada, então, um bom teste laboratorial de casos de auto-crescimento urbano, com regulação ou planejamento ausentes? Foi a sua evolução orgânica um exemplo de como as cidades ficariam sem a participação de um governo funcional - uma espécie de mundo do filme Mad Max de apenas normas e limites auto-regulados? Sem romantizar a realidade da Cidade Murada, também limitou o negativo, formando um proto-governo, usando as leis não escritas ao invés das escritos e ,de forma significativa, funcionando como uma verdadeira democracia (certamente uma verdadeira economia de mercado). Ela tornou-se mais viável em termos práticos, conforme foi se tornando internamente integrada. A sua coerência, que não pode ter sido óbvia, mas foi entendida por seus habitantes, aumentou à medida que a sua função social, espacial, econômica e, sim, interdependência arquitetônica cresceu e amadureceu em uma máquina comunitária bastante funcional. Era então uma entidade física verdadeiramente indígena, que é por isso que tem fascinado os arquitetos e urbanistas por tanto tempo.

Cortesia de 'City of Darkness Revisited'
Cortesia de 'City of Darkness Revisited'

Apoie City of Darkness Revisited, por Greg Girard e Ian Lambot, no Kickstarter aqui

Sobre este autor
James Saywell
Autor
Cita: James Saywell. "A arquitetura de Kowloon Walled City: Um trecho do livro "City of Darkness Revisited"" [The Architecture of Kowloon Walled City: An Excerpt from 'City of Darkness Revisited'] 04 Mai 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/601388/a-arquitetura-de-kowloon-walled-city-um-trecho-do-livro-city-of-darkness-revisited> ISSN 0719-8906