O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Concursos
  3. Musée de la Romanité / Elizabeth de Portzamparc

Musée de la Romanité / Elizabeth de Portzamparc

Musée de la Romanité / Elizabeth de Portzamparc
Musée de la Romanité / Elizabeth de Portzamparc, Cortesia de Elizabeth de Portzamparc
Cortesia de Elizabeth de Portzamparc

De frente para as arenas romanas e um anfiteatro de Nîmes, atravessado pelas ruínas e os restos arqueológicos das antigas fortificações romanas, o principal desafio para a concepção do Musée de la Romanité era projetar um museu que se tornaria uma referência em escala internacional. Esta proposta vencedora projeto de Elizabeth de Portzamparc cria um forte diálogo arquitetônico entre duas arquiteturas separadas por mais de dois mil anos de história e de frente para o outro. O projeto está localizado na espinha dorsal do sitio, sobre o velho limite que costumava separar a cidade medieval da cidade moderna. Mais imagens e descrição da arquiteta a seguir.

Cortesia de Elizabeth de Portzamparc

Em relação a estes vestígios, vinte séculos de estratos urbanos e arquitetura são sobrepostos: esta é a herança excepcional da cidade de Nîmes. A escala deste projeto nos levou a reunir múltiplas habilidades: as especificações incluídas não só a criação do museu, mas também a regeneração urbana da trama estilo “Grelha”, a museografia, o paisagismo arqueológico e um estudo de viabilidade de um centro de congressos e um hotel.

Cortesia de Elizabeth de Portzamparc

A proposta é baseada em um diálogo feito de oposição e complementaridade. Apesar de suas diferenças, os vinte séculos de história que separam o museu e as antigas Arenas de Nîmes requerem a criação de um diálogo. Duas geometrias, dois materiais, duas formas interagem: com o volume grande pedra e com a magnificência dos arcos verticais transmitida a nós através dos séculos, as respostas do museu por sua luz e presença luminosa, a sua arquitetura contemporânea e fluida, criando uma resposta diáfana composta por cortinas horizontais que parecem flutuar sobre o sitio e seu jardim arqueológico. Com o Tribunal de Justiça de frente para o projeto, é uma nova visão do lugar du Parvis e do arco descrito pelas arenas romanas que o edifício está colocando em perspectiva: sua leveza respondendo ao enorme volume clássico, criando assim um respeitoso e excepcional diálogo.

Cortesia de Elizabeth de Portzamparc

Emergindo dos vestígios arqueológicos, o Museu foi concebido como o portão de uma avenida urbana: o planejamento urbano e da mise en scène da perspectiva de valorizar os tesouros do patrimônio romano (as Arenas, os vestígios, o frontão da “fonte”) e do patrimônio mais recente da arquitetura moderna.

Cortesia de Elizabeth de Portzamparc

O jardim arqueológico, que foi projetado pelo paisagista Régis Guignard da Société Méristème  e pretende ser didático. Uma série de estratos botânicos sobrepostos correspondentes aos períodos pré-romano, romano e pós-romano, correspondem exatamente aos temas da museografia. Restos geológicos debaixo da terra nos lembram de todas as camadas diferentes das civilizações que nos antecederam. A vegetação futura que fará parte da paleta será selecionada e disposta em camadas, seguindo o link de três partes históricas para Nemausus-la-Romaine e apresentado pela primeira vez no Museu. Seus aspectos atrativos serão reforçados por diferentes áreas de convívio urbano.

Cortesia de Elizabeth de Portzamparc

Localizado no portão da cidade velha, o museu revela as Arenas da Rua Republique através do seu piso térreo transparente: anunciando o evento, que atrai e surpreende. O museu, localizado na extremidade da muralha romana, foi concebido de modo a gerar uma forte coerência na cidade, a museografia inventiva dentro dele e no jardim arqueológico que se estende. Entre o hall de entrada e o café, uma larga rua interna, a passagem acessível, mesmo quando o museu está fechado ao público, conecta o parvis para o jardim arqueológico seguindo os vestígios romanos. Esta passagem semi pública cria uma abertura visual e um acesso ao jardim arqueológico, atraindo os pedestres e revelando um eixo romano, uma ligação entre os restos e as Arenas. No centro desta passagem, um átrio com 17 metros de altura revela uma cenografia dos fragmentos da “Fonte”, convidando-nos a descobrir o museu. A partir de um fragmento do frontão, escondido dos habitantes de Nîmes por um longo tempo, damos um novo nascimento para a Propylaea do santuário, reestruturando a entrada principal do templo de uma maneira espetacular. Esta restituição público é o elemento patrimonial mais significativo e comovente do projeto.

Cortesia de Elizabeth de Portzamparc

O acervo do atual museu arqueológico de Nîmes conta com mais de 25.000 itens, como os mosaicos de Aquiles e Penthea, descoberto durante as escavações arqueológicas do sítio Allées Jean Jaurès, estes resquícios excepcionais nunca foram sido apresentado ao público devido à falta de espaço do museu já existente. Uma das ambições do novo museu será ser altamente atraente, pela sutileza do seu sistema construtivo, de sua fachada de luz, mas também pela sua turnê museográfica, suas inovações técnicas e aspectos estéticos, as suas projeções de vídeos e instalações.

Cortesia de Elizabeth de Portzamparc

O Museu oferece passeio ascendente. Esta ascensão começa a partir do salão principal, o visitante é aspirado pelas curvas generosas das escadas “Chambord”. A visita continua dentro dessas escadas tesouras por uma série de rampas que produzem pontos de vista mais elevados sobre as coleções. Amplas janelas abrem o espaço interior para o jardim e para as Arenas. O telhado e o seu terraço marcam a última etapa deste tour, oferecendo um panorama excepcional em mais de 20 séculos de História Nîmes.

Musée de la Romanité – Nîmes – Elizabeth de Portzamparc from Pierre-Jean Gubert on Vimeo.

Ficha técnica:

  • Arquitetos: Elizabeth de Portzamparc
  • Ano: 2012
  • Área construída: 8380 m²
  • Tipo de projeto: Uso Misto
  • Operação projetual:Projeto
  • Status:Concurso
  • Materialidade: Concreto
  • Estrutura: Concreto e Aço
  • Localização: Nîmes, França
  • Implantação no terreno: Isolado

Equipe:

  1. Arquitetura e Museografia: Elizabeth de Portzamparc
  2. Arquitetos Associados: A + Architecture
  3. Arquiteto Associado/ACMH: Alain-Charles Perrot

Informação Complementar:

  1. Paisagismo: SARL Méristème
  2. Multimedia: Studio K
  3. Design Gráfico: Locomotion Sarl
  4. Controle de qualidade ambiental: Celsius Environnement
  5. Engenharia de economia na construção: L’Echo
  6. Engenharia Estrutural: Sarl André Verdier
  7. Engenharia de Fluidos: Choulet Louis
  8. Supervisão do local: Ateba
  9. Arquiteto Chefe dos Monumentos Históricos da França: Alain-Charles Perrot
  10. Planejamento Urbano: Christian de Portzamparc

 

  1. Cliente: Cidade de Nîmes
  2. Programa: planejamento urbano da trama estilo grelha; construção do Musée de la Romanité, de um jardim arqueológico,  um centro de convenções e um hotel

Cita: Leonardo Márquez. "Musée de la Romanité / Elizabeth de Portzamparc" 19 Jul 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/60142/musee-de-la-romanite-elizabeth-de-portzamparc> ISSN 0719-8906