O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Iluminação Natural: Higher Atlas / Barkow Leibinger Architects

Iluminação Natural: Higher Atlas / Barkow Leibinger Architects

Iluminação Natural: Higher Atlas / Barkow Leibinger Architects
Iluminação Natural: Higher Atlas / Barkow Leibinger Architects, © Johannes Foerster
© Johannes Foerster

Marrakesh é uma cidade que oferece uma comunidade indígena, uma loucura inventiva e uma cultura artesanal oscilando entre “ad-hoc kitsch” e o arcaico sublime. É evidente que estas técnicas estão disponíveis e poderiam ser apropriadas para a proposta desta na Bienal. A questão se converteu em: quais são as técnicas e qual a forma de conhecimento pode ser levada nesta situação, que poderia começar a mediá-la, e como encontrá-lo?

© Johannes Foerster

Que efeitos poderiam produzir, tendo em conta a forma geométrica que se encontra na  arquitetura  em Marrakesh, e como ela foi construída usando o programa de software de algoritmo atual? (Grasshopper, Rhino, por exemplo) e, em seguida, começar a especular sobre como essas formas poderiam ser dadas (fato físico) através de técnicas de artesanato e os materiais locais? Assim, a obra reflete aspectos que serão familiares às questões locais e outros aspectos, que podem ser entendidos como universais. Este não é um processo completamente linear e há muitas idas e vindas, de tentativa e erro, e testes de modelos diferentes, mas com um objetivo similar.

© Johannes Foerster

Uma das técnicas locais que se tornou um atrativo foi o tecido tradicional marroquino sobre uma estrutura de madeira que consiste na técnica do tear: sobre uma matriz a organização da lã ou de fios de algodão em uma série de linhas (geralmente de cor), e amarrar com o fim de produzir uma superfície tecida. A armação do tear é uma estrutura rígida estrutural que mantem o fio no seu lugar, como uma série de linhas paralelas que formam superfícies; uma técnica que foi utilizada em um escala arquitetônica com a ambição de produzir na superfície não apenas duas dimensões, mas mais volumes tridimensionais esticados sobre uma série de estruturas de madeira fixas.

© Johannes Foerster

O local definitivo para o  trabalho, a ruína da Mesquita Koutoubia, informa e localiza o projeto e estabelece uma escala para o trabalho. Assim, o projeto se converte no local específico desses lugares e isto significa: restrições e oportunidades. As colunas “entreabertas” estabelecem uma grade de 5 x 5 metros, onde a instalação se ajusta para reduzir pela metade por uma grade de 2,5 x 2,5 metros, que na lógica de uma superfície hiperbólica se estabelece uma altura de 2,5 metros em relação aos telespectadores que podem caminhar ao redor ou  através dela.

© Johannes Foerster

A grade de coluna repetida da ruína, também estabelece a rede celular repetitiva do tear hiperbólico que se insere em um processo aberto, um pouco deprimido; uma plataforma rodeada pela rede da ruína em três lados. Para além da matriz espacial da série / celular formada por ele, é claro, é afetada pela luz do dia local forte e sombra de si mesmo nas superfícies mais antigas da mesma.

Modelo © Johannes Foerster

O espaço aproximadamente da lã é de 1 a 2 centímetros e define volumes hiperbólicos 18 vezes. O espaço é tal que gera superfície suficiente para definir estas formas, enquanto permite que as formas pareçam transparentes, efêmeras, e em camadas quando vistas de diferentes ângulos, em contraste com a alvenaria opaca e bela ao seu redor.

Planta

Uma construção simples e local de luz, onde as linhas de fio geram uma geometria que formam as superfícies hiperbólicas. A instalação pode ser vista a partir do topo das ruínas ou diretamente circular ao redor ou através. A natureza pública do local garante que o projeto possa ser visto tanto de dia como de noite, sendo ao mesmo tempo familiar e estranho neste lugar lindo.

Axonométrica

Arquitetos: Barkow Leibinger Architects  – Gustav Düsing
Local: Marrakech, Marrocos
Ano: 2012
Fotografias: Johannes Foerster

Cita: Paula Garcia Monteiro. "Iluminação Natural: Higher Atlas / Barkow Leibinger Architects" 11 Jul 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/58948/iluminacao-natural-higher-atlas-barkow-leibinger-architects> ISSN 0719-8906